Família de homem assassinado no lar de idosos de Sagres por outro utente, sente-se “enganada” com versão de “ataque cardíaco” dada pela instituição e garante levar o assunto “até às últimas consequências”, junto da Procuradoria-Geral da República

O funeral de José António Baptista Geraldo, a cargo da Agência Funerária ‘Guerreiro & Guerreiro’, com sede em Lagos, tem lugar nesta sexta-feira, dia 28 de Junho, no cemitério de Vila do Bispo, após o velório na respectiva capela, onde o corpo deverá chegar pelas 13.00 horas.

José Manuel Oliveira

A família de José António Baptista Geraldo, de 85 anos, assassinado, na manhã do dia 21 de Junho de 2024 (sexta-feira passada), com socos e uma cadeira de ferro, no lar de idosos do Centro Socialde Sagres, supostamente por outro utente, Domingos Lopes, apenas soube do sucedido pela comunicação social e, agora, “exige explicações” à Santa Casa da Misericórdia de Vila do Bispo, responsável por aquela instituição. Segundo apurou o ‘Litoralgarve’, a família do falecido “irá até às últimas consequências” e prepara-se para apresentar queixa na Procuradoria-Geral da República.

Familiar do falecido conta ao ‘Litoralgarve’: “Quando o médico do INEM chegou ao local, percebeu que o senhor apresentava lesões no crânio, que não eram compatíveis com um ataque cardíaco, mas sim com agressões. Por isso, comunicou o sucedido aos militares da GNR de Vila do Bispo, que estavam no local e não sabiam o que fazer, e à Polícia Judiciária, que, depois, veio dePortimão. Quando viram o corpo, os inspectores da PJ chegaram à conclusão de que se tratava de um homicídio e começaram a investigar o caso.”

“Uma funcionária do lar telefonou a um filho a comunicar que o pai tinha falecido, vítima de ataque cardíaco. Quando o médico do INEM chegou ao local, percebeu que o senhor apresentava lesões no crânio, que não eram compatíveis com um ataque cardíaco, mas sim com agressões. Por isso, comunicou o sucedido aos militares da GNR de Vila do Bispo, que estavam no local e não sabiam o que fazer, e à Polícia Judiciária, que, depois, veio dePortimão. Quando viram o corpo, os inspectores da PJ chegaram à conclusão de que se tratava de um homicídio e começaram a investigar o caso”, contou, ao ‘Litoralgarve’, um familiar da vítima, que não se quis identificar.

Os responsáveis do lar insistiram que o senhor morrido com um ataque cardíaco. Os filhos ficaram surpreendidos e, apesar de, há tempos, lhes ter sido dito, no lar, que o homem sofria do coração, um deles levou o pai a um médico particular. Após vários exames, o médico desmentiu essa versão, garantindo que o senhor não tinha problemas de coração. Sempre foi saudável.”

Os filhos só ficaram a saber que se tratava de um homicídio e da detenção de um outro utente do lar, pela televisão, quando assistiram à notícia da CMTV”

O senhor foi para o lar, de livre vontade, há cerca de três ou quatro anos, para ser devidamente acompanhado, tratado ao nível de higiene, alimentação e cuidados médicos, e acabou por ser assassinado. Quem é o responsável por esta situação? Não há funcionários no lar?” 

E prosseguiu: “Apesar dessa situação, os responsáveis do lar insistiram que o senhor tinha morrido com um ataque cardíaco. Os filhos ficaram surpreendidos e, apesar de, há tempos, lhes ter sidodito, no lar, que o homem sofria do coração, um deles levou o pai a um médico particular. Após vários exames, o médico desmentiu essa versão, garantindo que o senhor não tinha problemas de coração. Sempre foi saudável. Os filhos só ficaram a saber que se tratava de um homicídio e da detenção de um outro utente do lar, pela televisão, quando assistiram à notícia da CMTV, e estão profundamente revoltados contra os responsáveis do lar e o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Vila do Bispo, pois sentem que foram enganados, garantindo, por isso, que vão até às últimas consequências para apurar a verdade e encontrar os responsáveis pela morte do pai. O senhor foi para o lar, de livre vontade, há cerca de três ou quatro anos, para ser devidamente acompanhado, tratado ao nível de higiene, alimentação e cuidados médicos, e acabou por ser assassinado. Quem é oresponsável por esta situação? Não há funcionários no lar?”

Pouco depois de ter sido confirmado o óbito por um médico do INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica), uma viatura dos Bombeiros Voluntários de Vila do Bispo transportou o corpo de José António Baptista Geraldo para o Gabinete Médico-Legal de Portimão, instalado no Hospital do Barlavento, nesta cidade, a fim de ser autopsiado.

Viúvo, trabalhou como pedreiro na Câmara Municipal de Vila do Bispo, localidade de onde era natural, e deixa três filhos e netos

O funeral, a cargo da Agência Funerária ‘Guerreiro &Guerreiro’, com sede em Lagos, tem lugar nesta sexta-feira, dia 28 de Junho, no cemitério de Vila do Bispo, após o velório na respectiva capela, onde o corpo deverá chegar pelas 13.00 horas. Nascido em Vila do Bispo, a 28 de Novembro de 1939, José António Baptista Geraldo tinha 85 anos e estava aposentado, após ter sido funcionário da Câmara Municipal de Vila do Bispo, como pedreiro. Viúvo e a viver no lar de idosos do Centro Social de Sagres, deixa três filhos (uma senhora e dois homens) e netos.

Qualquer dia mato-te!” 

“Qualquer dia mato-te!”. De acordo com informações recolhidas pelo ‘Litoralgarve’, terá sido essa a frase, como ameaça, de Domingos Lopes, de 71 anos, dirigida a José António Baptista Geraldo, de 84, ambos utentes do lar de idosos do Centro Social de Sagres, pertencente à Santa Casa da Misericórdia Vila do Bispo, e que acabou por se concretizar na manhã do dia 21 de Junho de 2024, após o agredir com socos e uma cadeira de ferro. O homicida, que era apontado como um indivíduo problemático e com problemas psiquiátricos, estava alojado naquele lar por ser considerado um sem-abrigo, como referiram ao nosso Jornal. 

Vítima de homicídio estaria numa sessão de ginástica. O agressor “embirrava com ele, frequentemente” 

“Mas, afinal, ninguém é responsável por esta situação no lar? Onde estava o pessoal? Qual é a segurança para os utentes deste e de outros laresde idosos?”, questionou, indignado, o mesmofamiliar. A vítima estaria numa sessão de ginástica e o agressor, “embirrava com ele, frequentemente”, acrescentou-nos um outro popular. 

O suspeito, por motivos fúteis, agrediu a vítima com socos e um objeto contundente na zona do rosto e crânio, agressões que, pela sua natureza e região corporal atingida, lhe viriam a causar a morte”, descreve, em comunicado, a Polícia Judiciária

Recorde-se que, em comunicado, divulgado na segunda-feira, dia 25 de Junho, pelo Gabinete de Imagem e Comunicação, a Direção Nacional da Polícia Judiciária (PJ) referiu que o Departamento de Investigação Criminal de Portimão “identificou e deteve um homem de 71 anos, pela presumível prática do crime de homicídio qualificado de um cidadão de 84 anos.”

“Os factos tiveram lugar na zona de Sagres, na manhã [de] sexta-feira, quando o suspeito, por motivos fúteis, agrediu a vítima com socos e um objeto contundente na zona do rosto e crânio, agressões que, pela sua natureza e região corporal atingida, lhe viriam a causar a morte”, descreveu a PJ.

Homicida está em prisão preventiva por ordem de um juiz de instrução criminal e arrisca a uma pena de 12 a 25 anos de prisão

Depois de ter sido presente a primeiro interrogatório judicial como arguido detido, o homem, de 71 anos, viu ser-lhe aplicada a medida de coacção máxima de prisão preventiva por ordem de um juiz de instrução criminal, enquanto aguarda a evolução do processo e o julgamento. Como suspeito de homicídio qualificado arrisca a uma pena entre 12 e 25 anos de cadeia.

Há seis meses, também no lar do Centro Social de Sagres, um idoso empurrou um outro, que estava numa cadeira de rodas, atirando-o pelas escadas e provocando-lhe a morte. Depois, também faleceu, com uma dose de comprimidos

Por outro lado, de acordo com informações também recolhidas pelo ‘Litoralgarve’, este não é o primeiro caso de homicídio ocorrido naquele lar do Centro Social de Sagres, situado na Rua Comandante Matoso. “Há cerca de seis meses, um idoso empurrou um outro, que se movimentava em cadeira de rodas, atirando-o pelas escadas. A vítima acabou por falecer e quem lhe provocou a morte também acabou por morrer com uma dose de comprimidos”, denunciou um residente no concelho de Vila do Bispo, conhecedor da situação.

Idosa, de 80 anos, encontrada morta junto a ribeira, após ter saído, de noite, sozinha, do lar de idosos de Budens. Caso ocorreu há cerca quatro anos e foram os cães de um popular que deram sinal 

Há cerca de quatro anos, uma idosa, de 80 anos, saiu, à noite, sozinha, do lar de Budens, localidade também situada no município de Vila do Bispo,também pertencente à Santa Casa da Misericórdia deste concelho, e acabou por ser encontrada morta,junto a uma ribeira, perto da estrada, a cerca de cem metros da instituição onde vivia. “Os meus cães é que deram sinal ao ladrarem durante a noite”, recordou, ao ‘Litoralgarve’, um popular, questionando aquele lar de idosos sobre a segurança dos seus utentes. “Só no dia seguinte, o caso foi comunicado às autoridades”, adiantou. 

Litoralgarve’ pediu esclarecimentos, por ‘email’, à Direção da Santa Casa da Misericórdia de Vila do Bispo

O nosso Jornal enviou mais um ‘email’ à Direção da Santa Casa da Misericórdia de Vila do Bispo a pedir esclarecimentos sobre estas ocorrências. Aguarda a resposta.

(Em actualização)