João Barroso, ao ‘Litoralgarve: “Espero que AD e Chega cheguem a acordo para formar governo, desejo de Passos Coelho, Santana Lopes e Cavaco Silva”

No concelho de Lagos, onde o Chega obteve 2.582 votos, alcançando o segundo lugar, tendo até vencido nas freguesias de Odiáxere e Luz, “apareceram muitos jovens, com uma média de idades entre 24 e 34 anos, a votar. Estão cansados de promessas não cumpridas e apostam na renovação.”

José Manuel Oliveira

Paulo Silva

“Já esperava este resultado do Chega a nível nacional e, em particular, no Algarve, e no concelho de Lagos, onde apareceram muitos jovens, com uma média de idades entre 24 e 34 anos, a votar. Estão cansados de promessas não cumpridas e apostam na renovação”, disse, ao ‘Litoralgarve, pouco depois da meia-noite, o conhecido empresário João Barroso, militante do Chega, nesta cidade.

“As pessoas, em Portugal, estão fartas de promessas não cumpridas e de casos de corrupção e querem uma lufada de ar fresco”

Numa altura em que acompanhava os resultados finais das eleições legislativas antecipadas que reforçaram o partido liderado por André Ventura como terceira força política do país, tendo passado de um para três o número de deputados no Círculo Eleitoral de Faro, João Barroso mostrava-se, acima de tudo, tranquilo, aguardando o desfecho da decisão do eleitorado, num dia em que a abstenção acabou por descer de forma significativa para surpresa geral. “As pessoas, em Portugal, estão fartas de promessas não cumpridas e de casos de corrupção e querem uma lufada de ar fresco”, sublinhou.

“Em Lagos, as pessoas, em geral, e a juventude, em particular, estão saturadas de falsas promessas e desencantadas com aquilo a que assistem, como por exemplo o caso recente ocorrido na Praia do Pinhão, onde o desmoronamento de parte de um falésia levou as autoridades a terem de encerrar aquele espaço ao público, o mesmo podendo acontecer na Fortaleza Ponta da Bandeira, em estado degradado”

Já no concelho de Lagos, o Chega ficou em segundo lugar, com 2.450 votos, atrás do PS, que obteve 2.582, enquanto a Aliança Democrática (PPD/PSD, CDS-PP e PPM) conseguiu 2.106. Curiosamente, o Chega acabou por vencer nas freguesias de Odiáxere e da Luz, há muitos anos presididas pelos socialistas, com 2.712 e 2.947 votos, respectivamente.

“Em Lagos, as pessoas, em geral, e a juventude, em particular, estão saturadas de falsas promessas e desencantadas com aquilo a que assistem, como por exemplo, o recente caso ocorrido na Praia do Pinhão, onde o desmoronamento de parte de uma falésia levou as autoridades a terem de encerrar aquele espaço ao público, o mesmo podendo acontecer na Fortaleza Ponta da Bandeira, em estado degradado”, alertou João Barroso, lamentando, também, que, “em Lagos, não se criem empregos.”

Recorde-se que, em recentes declarações ao ‘Litoralgarve’, João Barroso, de 57 anos, proprietário da Tabacaria e Livraria Garrett, situada no centro desta cidade, manifestou a sua disponibilidade para encabeçar a lista do Chega à Câmara Municipal Lagos, nas eleições autárquicas que terão lugar em Setembro ou Outubro de 2025.

Espera que os três deputados do Chega eleitos no Algarve “façam tanto ou melhor” do que fez Pedro Pinto, até agora único representante do partido pelo Circulo Eleitoral de Faro

No tocante à eleição de três deputados do Chega no Algarve – Pedro Pinto (líder do grupo parlamentar do partido), João Graça (presidente da Comissão Política Distrital de Faro) e Sandra Ribeiro – João Barroso espera que “façam tanto ou melhor” do que fez o até agora o único representante do partido, Pedro Pinto, a quem não poupou elogios. “Esteve sempre muito ativo e presente tanto na zona do sotavento, como na do barlavento algarvio”, destacou João Barroso, militante em Lagos, desvalorizando, ao mesmo tempo, o facto de Pedro Pinto não residir no Algarve.

O Chega estará disponível para assumir funções “nos ministérios da Segurança Social, da Justiça e da Habitação” Sobre o futuro, e perante a vitória da AD sem maioria absoluta, João Barroso aproveitou para lançar um repto ao presidente social-democrata, Luís Montenegro: “Espero que a AD e o Chega cheguem a um acordo para formar um governo de coligação, como é desejo de figuras do PSD, como Passos Coelho, Santana Lopes e Cavaco Silva, a fim de garantir a necessária estabilidade do país.” O Chega estará disponível para assumir funções “nos ministérios da Segurança Social, da Justiça e da Habitação”, acrescentou João Barroso, enquanto continuou a acompanhar a noite eleitoral já pela madrugada desta segunda-feira, dia 11 de Março de 2024.

Mais Artigos