Lagos refletiu sobre a ferrovia

As Comemorações do Centenário da Chegada do Comboio a Lagos deram o mote para lançar o debate sobre a importância da ferrovia na atualidade, face aos desafios da descarbonização e da mobilidade sustentável.

O programa do Centenário da Chegada do Comboio a Lagos arrancou no dia 29 de julho com um colóquio que reuniu dois painéis de conceituados oradores. A sessão de abertura esteve a cargo de Hugo Pereira, Joaquina Matos e José Apolinário, respetivamente presidentes da Câmara, da Assembleia Municipal de Lagos e da CCDR Algarve. Todos destacaram, nas suas palavras introdutórias, o simbolismo da iniciativa de celebrar a efeméride histórica em si, assim como a necessidade de recentrar o debate, a estratégia e o investimento público na ferrovia. José Apolinário elogiou a resiliência da comunidade lacobrigense, uma vez que tanto a ferrovia, como a autoestrada, só chegaram a Lagos após processos longos e sofridos, aproveitando a ocasião para sublinhar a necessidade de existir uma maior articulação entre a ferrovia e a rodovia, a partir do eixo comboio/ferrovia, complementada com a mobilidade urbana suave, a micro mobilidade e uma maior utilização dos transportes públicos.

No painel da manhã, dedicado ao passado, Hugo Silveira Pereira, investigador de História das Ciências e da Tecnologia, recordou os fatores que influenciaram o processo de decisão da criação da rede ferroviária nacional. O historiador Joaquim Rodrigues centrou a sua apresentação no Plano da Rede Ferroviária ao Sul do Tejo, recordando os atores políticos que defenderam a construção do ramal de Lagos e a conjugação desse investimento com a criação de infraestruturas portuárias em Lagos. Neste painel houve ainda oportunidade de assistir à apresentação do Museu Nacional Ferroviário, pela voz do Presidente da Fundação que gere esse património. Manuel Cabral apresentou o trabalho que tem sido feito, em especial as oportunidades suscitadas pela pandemia, que obrigaram o Museu a rever conceitos e a abrir-se ao público, através de novos meios, linguagens e serviços. Referindo-se às comemorações, Manuel Cabral sublinhou a sua importância, afirmando que “o comboio tem uma história notável e (desejando) que este seja um momento de viragem para a aceleração dessa história”.

As intervenções do período da tarde centraram o tema sobretudo no presente e naquilo que deverá ou poderá ser o futuro da ferrovia na região e em Portugal, com Eduardo Zúquete, estudioso da mobilidade e transportes, a marcar a sessão, defendendo a tese de que “o Algarve é hoje uma Cidade Linear, com elevado nível de circulação interna, particularmente no período estival, e que isso requer estruturas ferroviárias que permitam circulações em regime de Alta Frequência e de adequada velocidade”. Por sua vez Carlos Fernandes, vice-presidente da IP – Infraestruturas de Portugal, recordou as grandes intervenções realizadas na rede ferroviária nas últimas décadas. O representante da IP deu, igualmente, a conhecer os investimentos em curso no âmbito do plano Ferrovia 2020, parte dos quais aplicados na eletrificação dos troços Tunes-Lagos e Faro-Vila Real de Santo António, enumerando as vantagens desta intervenção. Carlos Fernandes apresentou, ainda, o Plano Nacional de Investimentos para 2030 (PNI 2030), que prevê a aplicação de 10 milhões de euros na ferrovia, e os vários cenários que estão em cima da mesa para a ligação e o tempo de viagem no eixo Lisboa-Algarve, assim como as várias ambições já identificados para e pelo Algarve no âmbito da recolha de contributos para o Plano Ferroviário Nacional. A última intervenção coube a Pedro Moreira, vice-presidente da CP – Comboios de Portugal, que partilhou com o público alguns dados da operação, destacando o facto de as pessoas estarem a voltar a utilizar a ferrovia nas suas deslocações. Levantando o véu sobre o que está previsto para a Linha do Algarve, Pedro Moreira identificou, como grandes apostas, o reforço da oferta, a redução dos tempos de viagem, o aumento do conforto, a melhoria do sistema de informação ao cliente e a maior integração com outros operadores de mobilidade regional e local.

A encerrar os trabalhos, Sara Coelho, vereadora da Câmara Municipal de Lagos, afirmou a necessidade do Algarve ter uma posição vincada sobre o investimento nas redes viária e ferroviária, para que essa mensagem chegue aos centros decisores, e sublinhou a importância de iniciativas como este colóquio, que contribuem para a informação e formação de massa crítica na região.

Mais Artigos