Liberdade e democracia inspiram Mostra de Teatro Escolar de Portimão

De 8 a 25 de maio, a edição deste ano da Mostra de Teatro Escolar dará a conhecer à comunidade o trabalho na área da representação desenvolvido, ao longo do presente ano letivo, pelos alunos e professores de três estabelecimentos de ensino do concelho de Portimão, sob inspiração do cinquentenário da Revolução dos Cravos.

Os espetáculos da mostra serão sempre apresentados no grande auditório do TEMPO – Teatro Municipal de Portimão, com sessões dirigidas às escolas, mas também ao público em geral, a começar pelo musical “Um dia singular”, projeto do Agrupamento de Escolas da Bemposta, através da EB e Secundária da Bemposta, que convidará a assistência a viajar até à madrugada de 25 de abril de 1974.

A proposta é percorrer momentos marcantes, desde o primeiro sinal que deu início às operações militares desencadeadas pelo MFA, até ao momento em que o general António de Spínola assume a responsabilidade do poder, após a rendição do presidente do Conselho de Ministros, Marcello Caetano.

A primeira sessão está marcada para as 19h00 de 8 de maio e dirige-se ao público com idade igual ou superior a oito anos, ao preço de 3 euros por ingresso, seguindo-se nos dias 9 (10h00) e 10 (10h00 e 15h00) sessões para alunos a partir do 4º ano de escolaridade.

A proposta de 17 de maio intitula-se “A cor da Liberdade” e estará a cargo do Teatro da Caverna da Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes, que comemora 30 anos de existência, com uma sessão às 15h00 para alunos e professores desde o 1º Ciclo, enquanto a sessão das 21h00 destina-se ao público a partir dos 6 anos, com entradas a 3 euros.

No ano em que se comemoram 50 anos após o 25 de Abril, o espetáculo lança algumas questões: será que a liberdade total existe? Somos realmente livres, ou mudaram apenas as formas de opressão, modernizaram-se, tornaram-se mais sofisticadas, mais subtis? Que cadeias nos prendem e nos impedem de sermos verdadeiramente livres? De viver livres? Liberdade e responsabilidade são equivalentes? Será que temos ainda tempo e capacidade de sonhar? Qual é, para nós, a cor da liberdade?

A fechar a programação, os alunos do Pré-Escolar, 1º, 2º e 3º ciclo do Agrupamento de Escolas Eng. Nuno Mergulhão levam ao palco do TEMPO, entre 22 e 25 de maio, a segunda parte da epopeia “Sou português, Portugal”.

Ao longo desta atuação, será revisitada a opulência da corte portuguesa do século XVIII e a bravura demonstrada pelo povo aquando das invasões francesas, assim como a crise política que se desencadeou com a morte de D. João VI e a guerra civil consequente, recordando os primeiros ideais republicanos, bem como as reviravoltas políticas do Estado Novo e da Revolução dos Cravos, até ao século XXI, quando o país está voltado para a Europa, enraizando-se na sua história e tradições, no fado e… na saudade.

Nos dias 22, 23 e 24, haverá sessões às 10h00 e 14h30, apenas para alunos e professores do Pré-escolar ao 3º ciclo do ensino básico, ao passo que no dia 25 de maio (16h00) o espetáculo destina-se ao público a partir dos três anos, com bilhetes ao preço de 3 euros.

Colaboram nesta iniciativa cultural a Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes, a Escola Básica e Secundária da Bemposta, o Agrupamento de Escolas Eng. Nuno Mergulhão e o TEMPO, que também terá expostos no átrio alguns trabalhos produzidos pelos alunos dos estabelecimentos de ensino participantes.

Mais Artigos