Vigilância Florestal Jovem de Loulé distinguida pela ANEPC

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil atribuiu uma Menção Honrosa ao Programa “Vigilância Florestal – Voluntariado Jovem”, no âmbito da 2.ª edição do Prémio de Boas Práticas Locais de Promoção da Resiliência.

O Município esteve representado na cerimónia de entrega dos galardões pelo vereador da Proteção Civil, Carlos Carmo, numa sessão que contou com a presença do ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, secretária de Estado da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, e presidente da ANEPC, Duarte da Costa.

O júri destacou a importância desta iniciativa da Câmara Municipal de Loulé “pela preparação dos jovens na prevenção de comportamentos de risco, e pelo reconhecimento e valorização de um projeto fortemente orientado, há mais de uma década, para a valorização do voluntariado, a capacitação das gerações futuras e o reforço da resiliência do território”.

A “Vigilância Florestal – Voluntariado Jovem” foi lançada em 2008, destinada a jovens com idades compreendidas entre os 12 e 17 anos. A atividade decorre em período de férias escolares, nomeadamente durante os meses de julho e agosto. Durante este período, são constituídas brigadas, acompanhados por um monitor, que quinzenalmente fazem a vigilância da extensa área florestal do Concelho.

Os objetivos deste programa são a prevenção e deteção de fogos florestais, a sensibilização e informação à população, a interação com a população mais idosa e isolada, para além da aprendizagem relacionada com os incêndios florestais e das caminhadas ao ar livre, favorecendo as relações interpessoais entre os voluntários que participam. Por outro lado, com este projeto é sublinhada a importância da floresta e do meio ambiente.

Este programa conta com o apoio das juntas de freguesia de Alte, Ameixial, Salir e União de Freguesias Querença, Tôr e Benafim e culmina com um momento de convívio entre todos os participantes e intervenientes onde os jovens voluntários recebem o seu diploma de vigilantes da natureza.

Desde o seu arranque já participaram no programa cerca de 900 jovens.

“Este é um projeto muito acarinhado pelos nossos serviços de Proteção Civil e que, ano após ano, tem contado com a participação de muitos jovens interessados na proteção do nosso património natural mas também nas aprendizagens sobre a forma de atuação. Acredito que é um programa decisivo para fortalecer a resiliência das gerações mais jovens face às ameaças crescentes como é o caso dos incêndios florestais”, referem os responsáveis do Município de Loulé.

O Prémio de Boas Práticas Locais de Promoção da Resiliência insere-se no âmbito da Estratégia Nacional para uma Proteção Civil Preventiva e no comprometimento nacional com as metas traçadas pelo Quadro de Sendai para Redução do Risco de Catástrofes 2015-2030, designadamente no que respeita à governança do risco e à capacitação das autoridades locais na promoção de comunidades mais resilientes.

Tem como finalidade reconhecer publicamente iniciativas, consideradas como boas práticas, desenvolvidas por freguesias, municípios ou entidades intermunicipais, que estimulem a preparação e participação dos cidadãos no incremento da resiliência face à ocorrência de acidentes graves e catástrofes.