Castro Marim – GNR colabora com a EUROPOL apreendendo 230 garrafas de gás fluorado

O Comando Territorial de Faro, através do  Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) de Tavira, no dia 22 de setembro, procedeu à apreensão de 230 garrafas de gás fluorado, na sequência de um pedido de colaboração via EUROPOL, proveniente da Guardia Civil – SEPRONA, no concelho de Castro Marim.

Na sequência da partilha constante de informações através do Centro de Cooperação Policial e Aduaneiro de Castro Marim – Ayamonte, com especial destaque para os últimos seis meses, os militares levaram a cabo um conjunto de diligências nas últimas duas semanas que culminaram com a fiscalização a uma empresa sediada em Portugal da qual resultou a apreensão de:

  • 230 garrafas de gás fluorado, incluindo gases proibidos desde 2007;
  • Um aparelho recuperador de gás fluorado;
  • Diversos materiais para etiquetagem e acondicionamento;
  • Uma balança;
  • Uma pistola de ar quente – destinado à selagem das garrafas.

No decorrer da ação policial foi identificada uma mulher de 48 anos.

Foi elaborado um auto de contraordenação por falta de registo de comunicação de informações à Agência Portuguesa do Ambiente (APA), falta de informações de rotulagem e venda de gás proibido.

A ação contou com a colaboração do Núcleo de investigação Criminal (NIC) de Tavira e do Destacamento de Intervenção (DI) através da participação de dois binómios.

A Guarda Nacional Republicana alerta para o facto de os gases fluorados com efeito de estufa (HFC)  serem substâncias com um grande potencial de aquecimento global, muito superior ao do dióxido de carbono, motivo pelo qual tem levado a cabo, a nível nacional, ações para fazer face ao comércio ilegal de HFC que empobrecem a camada de Ozono. A escassez no mercado criada pela redução gradual está a aumentar o valor monetário dos HFC, verificando-se que determinadas substâncias proibidas em alguns países, cujo valor é demasiado dispendioso, estão legalizadas noutros países com valores muito mais acessíveis, favorecendo o surgimento de um mercado paralelo que introduz HFC sem os declarar, evitando o controlo pré-definido de cotas.