Eleições Legislativas 2024 – Entrevista a Rui Curado, candidato a deputado, no Algarve, pelo R.I.R.: “O partido grande em Portugal será aquele que levantar 50% da abstenção do sofá”

“Termos tido três eleições legislativas num período de cinco anos não traz estabilidade.” Este é um dos avisos de Rui Curado, de 45 anos, que encabeça a lista de candidatos a deputados do partido Reagir-Incluir-Reciclar (R.I.R.) pelo Círculo Eleitoral de Faro. Nesta entrevista, por escrito, ao ‘Litoralgarve’, defende a regionalização, promete a abolição das portagens na A22-Via do Infante e diz o que está mal no país e, sobretudo, no Algarve. Se o R.I.R. conseguir chegar ao poder, num acordo de incidência parlamentar, o Ministério da Justiça seria “o mais importante” para o partido poder colaborar com o próximo Governo. “Infelizmente, temos uma justiça forte para os fracos e uma justiça fraca para os fortes, e esse é o principal problema e razão de haver tanta corrupção em Portugal”, lamenta Rui Curado, que apela ao voto, num combate à abstenção por parte do eleitorado.

José Manuel Oliveira

“Tem sido lastimável a campanha dos partidos com assento parlamentar, ataques pessoais e pouco mais do que isso, promessas que qualquer português que pense um bocado percebe perfeitamente que não passam disso”

“Muito se fala no Hospital Central do Algarve, que deve sem dúvida ser uma das prioridades, mas onde iriamos por exemplo colocar os profissionais de saúde? Acha que viriam para o Algarve pagar 950 euros [mensais] ou mais por uma habitação?” 

“Iremos abolir, imediatamente, as portagens na A22, visto que está mais do que provado que a EN125 não é uma alternativa válida. Irei, também, defender o controlo da imigração descontrolada na região, onde estamos a perder qualidade de mão-de-obra profissional em todos os ramos, e isso não pode acontecer numa região turística como é o Algarve.”

“Somos os únicos a assumir e defender que o Algarve deveria ser uma região autónoma como é a Madeira e os Açores”

Litoralgarve – Como surgiu a sua candidatura como cabeça de lista a deputado do partido R.I.R. – Reagir – Incluir – Reciclar, pelo Círculo Eleitoral de Faro a estas eleições legislativas antecipadas no dia 10 de Março de 2024?

Rui Curado – A minha candidatura surgiu através do convite da Dra. Márcia [Henriques], atual presidente do partido R.I.R e também do apoio da minha lista que na maioria dos elementos nos mantemos juntos desde 2019, uma lista perfeitamente conhecedora dos problemas que os algarvios enfrentam, elementos a que, desde já, agradeço também.

“Se tivéssemos o apoio monetário que os partidos com assento parlamentar têm, não tenho dúvidas de que conseguíamos chegar a muito mais gente e iríamos eleger no Algarve.”

Litoralgarve  – Quantos deputados espera o partido eleger no Algarve?

Rui Curado – Se tivéssemos o apoio monetário que os partidos com assento parlamentar têm, não tenho dúvidas de que conseguíamos chegar a muito mais gente e tenho a certeza de que iríamos eleger no Algarve. Infelizmente, os media também não nos dão a cobertura que merecemos, nós falamos a mesma língua que o povo comum, sabemos e sentimos na pele a necessidade que esse povo tem, tenho a certeza de que iriamos ganhar o voto deles caso tivéssemos milhões para gastar em campanha e a cobertura da imprensa como eles têm.

“Sem habitação a preços acessíveis logicamente não temos profissionais, nem mão-de-obra qualificada para podermos evoluir em todos os sectores, seja na saúde, na educação, etc.”

Litoralgarve – Quais os principais problemas que sente nesta região? E quais são as prioridades do R.I.R. para o próximo mandato?

Rui Curado – São tantos que teríamos aqui matéria para muitas linhas. Mas vamos começar pelo que, neste momento, acho mais relevante e que já vimos alertando desde 2019: a falta de habitação no Algarve. Sem habitação a preços acessíveis logicamente não temos profissionais, nem mão-de-obra qualificada para podermos evoluir em todos os sectores, seja na saúde, na educação, etc . Muito se fala no Hospital Central do Algarve, que deve sem dúvida ser uma das prioridades, mas onde iriamos, por exemplo, colocar os profissionais de saúde? Acha que viriam para o Algarve pagar 950 euros [mensais] ou mais por uma habitação? 

O Algarve é uma região de excelência e temos aqui todas as condições, mas, infelizmente, somos esquecidos completamente eleições após eleições. Por isso, somos os únicos a assumir e defender que o Algarve deveria ser uma região autónoma como é a Madeira e os Açores.

“Caso seja eleito, irei defender a autonomia da região do Algarve e dar ao Algarve o merecido respeito. Não podemos continuar apenas a servir para o turismo e para 3 meses de Verão.”

Litoralgarve – Qual será a sua primeira medida se for eleito no dia 10 de Março?

Rui Curado – Caso seja eleito, irei defender o que referi acima: a autonomia da região do Algarve e dar ao Algarve o merecido respeito. Não podemos continuar apenas a servir para o turismo e para 3 meses de Verão. O povo algarvio não merece respeito no resto dos meses do ano? 

Iremos abolir, imediatamente, as portagens na A22 [Via do Infante], visto que está mais que provado que a EN125 não é uma alternativa válida. Irei, também, defender o controlo da imigração descontrolada na região, onde estamos a perder qualidade de mão-de-obra profissional em todos os ramos, e isso não pode acontecer numa região turística como é o Algarve.

E sem maioria absoluta, “penso que será uma legislatura que não vai durar muito tempo”

Litoralgarve – Se não houver maioria absoluta do Partido Socialista, nem da Aliança Democrática, como encara a formação do próximo Governo? Poderá ser uma legislatura de curta duração?

Rui Curado – Temo sim, que será uma legislatura que não vai durar muito tempo. Tem sido lastimável a campanha dos partidos de assento parlamentar, ataques pessoais e pouco mais do que isso, promessas que qualquer português que pense um bocado percebe perfeitamente que não passam disso. Mais uma vez, falsas promessas para enganar o português, uma campanha sem soluções para resolver os problemas que eles próprios criaram nos últimos 50 anos e que irão continuar a criar caso os portugueses continuem a acreditar nas falsas promessas.

“Creio que o ministério que poderíamos integrar seria o da Justiça, a meu ver o mais importante para que o país possa, finalmente, mudar para melhor”

Litoralgarve – Com deputados eleitos, o R.I.R. estaria disponível a apoiar um futuro governo sem maioria absoluta? Com que primeiro-ministro? E que ministérios aceitaria integrar?

Rui Curado – Seria uma pergunta que teria de ser feita à presidente do partido em primeiro lugar. Somos um partido ao centro, logo por aí respondo a parte da sua pergunta. Creio que sim, que estaríamos abertos a uma negociação desde que fossem defendidos os interesses dos portugueses e de quem votou em nós.

Creio que o ministério que poderíamos integrar seria o da justiça, a meu ver o mais importante para que o país possa, finalmente, mudar para melhor. Se tivéssemos uma justiça exemplar para os corruptos e outros casos mais, certamente as coisas seriam melhores. Infelizmente, temos uma justiça forte para os fracos e uma justiça fraca para os fortes, e esse é o principal problema e razão da haver tanta corrupção em Portugal.

“Termos tido três eleições legislativas num período de cinco anos não traz estabilidade. Os portugueses, neste momento, precisam da dita estabilidade, mas, no entanto, o que iremos ver será um jogo de egos políticos, não beneficiando os portugueses.”

Litoralgarve – Como encara o futuro de Portugal?

Rui Curado – Portugal para encarar um futuro com prosperidade e evolução necessita de estabilidade a nível político, algo que, neste momento, não está presente na vida dos portugueses. Termos tido três eleições legislativas num período de cinco anos não traz estabilidade. Os portugueses, neste momento, precisam da dita estabilidade, mas, no entanto, o que iremos ver será um jogo de egos políticos, não beneficiando os portugueses. Como tal, o futuro mostra ser muito instável.

“Tiveram 50 anos para mostrar o que valiam e o resultado está à vista de todos: um Portugal mergulhado em dívidas, um Portugal empobrecido, um Portugal a perder os nossos costumes e tradições em troca de dinheiro europeu porque eles nos afundaram economicamente e de outras formas”

Por outro lado, apelo aos portugueses e, principalmente aos algarvios, para que não se deixem levar pelas falsas promessas novamente, que entreguem o voto aos partidos que realmente têm vontade de mudança, aos partidos que eles chamam de pequenos, mas que na realidade somos enormes, enormes na vontade, enormes na crença, enormes por tentarmos, sem meios, mudar o rumo do país, alguns se auto-intitulam grandes" mas na realidade são eles os pequenos. Tiveram 50 anos para mostrar o que valiam e o resultado está à vista de todos: um Portugal mergulhado em dívidas, um Portugal empobrecido, um Portugal a perder os nossos costumes e tradições em troca de dinheiro europeu porque eles nos afundaram economicamente e de outras formas.

 O partido grande em Portugal será aquele que consiga levantar os quase 50% de abstenção do sofá. Esse, sim, será o grande partido português…

Quero deixar, por último, um desejo: que grande parte dos meios de comunicação comece a dar mais cobertura aos partidos sem assento parlamentar. Nós merecemos porque a verdadeira vontade está aqui e não nos partidos do costume…

Dia 10 votem REAGIR-INCLUIR-RECICLAR (R.I.R)

QUEM É RUI CURADO

Nasceu em Évora, reside em Almancil, no concelho de Loulé, é motorista e destaca o Benfica como o clube da sua preferência. Ocupa os tempos livres em convívio familiar, gosta de açorda alentejana e migas à moda daquela região do país, aponta a “frontalidade” como sendo a sua principal virtude e a “teimosa” como o maior defeito. Dom Afonso Henriques e Nelson Mandela são as figuras a nível nacional e internacional, respetivamente, que mais admira.

Nome completo: Rui Pedro Roupa Curado 

Data do nascimento: 03/11/1978

Estado Civil: Casado

Filhos: 2; 26 anos e 21 anos

Naturalidade: Évora

Residência: Almancil

Filiação partidária: sim, militante do RIR

Cargos políticos que já desempenhou: nenhum

Profissão: motorista

Habilitações literárias: 10º ano 

Clube desportivo da sua preferência: Benfica

Como ocupa os tempos livres: Convívio familiar

Gastronomia/prato preferido: Açorda alentejana e migas à alentejana

Onde costuma passar férias e porquê: Portugal, pois o nosso território tem um encanto fascinante 

Filmes que mais aprecia e porquê: Aprecio um bom filme baseado em factos verídicos, pois o mesmo representa aquilo que verdadeiramente aconteceu e não é ficção nenhuma.

E livros? 

Religião: Católica

Qual a sua principal virtude? Frontalidade

E qual o seu principal defeito? Teimosia

O que mais aprecia nas pessoas? Frontalidade e acima de tudo sinceridade

E o que mais detesta? Falsidade e hipocrisia

Qual a figura nacional que mais aprecia e porquê?

D. Afonso Henriques, porque acreditou naquilo que defendia, indo mesmo contra a sua própria mãe

E a nível internacional?  Nelson Mandela, pela coragem como lutou e por tudo aquilo que enfrentou pelos direitos humanos.

Mais Artigos