Lagos juntou miúdos e graúdos em tertúlia sobre a escassez de água

A Câmara Municipal de Lagos recebeu, no passado sábado, dia 15 de junho, a primeira Tertúlia de Primavera, sobre o tema “escassez de água e medidas de contenção”. Esta tertúlia foi a primeira de um ciclo de quatro tertúlias a realizar por outros concelhos algarvios (duas no barlavento e duas no sotavento) e que junta miúdos e graúdos num debate sobre os vários problemas associados às temáticas ambientais, como a seca, os incêndios, a agricultura ou as catástrofes.

Este ciclo de tertúlias regionais são baseadas na obra “A lenda do homenzinho das quatro estações – Uma pegada de resiliência”, da autoria de Teresa Vicente, escritora e doutorada em Ambiente e Sustentabilidade e servem um propósito de consciencialização, mas também de segurança psicológica, numa situação que pode tornar-se ainda mais crítica, no âmbito do abastecimento público de água, do turismo, e da agricultura.

Para analisarem a obra e debaterem o tema, foram convidados alguns alunos do Agrupamento de Escolas Júlio Dantas e do Colégio de São Gonçalo, com idades compreendidas entre os 8 e os 12 anos (Rita Pereira 12, Lia Santos 11, Lia Machado 10, Matilde Catarino 11, Pedro Inácio 9, Tomé Duarte 10, Alice Inocêncio 8 e António Pedro Marques 11), assim como entidades locais e regionais (Paulo Reis, Vice Presidente da Câmara Municipal de Lagos, Pedro Coelho, Diretor da APA – ARH Algarve, Teresa Fernandes, Diretora da Comunicação das Águas do Algarve, Hugo da Guia, Capitão do Porto e Comandante Local da Polícia Marítima de Lagos, Luís Pousadas, Capitão do Porto e Comandante-local da Polícia Marítima de Portimão, António Marreiros, Presidente da Associação de Regantes e Beneficiários do Alvor e Luís Tavares, Responsável do Vila Valverde Hotel).

Ao longo de quase três horas, as crianças manifestaram as suas preocupações e curiosidades sobre o tema, e questionaram os graúdos sobre o trabalho que está a ser desenvolvido em prol de soluções que possam minimizar os riscos e os danos, deixando no ar sugestões bastante pertinentes.

A sessão contou ainda com os testemunhos gravados do Prof. António Carmona Rodrigues, Presidente das Águas de Portugal e de Macário Correia, Presidente da Associação de Beneficiários do Plano de Rega do Sotavento Algarvio que, na impossibilidade de estarem presentes, quiseram deixar uma mensagem às crianças.

Na sessão foi também apresentado o vídeo dos alunos do 7ºG – Escola Básica Tecnopolis, vencedor do torneio “Águas Sem Fronteiras” – edição 2022.

A lenda que consta na obra é uma metáfora que apela as mentes e os corações a enfrentarem com coragem, uma situação que pode se tornar extrema, mas que pode ser vencida, deixando de uma forma coletiva uma pegada de resiliência na comunidade. Abordando o significado de resiliência, que emergiu do trabalho de investigação de doutoramento da autora, esta obra pretende depositar uma semente de esperança às gerações presentes e vindouras, através da personificação do homenzinho das quatro estações, que retrata nada mais do que essa mesma mensagem de generosidade, de amor, de esperança e de superação de nós próprios e das nossas comunidades, surgindo daí pegadas de resiliência.