Isilda Gomes, presidente da Câmara de Portimão e membro do Comité das Regiões, em Bruxelas, não pensa integrar a lista do PS, candidata às eleições europeias

Enquanto, na manhã de sexta-feira, 05 de Abril, acompanhava à distância, numa das salas do primeiro andar do Museu de Portimão, um encontro entre Pedro Nuno Santos, secretário-geral do Partido Socialista, e Nicolas Schmit, actual comissário europeu para o Emprego e Direitos Sociais e recentemente eleito candidato dos socialistas da União Europeia para a presidência da Comissão Europeia na próxima legislatura, Isilda Gomes foi questionada pelo ‘Litoralgarve’ sobre o cenário de uma sua eventual candidatura às eleições para o Parlamento Europeu, a realizar no dia 09 de Junho de 2024. “Não inventem…”, reagiu, sem esconder alguma ironia, entre risos, a presidente da Câmara Municipal de Portimão, que cumpre o seu terceiro e último mandato. “A concorrência é muita no interior do próprio partido, sobretudo depois de o PS ter perdido as últimas eleições legislativas”, dizem-nos, no Algarve, lembrando que Isilda Gomes “há muito tempo que pretende chegar a eurodeputada.” Para já, preside à Comissão de Recursos Naturais do Comité das Regiões, em Bruxelas.

José Manuel Oliveira

“Não inventem…”, limitou-se a dizer, de forma lacónica e com sorrisos à mistura, a socialista Isilda Gomes que cumpre o seu terceiro e último mandato consecutivo como presidente da Câmara Municipal de Portimão e preside, desde Junho de 2022, à Comissão de Recursos Naturais do Comité das Regiões, em Bruxelas, quando o ‘Litoralgarve’ a questionou, na manhã de sexta-feira, 05 de Abril, sobre a possibilidade de vir a integrar a lista do PS, candidata às eleições ao Parlamento Europeu, as quais terão lugar no dia 09 de Junho de 2024.

Na altura, a autarca assistia, numa das salas do primeiro andar do Museu de Portimão, a um encontro entre o secretário-geral do Partido Socialista, Pedro Nuno Santos, e Nicolas Schmit, actual comissário europeu para o Emprego e Direitos Sociais e recentemente eleito candidato dos socialistas da União Europeia para a presidência da Comissão Europeia na próxima legislatura.

Aquele responsável europeu participou com Klara Geywitz, ministra alemã da Habitação, Isilda Gomes, presidente da Câmara Municipal de Portimão, e Christophe Rouillon, presidente do Grupo do Partido Socialista Europeu, durante quinta e sexta-feira, 04 e 05 de Abril de 2024, no museu da cidade do rio Arade, a uma conferência sobre o tema «Habitação para todos: Cidades e regiões progressistas constroem o futuro».

Esta iniciativa, organizada pelo Partido Socialista Europeu no Comité das Regiões, incluiu, no seu programa, por parte dos participantes, a assinatura da Declaração «Affordable Housing Needs Europe – Europe Needs Affordable Housing» («A habitação precisa da Europa – A Europa precisa da habitação»). O encontro internacional acabou, ao mesmo tempo, por ser encarado como uma forma de poder transmitir força à possibilidade de Isilda Gomes vir a integrar a lista socialista concorrente ao Parlamento Europeu.

A vasta experiência política a nível local, regional, nacional e internacional de Isilda Gomes ao longo de anos

Pelo menos para já, pelo que nos deu a entender, embora de forma superficial, Isilda Maria Prazeres dos Santos Varges Gomes, nascida em Medo, no concelho de Almeida, a 16 de Setembro de 1951 (tem 72 anos de idade), licenciada em Matemática e Ciências da Natureza, já reformada como professora, em Portimão, e figura com vasta experiência política no Algarve, onde tem ocupado vários cargos, entre os quais o de Governadora Civil do Distrito de Faro, entre 01 de Junho de 2007 e 14 de Agosto de 2009, não pensa ser incluída na lista do PS, candidata às eleições para o Parlamento Europeu. Isto, numa altura em que, na sequência da sua eleição a 29 de Junho de 2022, preside à Comissão de Recursos Naturais do Comité das Regiões, na cidade de Bruxelas, capital da Bélgica. Já foi deputada pelo Círculo Eleitoral de Faro na Assembleia da República e após desempenhar o cargo de vereadora, é presidente da Câmara Municipal de Portimão, desde Outubro de 2013, sendo-lhe apontada como uma das suas proezas o facto de ter conseguido estabilizar a delicada situação financeira deste município do barlavento algarvio, que se registava na altura.

Esse trabalho, a imagem entretanto conquistada e a sua experiência internacional no Comité das Regiões, em Bruxelas, além da influência que mantém no aparelho socialista, no qual continua a integrar o Secretariado Nacional, órgão de Direcção do partido, agora sob a liderança de Pedro Nuno Santos, sendo também dirigente da Associação Nacional dos Autarcas do PS, poderão ajudar Isilda Gomes a alcançar horizontes mais amplos na Europa.

“A concorrência é muita no interior do próprio partido, sobretudo depois de o PS ter perdido as últimas eleições legislativas” (…) “É preciso ter calma e aguardar para ver o que acontece na elaboração da lista do PS que será candidata ao Parlamento Europeu”, acrescentou, em Portimão, quem acompanha os meandros políticos, garantindo que “ambição não falta a Isilda Gomes para ser eurodeputada e reforçar, assim, a sua carreira politica, agora a nível internacional”

Contudo, “a concorrência é muita no interior do próprio partido, sobretudo depois de o PS ter perdido as últimas eleições legislativas no dia 10 de Março de 2024”, dizem-nos em Portimão. E lembram que Isilda Gomes “há muito tempo que pretende chegar a eurodeputada, continua a trabalhar nesse sentido e não é por acaso que Álvaro Bila deixou a presidência da Junta de Freguesia de Portimão, nas últimas eleições autárquicas, para integrar, como número dois, a Câmara Municipal, já a preparar o futuro, numa altura em que Isilda Gomes não se poderá recandidatar ao cargo por estar no seu terceiro mandato consecutivo.”

“É preciso ter calma e aguardar para ver o que acontece na elaboração da lista do PS que será candidata ao Parlamento Europeu”, acrescentou, em Portimão, quem também acompanha os meandros políticos, garantindo-nos que “ambição não falta a Isilda Gomes para ser eurodeputada e reforçar, assim, a sua carreira política, agora a nível internacional.”

Um conhecido militante algarvio ironizou em inglês: “No comments” (sem comentários), quando, no congresso da Federação regional do PS, a 20 de Novembro de 2022, no Hotel Vila Galé, na zona da Meia-Praia, em Lagos, o questionámos sobre a hipótese de Isilda Gomes poder vir a ser candidata ao Parlamento Europeu

“No comments…” (sem comentários). Foi esta a resposta lacónica, em inglês, e também com sorrisos à mistura, que nos deu um conhecido militante do PS na região algarvia, quando o questionámos, num dos intervalos do 19º. Congresso da Federação do PS/Algarve, realizado a 20 de Novembro de 2022, no Hotel Vila Galé, na zona da Meia-Praia, em Lagos, sobre a hipótese de Isilda Gomes poder ser incluída num lugar elegível para a lista do partido, que se apresentará como candidata às eleições europeias. Isto, como já referimos, numa altura em que a autarca cumpre o seu terceiro mandato consecutivo como presidente da Câmara Municipal de Portimão, não podendo por isso recandidatar-se ao cargo em face da legislação em vigor.

Fontes socialistas no Algarve notam, ao nosso Jornal, que “há muitos desempregados na política, entre figuras notáveis do PS, devido à derrota do partido nas recentes eleições legislativas. Por isso, é natural que pelo menos alguns deles venham a ocupar lugar nessa lista europeia, o que poderá dificultar, de alguma forma, a entrada de Isilda Gomes.”

Neste momento, ainda se desconhece quem irá encabeçar a lista do PS candidata às eleições para o Parlamento Europeu, depois de parecer afastado o cenário de ser António Costa a avançar. O nome do ex-secretário-geral do PS, que, recorde-se, se demitiu do cargo de primeiro-ministro, acabando por provocar a queda do governo e a realização de eleições legislativas antecipadas no dia 10 de Março deste ano, após o seu nome ficar ligado à investigação do Ministério Público, embora ainda sem ter sido ouvido, na sequência da operação ‘Influencier’, por suspeita de alegado envolvimento em casos de corrupção no processo da exploração de lítio, em Boticas, e na criação de uma central de produção de hidrogénio, em Sines, estará apontado para presidir ao Conselho Europeu, após as eleições europeias. Já a ex-ministra da Saúde, Marta Temido, poderia ser a aposta do PS para o Parlamento Europeu.

“Há muitos desempregados na política, entre figuras notáveis do PS, devido à derrota do partido nas recentes eleições legislativas. Por isso, é natural que pelo menos alguns deles venham a ocupar lugar nessa lista europeu, o que poderá dificultar, de alguma forma, a entrada de Isilda Gomes”, observaram, ao nosso Jornal, fontes socialistas no Algarve.

Portugal tem 21 eurodeputados, nove dos quais são do PS e seis do PSD

A menos de dois meses das eleições para o Parlamento Europeu, resta aguardar a divulgação dos nomes que integram a lista do PS, numa altura em que João Oliveira, a escolha do Partido Comunista Português, e Catarina Martins, do Bloco de Esquerda, ambos ex-deputados na Assembleia da República, já estão no terreno junto dos eleitores, em campanha, com vista a um lugar em Bruxelas.

Nesta nona legislatura do Parlamento Europeu, de 2019 a 2024, Portugal conta com 21 eurodeputados – nove do PS, seis do PPD/PSD, dois do Bloco de Esquerda, dois do PCP, um do CDS-PP e um do PAN, partido que, no entanto, deixou de estar ali representado pelo facto de o seu eleito ter passado a independente no dia 16 de Junho de 2020.

Mais Artigos