Junho convida os portimonenses a deixarem a sua marca no centenário da cidade

Junho é um mês especialmente vocacionado para o envolvimento da comunidade no programa do centenário da cidade de Portimão, com destaque para as Marchas Populares e três inovadores projetos, que convidam toda a gente a deixar a sua marca na arte, na gastronomia e na música.

O tema “100 Anos de Cidade” inspirará as Marchas Populares, cuja identidade comum e criatividade serão protagonizadas em cinco desfiles, com a participação de mais de mil pessoas, representando o dinamismo do movimento associativo das três freguesias de Portimão.

A partir das 22h00 do próximo dia 1 de junho, o Portimão Arena será palco do primeiro desfile das Marchas Populares, cuja 23ª edição mobilizará mais de mil pessoas em prol da identidade comum, protagonizando o dinamismo do movimento associativo do concelho.

Depois do desfile inicial, e sempre a partir das 22h00, o programa continuará pela seguinte ordem: 7 de junho – campo de futebol do Complexo Desportivo da Mexilhoeira Grande; 14 de junho – zona ribeirinha de Alvor; 16 de junho – Pavilhão Desportivo de Montes de Alvor; 21 de junho – Praia da Rocha, junto à Fortaleza de Santa Catarina; 28 de junho – zona ribeirinha de Portimão, junto ao Clube Naval, onde decorrerá a tradicional apoteose.

Participarão nos desfiles as marchas da Vila de Alvor, do Clube de Instrução e Recreio Mexilhoeirense, da Sociedade Recreativa Figueirense e do Sporting Glória ou Morte Portimonense, a que se juntarão as marchas convidadas da Associação dos Amigos da Pedreira (Silves), do Centro de Cultura e Desporto dos Trabalhadores da Câmara Municipal de Lagos e do Clube Desportivo de Odiáxere (Lagos).

Os arraiais dos Santos Populares também estarão de regresso à Praça da República nos dias 8, 15, 22 e 28 de junho, das 19h00 à 01h00, funcionando em complemento à animação musical várias barraquinhas de comes e bebes, a cargo de coletividades de cultura e recreio.

Arte e gastronomia

O mês também ficará marcado pelos projetos “100 Anos, 100 Sardinhas” e “100 Anos, 100 Sabores”, que estimulam os portimonenses a revelar as suas aptidões artísticas e segredos culinários.

O projeto de arte urbana “100 Anos, 100 Sardinhas” realça um dos mais icónicos ex-libris de Portimão e visa selecionar 50 propostas criadas pelos candidatos a “picasso”, que deverão fazer download do respetivo molde em www.100sardinhas.pt, onde poderão ser consultadas informações complementares.

Depois do processo de submissão, as 50 imagens escolhidas juntar-se-ão ao painel de meia centena de artistas convidados, entre designers gráficos, ilustradores, tatuadores, fotógrafos, pintores, etc., totalizando assim cem pequenas obras de arte, que poderão ser exploradas por toda a gente, permitindo através de QR Code individual conhecer muitas curiosidades históricas sobre o concelho de Portimão.

Quanto ao projeto “100 Anos, 100 Sabores”, desafia os restaurantes de Portimão a inscrever-se num roteiro especial, que decorrerá de 13 de setembro a 13 de outubro, criando um prato digno desta celebração centenária, nas categorias Chef, Degustação e Doce.

Organizado pela associação Teia d’Impulsos, o roteiro terá uma vertente solidária, através da aquisição de um guia, ao preço unitário de 1,5 euros, cuja verba se destina a apoiar instituições sem fins lucrativos do concelho que contribuam para atenuar situações prioritárias, promover a melhoria da qualidade de vida de pessoas em situação de vulnerabilidade, integrar comunidades em risco de exclusão e fomentar o empreendedorismo social.

A música como elemento unificador

Guitarras, sopros e voz são as componentes dos “Laboratórios Musicais”, dirigidos a profissionais e amadores de Portimão, a partir dos 6 anos, que desejem reencontrar o prazer de tocar em conjunto, para o que deverão proceder a inscrição prévia e gratuita até 21 de junho.

Este projeto, que faz parte da programação artística criada pela Lavrar o Mar – Cooperativa Cultural para celebrar o centenário de elevação de Portimão a cidade, será apresentado no próximo dia 13 de junho, a partir das 18h00, no Museu de Portimão.

Assim, os músicos Pedro Salvador, Johannes Krieger e Margarida Mestre vão desenvolver um conjunto de três laboratórios, tendo a cidade como pano de fundo para o percurso de descoberta e composição, com sessões a decorrer entre julho e dezembro, por ocasião de distintos momentos da programação artística do centenário.

Ainda na componente musical, destaque para o recital “Cantigas Sefarditas em Homenagem ao Poeta João Pinto Delgado”, que terá lugar a partir das 21h00 de 15 de junho no Teatro Municipal de Portimão, com interpretação do cantor, compositor e multi-instrumentista Eduardo Ramos, que se fará acompanhar ao alaúde árabe.

Eduardo Ramos, que convidou o também músico Rui Afonso para tocar instrumentos da época (darbuka e bendir), irá interpretar temas criados pelos judeus sefarditas dos séculos XV e XVI em homenagem ao poeta João Pinto Delgado, nascido em Portimão em 1580 e considerado um dos maiores expoentes da poesia criptojudaica do seu tempo.

Projeto teatral “Esta é a minha cidade e eu quero viver nela”

Durante a primeira quinzena de junho, a diretora artística do coletivo Teatro do Vestido estará em Portimão a proceder a uma pesquisa intensiva, visando a apresentação em dezembro próximo do projeto teatral “Esta é a minha cidade e eu quero viver nela – Edição Portimão”.

É objetivo final deste projeto, igualmente concebido pela Lavrar o Mar, proporcionar que os intérpretes conduzam os espectadores pelas ruas de Portimão, desvendando as suas memórias, através de um manifesto poético que constituirá igualmente uma experiência invulgar acerca da vida na cidade.

Ainda no âmbito das criações Lavrar o mar, refira-se que o espetáculo de dança a solo e novo circo “Horizon”, inicialmente agendado para os dias 1 e 2 de junho, foi adiado para data oportuna, devido a lesão da artista Chloé Moglia.

Força Aérea sopra 72 velas em Portimão

Por fim, de 29 de junho a 7 de julho a Força Aérea Portuguesa escolheu Portimão para comemorar 72 anos ao serviço do país, através de uma série de eventos, entre exposições, atividades lúdicas, concursos, experiências únicas como batismos de voo, exibições aéreas, concertos populares pela sua banda e, principalmente, uma cerimónia militar de grande impacto.

Criada em 1 de junho de 1952, a Força Aérea celebra anualmente o aniversário em locais distintos, sobretudo naqueles em que a sua presença física não é permanente, como será o caso de Portimão neste ano tão especial para a cidade, o que permite abranger todos os cidadãos na divulgação do seu relevante papel para o país.

Mais Artigos