Passagem-de-ano animada em Lagos – “Houve muita gente e o negócio foi bom”, destaca vendedora de filhoses

Até ao final da música ao ar livre, pouco antes das 02.00 horas, a Praça do Infante Dom Henrique serviu de pista de dança para centenas de pessoas. E algumas até foram cumprimentar e abraçar agentes da PSP.

 

José Manuel Oliveira

 

“Houve muita gente e o negócio foi bom”, disse, ao ‘Litoralgarve’, por volta das 02.30 horas da madrugada desta segunda-feira, 01 de Janeiro de 2024, uma jovem vendedora, enquanto embrulhava filhoses, numa das barracas instaladas na Avenida dos Descobrimentos, em Lagos. Isto, numa altura em que muitas pessoas já abandonavam o local, após terem assistido, a partir das 22.30 horas de 31 de Dezembro de 2023, ao concerto da passagem-de-ano, a cargo dos Calema, a dupla de irmãos de São Tomé e Príncipe, e dançado, em seguida, ao som música do disco jóckey ‘TobyOne’, num palco instalado junto à Igreja de Santa Maria, na Praça do Infante Dom Henrique.

 

Madrugada com 14 graus centígrados de temperatura

 

Com os termómetros a marcarem 14 graus centígrados, numa placa luminosa no exterior da Farmácia Telo, centenas de pessoas concentraram-se quase às escuras, naquela zona de Lagos, além das ruas onde se situam bares e nas quais até chegou a ser difícil caminhar. Até ter sido desligada a música no palco, pouco antes das 02.00 horas da madrugada, via-se muita gente, sobretudo mulheres, a dançar na Praça do Infante Dom Henrique. Animação foi, pois, o que não faltou durante a passagem-de-ano em Lagos.

 

Homem conduz bicicleta em contramão e sem luz entre a multidão

 

Três agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP), entre o edifício do Armazém Regimental e o Mercado dos Escravos, vigiavam a zona e até recebiam cumprimentos e abraços de algumas pessoas que ali passavam, desejando-lhes Bom Ano. Apesar da segurança montada no local, um homem acabou por conduzir uma bicicleta, em contramão e sem luz, entre a multidão que ali se encontrava. Já um outro indivíduo, mais cuidadoso, atravessou a pé a Praça do Infante Dom Henrique, também com uma bicicleta. E mesmo assim, um homem, que caminhava, quase colidiu com o veículo.

 

Ambulância do INEM, a buzinar, atravessa a Avenida dos Descobrimentos a caminho do Hospital Terras do Infante, em Lagos, junto a muitas pessoas

 

A determinada altura, uma ambulância do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), a buzinar e com sinais de luzes, atravessou, em direcção ao Hospital Terras do Infante, em Lagos, a Avenida dos Descobrimentos, onde estava muita gente, e que, sob o controlo de agentes e viaturas da PSP, se encontrava encerrada ao trânsito de veículos, entre a zona perto da Praça de Táxis e o Jardim da Constituição, devido ao espectáculo musical e lançamento do fogo-de-artifício à meia-noite.Pode ser uma imagem de fogo de artifício

 

Onze cabinas a servirem de sanitários e copos e garrafas espalhados por todo o lado, até em redor da estátua do Infante Dom Henrique

 

 

Ali perto, viam-se onze cabinas a servirem de sanitários, uma das quais destinada a pessoas portadoras de deficiência física. Por outro lado, lixo foi o que também não faltou nesta animada noite de passagem-de-ano para 2024, em Lagos, com papéis, copos de plástico e garrafas de cerveja, de vinho e de refrigerantes espalhados, nomeadamente na Avenida dos Descobrimentos e na Praça do Infante Dom Henrique. E em noite de festa, até a estátua do famoso navegador e comandante dos Descobrimentos Marítimos Portugueses, ficou cercada por copos, latas e garrafas.

Junto ao edifício da Messe Militar de Lagos, a Proteção Civil Municipal montou uma ampla tenda para reforçar a segurança nesta zona da cidade.

 

Carro dos Bombeiros Voluntários de Lagos, transportando escada, surgiu depois da 01h30 numa rua com bares, mas não chegou a intervir

 

 

Pouco depois da 01h30m., uma viatura dos Bombeiros Voluntários de Lagos, transportando uma escada, surgiu de repente, assinalando marcha de socorro, até ao início da Rua Senhora da Graça, onde se situam vários bares. Permaneceu durante algum tempo no local, perto da Messe Militar, mas o bombeiro que conduziu o carro não chegou a sair do seu interior. Passados alguns minutos chegou o outro bombeiro, que o acompanhava, tendo a viatura feito marcha-atrás e invertido a marcha, com o apoio de agentes da PSP, em direcção ao quartel. Pelo que se percebeu, não foi necessária a intervenção dessa viatura dos Bombeiros Voluntários de Lagos, que, recorde-se, transportava uma escada. O nosso Jornal está a tentar apurar o que se passou

Enquanto isso, um grupo de pessoas mais animadas pulava e dançava junto ao acesso ao prédio da Messe Militar. Num dos bancos de pedra, na Praça do Infante Dom Henrique, estava um indivíduo deitado. O mesmo aconteceu na zona relvada do Jardim da Constituição.

Já cerca das 02.00 horas, via-se pessoal de serviços de limpeza junto ao edifício do Tribunal de Lagos a proceder à recolha de resíduos sólidos e preparando-se para seguir em direcção à Praça do Infante Dom Henrique, local onde havia mais lixo.

 

“Esta é a melhor noite do ano”, contou um taxista, ainda antes do Natal, enquanto um colega receava “clientes denotando excesso de consumo de bebidas alcoólicas” na passagem-de-ano

 

Antes e depois da meia-noite, no centro da cidade, muitas pessoas esperavam um táxi, num período de mais trabalho para estes profissionais. Um cenário pouco habitual noutras alturas do ano, inclusive durante o Verão. “Esta é a melhor noite do ano”, dizia-nos, ainda a anteceder o Natal, um taxista. Já um outro, na mesma ocasião, mostrou-se cauteloso, ao lembrar que a passagem de ano “muitas vezes é uma noite complicada, devido a clientes denotando excesso de consumo de bebidas alcoólicas, pelo que nunca se sabe o que pode acontecer”.

Alguns taxistas chegaram a confessar a populares, em Lagos, que até preferiam “não trabalhar durante a noite de passagem-de-ano só para evitar problemas ao poder ter de transportar clientes com sinais de embriaguez e que podiam vomitar nos carros.” Pelo menos, até à elaboração desta reportagem, não havia indicações sobre desacatos.

 

(Em actualização)