Presidente da RTA, André Gomes: Festivais de caminhadas pretendem“mostrar o Algarve de forma diferenciada, contribuir para a economia local” e “diversificar oferta turística”

O primeiro dos quatro eventos reunidos em torno da marca «Algarve Walking Season» – Uma Região para Caminhar Todo o Ano», realizou-se em Alcoutim,junto ao Rio Guadiana, entre 15 e 17 de Março. Agora, nos dias 26, 27 e 28 de Abril decorre na zona de Ameixial, Serra do Caldeirão, no concelho de Loulé, enquanto de 01 a 03 de Novembro será a vez de Barão de São João, no concelho de Lagos. Finalmente, de 29 de Novembro a 01 de Dezembro, a serra de Monchique encerrará a edição do ano de 2024 destes festivais de caminhadas, que juntará, no total, mais de três mil participantes de vários países.

José Manuel Oliveira

“É uma oferta diversificada, com muita potencialidade para incluir pessoas de todas as idades e seus familiares, e que, além dos portugueses, atrai, também, não só visitantes de vários países europeus, como dos Estados Unidos da América e Canadá em várias épocas do ano.”

Foi deste modo que o presidente da Comissão Executiva da Região de Turismo do Algarve (RTA), André Gomes, em declarações ao nosso Jornal, destacou a importância dos quatro festivais de caminhadas reunidos em torno da marca «Algarve Walking Season» – Uma Região para Caminhar Todo o Ano», criada em 2017 e reativada em 2024, nos quais espera juntar, desta vez, um total de mais de três mil participantes.

O primeiro evento decorreu em Alcoutim, entre os dias 15 e 17 de Março, junto ao Rio Guadiana, enquanto o segundo tem lugar na zona do Ameixialsituada na Serra do Caldeirão, no interior do concelho de Loulé, de 26 a 28 de Abril. Depois de uma pausa durante os meses do Verão, Barão de São João, no concelho de Lagos,receberá caminhantes de vários países do mundo, de 01 a03 de Novembro. E para a serra de Monchique, de 29 de Novembro a 01 de Dezembro, está marcado o último deste conjunto de quatro eventos, em 2024, da marca «Algarve Walking Season – Uma Região para Caminhar Todo o Ano».

Em termos de económicos, perspectiva-se um impacto superior a 50.000 euros, uma vez que estes encontros proporcionam refeições em restaurantes e dormidas emunidades de Alojamento Local, além de, por exemplo,compras em estabelecimentos comerciais, nomeadamente de peças de artesanato, entre outras receitas.

Concelhos de Faro, Portimão e Lagoa poderão vir a receber este tipo de eventos nos próximos anos

No futuro, este tipo de eventos poderá ser alargado aos concelhos de Faro, Portimão e Lagoa, admitiu, ao ‘Litoralgarve’, André Gomes, presidente da Comissão Executiva da RTA, após ter visto representantes desses municípios durante a apresentação da iniciativa, em 2024, da marca «Algarve Walking Season – Uma Região para Caminhar Todo o Ano», realizada recentemente no auditório do edifício daquele organismo, situado na Avenida 5 de Outubro, em Faro.

Animação fora da época alta” do turismo

“O nosso objectivo é mostrar o Algarve de uma forma diferenciada, contribuir desse modo para dinamizar aeconomia local”, e “diversificar a oferta turística”, reforçou André Gomes, apostando em “animação fora daépoca alta.”

Em 2023, Barão de São João, no concelho de Lagos, contou com mais de setecentos participantes de várias nacionalidades durante três dias

A título de exemplo, em 2023, esta iniciativa juntou, durante três dias, em Barão de São João, freguesia do interior do concelho de Lagos, mais de setecentos participantes de diversas nacionalidades, nomeadamente franceses, dinamarqueses, ingleses, italianos, alemães, belgas e espanhóis, além de portugueses. Muitos deles vieram de propósito a esta zona do Algarve e além das caminhadas, tiveram oportunidade de participar também em actividades artísticas e ‘workshops”, e assistir a um concerto, a uma sessão de poesia e três palestras, no Centro Cultural de Barão de São João. Ao mesmo tempo, nessa altura decorreram 18 actividades destinadas a crianças que acompanharam familiares àquele evento.

“A A22 (Via do Infante) contribui para uma localização privilegiada no barlavento algarvio, sendo muito fácil chegar a Barão de São João. Nestas caminhadas, há, também, muitos estrangeiros residentes no Algarve e muitos turistas de férias em Lagos”, lembrou, a propósito,ao ‘Litoralgarve’, João Ministro, responsável pelo projecto lançado pela Cooperativa para o Desenvolvimento dos Territórios de Baixa Densidade, com a marca «Algarve Walking Season, Uma Região para Caminhar Todo o Ano», criada em 2017 com o objectivo de promover três dos festivais que, nesse ano, se realizaram.

Sem financiamento europeu e com restrições impostas pela Covid-19, festivais de caminhadas tiveram de ser suspensos. Agora, surgem com um “novo fôlego” no Algarve, diz o seu impulsionador João Ministro

Contudo, o projecto acabou por ficar suspenso ao terminar o financiamento europeu, numa altura em que tambémsurgiram restrições impostas pela pandemia da Covid-19.

João Ministro fez questão de destacar este “novo fôlego”da marca «Algarve Walking Season», que permite colocar a região como a principal do país para caminhadas.

“Não há mais nenhuma região do país que tenha uma rede e uma marca que junte vários festivais de caminhadas com estas características. Acaba por marcar posição enquanto destino para este tipo de actividades”, sublinhou João Ministro, acrescentando que, além de visitantes estrangeiros, também se deslocam, de propósito, ao Algarve, portugueses provenientes de Lisboa e do Alentejo.