Município de Faro inicia 4ª edição do Orçamento Participativo

Depois da realização de 3 edições do Orçamento Participativo, a Câmara Municipal de Faro vai agora dar início a nova edição do Orçamento Participativo de Faro (2023/24).

Para esta 4ª edição do OP Faro a verba alocada sofreu um aumento significativo, 250.000€ no total, 240.000€ para o OP Faro, e 10.000€ para o OP Faro-Escolas (em desenvolvimento pelos agrupamentos de escolas com os alunos do 3.º ciclo e secundário). Assim, no OP Faro o custo global de cada proposta apresentada também aumentou e poderá ser igual ou inferior a 40.000€.

Podem apresentar propostas todos os cidadãos com idade superior ou igual a 18 anos, recenseados em Faro ou que, comprovadamente, residam, trabalhem ou estudem no concelho;

São vencedores os projetos mais votados pelos cidadãos até esgotar a verba, sendo que cada freguesia/união de freguesias terá sempre, pelo menos, um projeto vencedor.

Na primeira fase, a decorrer entre 14 de outubro e 25 de novembro, o Município irá realizar 11 Encontros Participativos nas diversas freguesias/uniões de freguesias do Concelho, de acesso livre a todos os interessados, onde os munícipes poderão de viva voz apresentar as suas propostas de melhoria para o Concelho (calendarização disponibilizada em breve).

Entre 26 de novembro e 26 de dezembro será a vez da participação digital, através do portal do OP Faro em https://op.cm-faro.pt/ e cada participante poderá apresentar uma proposta.

Depois do período de apresentação de propostas, e análise técnica, teremos a votação durante todo o mês de março de 2024 e cada participante poderá votar em dois projetos.

Em abril de 2024 serão anunciados os projetos vencedores, cuja execução decorrerá por um período máximo de dois anos.

Recorde-se que desde a 1ª edição já foi alocada uma verba total de 555.369,87€, e concluídos 6 dos 18 projetos vencedores no OP Faro. O OP Faro Escolas teve a adesão de todos os agrupamentos de escolas, foram aprovados projetos nas nove escolas do concelho (3º ciclo e secundário.

Pretende-se um processo vivo e participado, em que se discute o Concelho e a melhor forma de contribuir para o seu desenvolvimento e para a melhoria da qualidade de vida dos seus habitantes.