II Plano Municipal para a Igualdade e Não Discriminação vai ter apresentação pública

9 de novembro – 14h30

Pequeno auditório do Teatro Municipal de Portimão

Está marcada para o próximo dia 9 de novembro a apresentação pública do II Plano Municipal para a Igualdade e Não Discriminação, que decorrerá a partir das 14h30 no pequeno auditório do TEMPO – Teatro Municipal de Portimão.

Estarão presentes na sessão, para além de Teresa Mendes, vereadora da Câmara Municipal de Portimão, a presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, Sandra Ribeiro, o conselheiro externo para a Igualdade, Carlos Café, e a coreógrafa e encenadora Sofia Brito, responsável pelo espetáculo “Cidadãos do Mundo”, que na oportunidade será apresentado pela Dancenema.

Com a participação de duas dezenas de elementos, esta performance tem como principal objetivo estimular a reflexão e servir de alerta para a importância da integração cultural das comunidades de imigrantes na sociedade portuguesa, através da arte criativa, do enriquecimento social e do contributo cultural.

Promover ativamente a igualdade de género

Importante documento aprovado pela Câmara de Portimão em maio passado, o II Plano Municipal para a Igualdade e Não Discriminação resulta de um processo de reformulação integrado na Estratégia Nacional para a Igualdade e Não Discriminação “Portugal + Igual” 2018-2030 e visa contribuir ativamente para a promoção da igualdade de género, consciencializando todos os que vivem ou trabalham no concelho para as questões que a temática envolve quanto à linguagem, parentalidade, direitos laborais, combate aos estereótipos e, sobretudo, ao respeito de cada um.

Sob o mote “Portimão, Somos Igualdade”, o plano constitui-se como ferramenta transversal, cuja execução pretende promover uma sociedade mais justa, livre e democrática, para que todas as pessoas possam aceder aos mesmos recursos, serviços e oportunidades, evitando que se produza algum tipo de discriminação por razões de género.

O novo instrumento parte da avaliação do plano anterior, relativo ao período de 2017 a 2021, e de um diagnóstico prévio da realidade sobre a qual pretende intervir, e os respetivos objetivos e ações consideram os dados desagregados por sexo ao nível de diversos âmbitos prioritários, combinando duas metodologias: quantitativa, através da revisão e análise estatística de diferentes fontes de dados; e qualitativa, mediante a realização de entrevistas a diferentes áreas municipais e atores sociais.