São Brás de Alportel comemorou 50 anos de Liberdade e Democracia com compromisso com o Futuro

O 50º aniversário do 25 de abril de 1974 foi comemorado com um dia recheado de momentos solenes, tributo à memória, muita musica e desporto em São Brás de Alportel, momento alto do programa de comemorações que se estende desde o início de 2024 até ao final de 2025

As comemorações tiveram início com o Hastear da Bandeira e um desfile de associações do concelho até ao Largo de São Sebastião onde está instalado um cravo com seis metros de altura elaborado por funcionários da Câmara Municipal. Este foi o local escolhido para a representação artística do dia da Revolução, fruto da iniciativa do Grupo Carolas, com muitos amigos que se associaram.

A Avenida da Liberdade decorada a rigor, para estas comemorações cujo programa se irá prolongar até 2025, apresenta 51 cravos, cada um dedicado a cada ano vivido em Portugal em democracia após a Revolução do 25 de abril de 1974, acolheu ainda uma exposição de veículos que recriaram a época.

Este cenário festivo estende-se até à Escultura da Liberdade, também decorada a rigor até 1 de maio, dia do Trabalhador.

A população foi convidada a visitar a exposição “25 de abril: o virar da página… 50 anos de Democracia” que está patente na Galeria Municipal até 30 de abril e que estará em itinerância por diversos espaços do concelho a partir de maio.

O São Brás Cineteatro Jaime Pinto recebeu a Sessão Solene Comemorativa “Tributo à Memória, Sementes de Futuro” onde foram homenageados são-brasenses que semearam a Democracia, lutaram pela Liberdade e deram o seu contributo para a concretização da Revolução dos Cravos e da implementação do Poder Local Democrático, que foi outra das mais relevantes conquistas de abril. Os elementos das Primeiras Comissões Administrativas, bem como todos os são-brasenses que desde 1974 presidiram à Câmara Municipal e à Assembleia Municipal.

Completamos meio século de revolução, superámos a ditadura em anos de liberdade e democracia, e é este o caminho do futuro, são estas as pedras basilares de uma sociedade promotora de Liberdade, Igualdade, Solidariedade e Justiça”, afirmou o presidente da Câmara Municipal de São Brás de Alportel, Vitor Guerreiro, no discurso da sessão solene onde aproveitou para homenagear todos os intervenientes da revolução das mais distintas áreas da solidariedade que lutaram e defenderam os valores de abril, assim como a todos os que desde então têm alimentado e continuam a alimentar os valores de abril.

O poder local democrático nascido da Revolução é um forte bastião dos valores da democracia, da proximidade e da participação ativa dos cidadãos na construção do seu próprio futuro”, acrescentou vincando que a descentralização do poder nas autarquias é sinónimo de autonomia, otimização de recursos na luta por mais e melhores condições de vida para as populações”.

E porque o 25 de abril “se escreve todos os dias, importa recorçar junto das novas gerações a importância do passado e a importância de dar continuidade a este sonho nacional iniciado há 50 anos”.

As Sementes de Futuro foram lançadas pelas vozes dos meninos e meninas da Turma de 3.º ano do Prof Jorge Gonçalves na Escola EB1 JI de São Brás de Alportel e do CARTES – Conservatório de Artes do concelho, dirigido por António Jorge Pinto que brindou os presentes com uma emotiva viagem musical pela Liberdade.

O dia terminou no Largo de São Sebastião com o concerto protagonizado pelo talentoso jovem artista português Buba Espinho, que partilhou o palco com o Coro Infantojuvenil da Liberdade, culminando este dia lançando sementes de liberdade ao futuro!

– Município homenageou são-brasenses que ajudaram a construir a democracia –

Recheada com momentos culturais e emotivos, a Sessão Solene Comemorativa “Tributo à Memória, Sementes de Futuro” foi o momento escolhido pelo Município de São Brás de Alportel para homenagear os são-brasenses que em diferentes momentos e diferentes momentos da vida do concelho nos últimos 50 anos ajudaram a implementar e a alimentar a democracia em Portugal.

Na qualidade de representante do município na Comissão Organizadora das Comemorações dos 50 anos do 25 de abril de 1974, Marlene Guerreiro, dirigiu-se à plateia orgulhosa pelo trabalho realizado pela Comissão e por todos quantos aderiram e estão a construir o programa das comemorações com as mais diversas iniciativas num amplo leque de áreas.

Mas, Marlene Guerreiro mostrou-se também orgulhosa pela forma como os mais jovens estava a aderir aos mais diversos desafios que lhes foram colocados neste âmbito, como é o caso do Coro InfantoJuvenil da Liberdade, dos jovens que participaram na atuação do CARTES, no Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas com nomeadamente a instalação artística do Jardim Carrera Viegas, mas também pela criação do logotipo das comemorações são-brasenses que é da autoria do jovem Tiago Narciso, um jovem de 17 anos, do curso de Artes da Escola Secundária.

Não podemos deixar que o tempo apague da memória da nossa sociedade as nódoas da ditadura, as cicatrizes da Guerra do Ultramar, as marcas da tortura, a miséria de pão e dignidade, o silêncio amordaçado da censura, o medo, a fome…”, disse frisando que “hoje, temos o dever de continuar a Revolução, que precisa de uma nova madrugada, inteira e limpa, para continuar a construir a democracia, a liberdade, a paz e a igualdade, as grandes conquistas de abril que são obras inacabadas nas nossas mãos”.

Foram homenageados os elementos da Primeira Comissão Administrativa de 1974: António Chaves de Oliveira Pinto (presidente), Mateus Manuel Lopes de Brito (vogal), António Jacinto Ferreira (vogal), Maria Mercedes Gonçalves Martins (vogal) e José Amândio Afonso Pereira (vogal).

Foi também homenageado o presidente da Segunda Comissão Administrativa (1976) e Presidente da Câmara Municipal de São Brás de Alportel, de 1977-1982, João Pires da Cruz.

Em agosto de 1976 foi instalada a Terceira Comissão Administrativa cujos membros foram homenageados na passada quinta-feira, 25 de abril: Abílio José Mendonça Barros (presidente da 3ª Comissão Administrativa 1976, Presidente da Câmara Municipal em 2001, e ainda Presidente da Assembleia Municipal São Brás de Alportel de 1979 a 1982.

Integraram esta comissão ainda os são-brasenses: Armando Filipe Ventura (vice-presidente), José dos Santos Botinas (vogal), Miguel da Silva Borralho (vogal) e António Dias Mendonça (vogal).

O Município de São Brás de Alportel homenageou ainda os presidentes da Câmara Municipal: António José Pires Bica (1983 a 1989), José de Sousa Pires (1990 a 2001) e António Paulo Jacinto Eusébio (2002 a 2013).

Desde a Revolução dos Cravos, a Assembleia Municipal foi liderada por são-brasenses que também foram recordados e homenageados, nomeadamente: Júlio José Vargues Parreira (1976 a 1979), José Manuel Eusébio Rocha (1983 a 1986), António Augusto Moita dos Santos (1986 a 1989), José Mouzinho Dias Neves Eusébio (1989 a 2001) e José do Carmo Correia Martins (2001 a 2013).

O programa das comemorações estender-se-á até finais de 2025.