João Barroso, empresário, ao ‘Litoralgarve’: “Estou disponível e em condições de ser o candidato do CHEGA a presidente da Câmara Municipal de Lagos nas próximas eleições autárquicas”, em 2025

“O partido também está a crescer em Lagos, onde, apesar de ainda não ter sede, só na última semana aderiram mais de 120 militantes, na sua maioria indivíduos numa faixa etária pouco acima dos 30 anos de idade”, garante João Barroso. “É tempo de mudar muita coisa, com ideias novas para Lagos, a começar pela revitalização do Centro Histórico, de forma a atrair turismo e dinamizar a economia local, pois sem este sector de actividade estamos condenados à falência”, defende, ao apresentar as suas primeiras ideias para este concelho do barlavento algarvio.

José Manuel Oliveira

O empresário João Barroso, de 57 anos de idade, mostra-se, desde já, “disponível” para encabeçar a lista do partido CHEGA para a Câmara Municipal de Lagos, candidata às próximas eleições autárquicas que terão em Setembro ou Outubro de 2025. “Resido em Lagos, toda a gente me conhece, sou militante do Chega desde a sua função, em 2019, eu também conheço a realidade do concelho e estou disponível e em condições de ser o candidato do partido a presidente da Câmara Municipal nas próximas eleições autárquicas. É tempo de mudar muita coisa, com ideias novas para Lagos, a começar pela revitalização do Centro Histórico, de forma a atrair turismo e dinamizar a economia local, pois sem este sector de actividade estamos condenados à falência”, afirmou, em declarações ao ‘Litoralgarve’, João Barroso, conhecido comerciante e proprietário da Tabacaria Garrett, situada na rua com o mesmo nome, numa zona central da cidade.

Da necessidade de “um parque desportivo”, à “urgência na recuperação da Igreja de São Sebastião”

Por outro lado, este militante do Chega apontou para a necessidade de “criar um parque desportivo junto ao Estádio Municipal de Lagos”, na zona de São João, “com condições para se tornar num pavilhão multiusos, onde poderiam ter lugar, por exemplo, “diversos eventos, como a exposição-concurso Arte Doce e a feira que anualmente se realiza nesta cidade.” “É necessário ter condições em vários espaços, neste momento ao ar livre, em Lagos, com dignidade”, reforçou João Barroso, defendendo, igualmente, a “urgência na recuperação da Igreja de São Sebastião, que se encontra em estado degradado”.

“Não venham dizer que o problema da Igreja de São Sebastião, em Lagos, só não está resolvido porque se trata de património do Estado e que é preciso esperar por verbas da União Europeia, através do Plano de Recuperação e Resilência (PRR), quando o município tem, no seu orçamento, 43 milhões de euros que poderia muito bem aplicar na restauração do edifício, transmitindo-lhe a dignidade necessária na defesa do património local. Não há é vontade para o fazer”, sublinhou João Barroso.

“Criar mais infantários com custos controlados, lutar por um novo hospital, reparar as muralhas e embelezar a volta, tentar resolver o problema que tenha a ver com as águas e o cheiro à entrada de Lagos e restaurar o parque subterrâneo que está perto do tribunal e que é um autêntico assassino de veículos”, além de “colocar mais iluminação nos restaurantes por cima deste parque”

Os problemas não ficam por aqui. Há que “criar mais infantários porque as listas de espera são grandes, com custos controlados para os cidadãos lacobrigenses, bem como lutar por um novo hospital, reparar as muralhas e embelezar a sua volta, tentar resolver o problema que tenha a ver com as águas e o cheiro que toda a gente cheira à entrada de Lagos, restaurar o parque subterrâneo, que está perto do tribunal e que é um autêntico assassino de veículos, e colocar mais iluminação nos restaurantes por cima deste parque”, sugeriu o militante do Chega, que se disponibiliza para apresentar uma candidatura à presidência da Câmara Municipal de Lagos, no próximo ano.

“Foram feitas obras nesta via [Lagos-Luz], mas continuam por concluir passeios, colocando em risco pessoas que ali passam e a circulação de viaturas, o que é uma vergonha”

Outro aspeto que também não escapou a João Barroso, nesta entrevista ao ‘Litoralgarve’, tem a ver com “o estado em que se encontra uma parte da estrada que liga Lagos à Luz.” “Foram feitas obras nesta via, mas continuam por concluir passeios, colocando em risco pessoas que ali passam e a circulação de viaturas, o que é uma vergonha”, alertou João Barroso, para quem o futuro de “Lagos não passa só por hotéis.”

“Neste concelho, a maioria das pessoas mais idosas quer o PS, enquanto a juventude se revê no Chega e o PSD deixou de ser oposição. Penso que, num espírito de união e conhecimento, com as pessoas certas nos lugares certos, o Chega poderá eleger vereadores e mais deputados municipais e nas assembleias de freguesia, e contribuir para a perda da maioria absoluta do PS em Lagos”

Numa altura em que o Chega conseguiu eleger cinco deputados no parlamento da Região Autónoma dos Açores, nas eleições realizadas no passado domingo, 04 de Fevereiro de 2024, e continua a subir nas intenções de voto a nível nacional, mantendo o terceiro lugar, a seguir ao PS e à Aliança Democrática, coligação que integra o PSD, CDS-PP e PPM, João Barroso garantiu, ao nosso Jornal, que “o partido também está a crescer em Lagos, onde, apesar de ainda não ter sede, só na última semana aderiram mais de 120 militantes, na sua maioria indivíduos numa faixa etária pouco acima dos 30 anos de idade.” “Neste concelho, a maioria das pessoas mais idosas quer o PS, enquanto a juventude se revê no Chega e o PSD deixou de ser oposição. Penso que, num espírito de união e conhecimento, com as pessoas certas nos lugares certos, o Chega poderá eleger vereadores e mais deputados municipais e nas assembleias de freguesia, e contribuir para a perda da maioria absoluta do PS em Lagos”, perspectivou João Barroso, que espera o apoio da Distrital e da Direcção Nacional do seu partido, para poder ser o candidato à presidência do executivo camarário.

“Estamos a preparar as eleições legislativas e vamos fazer campanha de porta a porta para explicar às pessoas quais são os nossos objectivos para o Algarve e para o país”

Para já, as atenções do Chega, em Lagos, estão concentradas nas eleições legislativas antecipadas, a realizar no dia 10 de Março de 2024. “Na próxima semana, teremos uma reunião na Junta de Freguesia de São Gonçalo de Lagos, estamos a preparar as eleições legislativas e vamos fazer campanha de porta a porta para explicar às pessoas quais são os nossos objectivos para o Algarve e para o país. É preciso mudar Portugal, numa altura em que o PS e a AD se aproximam cada vez mais e o Chega continua a ser a única alternativa válida de governo”, concluiu João Barroso.

Presidente do Chega, André Ventura, participará em jantar comício na cidade de Portimão, a 07 de Março. No dia anterior, de manhã, irá à feira em Quarteira, no concelho de Loulé, onde integrará uma caravana e uma arruada

Na recta final da campanha eleitoral para estas eleições legislativas, de acordo com informações recolhidas pelo ‘Litoralgave’, está agendada a presença do presidente do Chega, André Ventura, numa visita a Quarteira e Loulé, no dia 06 de Março (quarta-feira), às 10.00 horas, com passagem pela feira, uma caravana e uma arruada. E para o dia seguinte, 07 de Março (quinta-feira), encontra-se marcada mais uma caravana e arruada a partir das 09.00 horas, desta vez em Faro, e um jantar comício, com início pelas 20.00 horas, na cidade de Portimão, onde estará André Ventura.    

Numa altura de apelo ao voto, durante a qual o Chega se desdobrará em deslocações por todas as freguesias dos 16 concelhos do Algarve, com caravanas e arruadas, o partido agendou para 08 de Março (sexta-feira), pelas 14.00 horas, uma caravana automóvel que começará no município de Vila do Bispo, passará por Lagos, Portimão, Lagoa, Silves, Albufeira, Loulé, Faro, Vila Real de Santo António, Castro Marim, Tavira, Olhão e terminará em Faro.