José Gusmão encabeça um “Bloco de muitas esquerdas”

José Gusmão, economista e atual eurodeputado, encabeça a lista pelo
círculo eleitoral do Faro, entregue hoje no Tribunal de Faro. A
candidatura do Bloco de Esquerda pelo círculo eleitoral de Faro incluirá
6 candidatos independentes, “ativistas de várias causas, percursos e
competências”.

José Gusmão afirmou no ato de entrega da lista que a candidatura
pretende “promover um esforço de abertura que ajude a dar resposta às
inúmeras questões que preocupam a nossa população e construir uma região
em que os algarvios possam viver com toda a qualidade durante todo o
ano”. O eurodeputado candidato pelo Algarve sublinhou a gravidade da
emergência da água, considerando que “é preciso olhar para o modelo
insustentável da economia do Algarve, em vez de castigar as famílias
pelas consequências desse modelo.” O candidato bloquista rejeitou
quaisquer aumentos de preços na água para consumo doméstico e desafiou
todos os partidos a tomar posição sobre essa matéria, lamentando que PS
e PSD já o tenham apoiado.

António Branco, independente e Mandatário da candidatura, afirmou que “a
abertura a independentes de vários ativismos faz da lista um Bloco de
muitas esquerdas”. O mandatário afirmou que “o contexto em que se
realizam faz destas eleições um momento particularmente importante para
a região e para a democracia.” António Branco concluiu, formulando o
objetivo da candidatura para estas eleições: “Espero que este ato de
entrega da lista desemboque, no dia 10 de março, na eleição de José
Gusmão para o parlamento, assim confirmando a tendência indicada pela
maior parte dos estudos de opinião, porque esse deputado faz muita falta
ao Algarve e ao país.”

Guadalupe Simões, enfermeira, independente e n.º 2 da lista, falou da
situação de “desinvestimento no Serviço Nacional de Saúde, quer ao nível
dos profissionais, quer ao nível dos equipamentos” e afirmou ser
necessário “voltar a sentar o Algarve na Assembleia da República”. José
Gusmão é essa voz também para apelar que nestas eleições se “cuide do
SNS para o SNS cuidar de nós”.

Sandra Moutinho, professora e n.º 3 da lista, falou da situação da falta
de democracia na escola pública e da enorme carência de profissionais,
“desde professores a assistentes operacionais, passando pelos técnicos
especializados”. A candidata do Bloco considera que “a desvalorização
dos profissionais de educação, conjuga-se com o custo da habitação no
Algarve e torna difícil a sua fixação nesta região. Defendeu: “uma
escola pública que valorize quem lá trabalha, em que a dignidade e
condições de trabalho dos seus profissionais seja uma prioridade e em
que os alunos tenham acesso a uma educação de qualidade”. Para a
candidata do Bloco, “a escola pública é a única que diz presente às
crianças de todos os contextos socioeconómicos, incluindo as crianças
com necessidades educativas especiais”. Considera ainda que é
fundamental o investimento social, nomeadamente “em redes públicas de
creches e apoios aos idosos e nos centros de vida independente, para as
pessoas com deficiência.”

Alexandre Santos, estudante e mandatário da candidatura para a
juventude, alertou para a crise da habitação e para expressão
“particularmente grave” que esta assume no Algarve. O mandatário da
juventude do Bloco recordou que “a sazonalidade na oferta de casas para
habitação soma-se à sazonalidade na oferta de emprego para tornar quase
impossível construir uma vida no Algarve”. Alexandre Santos afirmou
ainda que “a dificuldade em encontrar habitação afasta da região jovens
qualificados que gostariam de construir aqui a sua vida”.

Com um programa de candidatura orientado em 8 prioridades: habitação,
água, saúde, escola pública, agricultura, ambiente, economia, mobilidade
e regionalização.

O coletivo reunido na lista manifesta a urgência da esquerda socialista
para a transformação da realidade com as classes trabalhadoras de forma
a dar respostas claras e inequívocas do Algarve e dos Algarvios. O Bloco
de Esquerda é a força que pode devolver uma representação política ao
campo à esquerda do centrão.

A lista de candidatos às Eleições Legislativas é a seguinte:
Efetivos:

1.      José Gusmão, 47 anos, Economista e Deputado no Parlamento Europeu,
Loulé
2.      Guadalupe Simões (independente), 57, Enfermeira, Dirigente Sindical,
Loulé
3.      Sandra da Costa Moutinho, 46 anos, Investigadora/Professora Ativista
pela habitação, Albufeira
4.      Pedro Miguel Sousa Mota, 50 anos, Gestor Comercial, Portimão
5.      João Afonso (independente), 55 anos, Professor e sindicalista,
Albufeira
6.      Stéphanie Marie Ringenbach Jordão (independente), 37 anos, Assistente
Operacional, Lagoa
7.      José António Sousa Moreira, 56 anos, Professor
Universitário/Dirigente Sindical, Faro
8.      Ana Isabel da Silva Ramos, 42 anos, Segurança/Delegada Sindical,
Olhão
9.      Diana Batista Brazão Lourenço (independente), 20 anos, Estudante
Universitária de Sociologia, Faro
Suplentes:
1.      Jo Rodrigues, 27 anos, Medicina: Clínica Geral, Lagos
2.      Inês Silva Morgado (independente), 32 anos, Arquiteta Paisagista,
Vila do Bispo
3.      Jorge Manuel Ramos, 61 anos, Engenheiro de Telecomunicações, Lagoa
4.      Marilú da Veiga Correia Batista Santana, 62 anos, Assistente
Operacional, Portimão
5.      Sebastião José Simão Pires(independente), 66 anos, Mediador
Imobiliário, Vila Real de Santo António

O mandatário da Juventude é Alexandre Alves Santos, de 19 anos, é
estudante universitário e residente no concelho de Loulé.

O Professor Universitário e Ex-Reitor da UALG, António Manuel da Costa
Guedes Branco é o mandatário distrital, reside em Faro e tem 63 anos.”