Fotojornalista Marques Valentim regressa a Portimão para mostrar “Memórias de Abril”

Inauguração: 18 de abril – 18h00 Casa Manuel Teixeira Gomes

A exposição fotográfica “Memórias de Abril”, de Marques Valentim, será inaugurada na Casa Manuel Teixeira Gomes no próximo dia 18 de abril, pelas 18h00, no âmbito das comemorações do 50° aniversário da Revolução dos Cravos em Portimão.

Esta mostra marca o regresso do conceituado fotojornalista à cidade, depois da exposição “E depois do Adeus – Fotografias com História”, que em 2023 esteve patente no Museu de Portimão, uma das primeiras iniciativas do Município relativa à programação de meio século em democracia.

Com “Memórias de Abril”, Marques Valentim volta a apresentar muitas das imagens inéditas que captou durante o seu percurso profissional, as quais poderão ser vistas num equipamento cultural emblemático para Portimão, como é a Casa Manuel Teixeira Gomes.

Além dos Capitães de Abril, onde se destaca Salgueiro Maia como um dos rostos do Dia da Liberdade, o conjunto em exposição é composto por várias fotografias dos principais líderes políticos, bem como de todos os Presidentes da República e primeiros-ministros que lideraram os destinos do país desde o 25 de Abril e ao longo destas cinco décadas.

Não se limitando ao interior da Casa Manuel Teixeira Gomes, a mostra integra ainda dez imagens colocadas na fachada exterior do edifício, impressas em ‘telas’ de grande dimensão e iluminadas durante a noite, que pretendem chamar a atenção de quem passa nesta zona da cidade para a importância deste período da história portuguesa.

Nascido em Cascais no ano de 1949, Marques Valentim concluiu o curso de Fotografia e Cinema nos Serviços Cartográficos do Exército, em Lisboa. Posteriormente, fez comissão de serviço militar obrigatório como furriel miliciano foto-cine, em Moçambique.

Iniciou carreira no fotojornalismo após o 25 de Abril de 1974, com trabalhos para a Agência Europeia de Imprensa e para o diário “A Luta”, no qual permaneceu até ao momento da extinção da publicação, em 1979. Integrou a equipa que lançou o “Correio da Manhã”, tendo, mais tarde, entrado para o “Portugal Hoje”, onde permaneceu até 1982, ano que marcou o fim deste matutino. Em 2001, recebeu uma menção honrosa atribuída pela revista “Visão” e relacionada com o prestigiado concurso de fotojornalismo promovido por esta publicação semanal.

A exposição “Memórias de Abril” tem entrada livre e poderá ser visitada até 31 de maio próximo.