Loulé recorda herança de liberdade e tolerância nas celebrações da Restauração da Independência

Celebrou-se esta sexta-feira, 1 de dezembro, o 383º aniversário da Restauração da Independência de Portugal. Pelo terceiro ano consecutivo, o Município de Loulé respondeu ao convite da Sociedade Histórica da Independência de Portugal e assinalou esta data marcante da História nacional.

Mais do que uma exaltação patriótica, esta constituiu uma comemoração em que se realçaram os valores emanados desta data de afirmação do país como nação independente. “Este dia 1 de dezembro, feriado nacional, tem um significado patriótico da restauração da nossa soberania, isto é, da nossa liberdade. E essa liberdade situa-se ao nível do pensamento, da cultura, dos valores e sobretudo da identidade. A liberdade dos povos e dos países alimenta-se um pouco todos os dias através das decisões políticas, das ações, da ética social e governativa e, claro, do respeito e tolerância pelo outro”, sublinhou o presidente Vítor Aleixo durante o seu discurso alusivo a esta efeméride.

Depois de um momento protocolar com a hastear da Bandeira ao som do Hino Nacional tocado pela Banda Filarmónica Artistas de Minerva, junto à muralha do Castelo, foi a vez da deposição de uma coroa de flores na fachada da Ermida de Nossa Senhora da Conceição, onde se encontra a lápide alusiva à consagração da Nossa Senhora da Conceição como Padroeira de Portugal, por desígnio régio de D. João IV. Coube então ao autarca e ao pároco de Loulé proferirem algumas palavras.

Quase quatro séculos depois, o presidente da Câmara Municipal de Loulé manifestou a gratidão dos louletanos pelo legado dos conjurados que, em 1640, lutaram pela restauração da independência de Portugal, mas também por “todos os heróis, homens do povo, mulheres do povo, soldados, civis, artistas, pensadores, escritores, políticos que, ao longo dos séculos, lutaram para reforçar a nossa independência e a nossa identidade”.

E porque este foi também um período da História em que a Igreja teve um papel muito importante no apoio ao novo rei, o pároco de Loulé, Carlos Aquino, relembrou: “Portugal edificou-se com as raízes da Fé e do Cristianismo e esta celebração aviva-o!”.

Neste dia, a Autarquia de Loulé quis também trazer um apontamento pedagógico com uma conferência no Arquivo Municipal onde foi possível conhecer um pouco mais sobre o período da Restauração. A historiadora Joana Fraga trouxe o tema “Imagens que falam: a propaganda visual durante a revolta de 1640”.

Uma das prioridades de D. João IV foi combater a ideia da sua rebeldia e demonstrar a legitimidade da nova dinastia. E fê-lo através de uma propaganda que, tal como nos nossos dias, “recorria às mesmas estratégias, como o apelo aos sentimentos e à manipulação de imagem”.

Foi através da pintura, com destaque para o pintor da Corte, Avelar Rebelo, e sobretudo de gravuras, “que tinham a vantagem de serem mais baratas e de chegarem também às pessoas que não sabiam ler” que circulava a informação a favor da causa bragancista, em Portugal e na Europa.

Também alguma cerâmica e azulejos (por exemplo painéis de azulejos encomendados pelas igrejas), estátuas, em especial a da Imaculada Conceição, vão ser muito importantes neste período de afirmação do novo monarca. ” D. João IV consagra a coroa à Imaculada Conceição, a partir daqui há um multiplicar de imagens da Virgem no espaço público.” considerou a conferencista, Joana Fraga.