Cabanas de Tavira – 2 detidos em flagrante e apreensão de mais de 1 tonelada de haxixe

A Unidade de Controlo Costeiro (UCC), através do Subdestacamento de Controlo Costeiro de Vila Real de Santo António, durante a madrugada de 9 de julho, procederam à apreensão de 1023 quilogramas de haxixe, no decorrer de uma operação inopinada em Cabanas de Tavira.

No âmbito da sua missão de vigilância, controlo e patrulhamento da costa e mar territorial, em particular no combate ao tráfico internacional de estupefacientes por via marítima, a Unidade de Controlo Costeiro, através de uma Equipa de Vigilância daquele Subdestacamento e em colaboração com o Sistema Integrado de Vigilância, Comando e Controlo (SIVICC), detetaram uma embarcação de recreio que apresentava movimentos suspeitos na sua navegação, tendo dado entrada à Barra da Tavira.

No seguimento da monitorização, foi detetada uma embarcação pneumática auxiliar que carregou nove fardos de haxixe dessa embarcação de recreio, pretendendo descarregar o produto estupefaciente junto à margem, já no interior da Ria Formosa. 

Perante a situação, os militares da GNR deslocaram-se para o local do presumível desembarque, tendo conseguido intercetar o produto estupefaciente e deter dois indivíduos em flagrante delito, com 36 e 39 anos de idade, respetivamente.

Em ato contínuo, uma Equipa de Patrulhamento e Interceção Marítima, a bordo da embarcação da GNR, intercetou a embarcação de recreio suspeita, sem tripulantes a bordo, que continha no seu interior os restantes 22 fardos de haxixe, que também foram apreendidos.

Da Operação resultou a apreensão de 1023 quilogramas de haxixe, duas embarcações e a detenção de dois suspeitos em flagrante.

Os detidos serão presentes a Tribunal e o expediente será remetido à Polícia Judiciária para diligências de investigação.

A Unidade de Controlo Costeiro da GNR, no âmbito da sua competência específica, efetua ações de vigilância, patrulhamento e interceção terrestre ou marítima de toda a costa e mar territorial do continente e das Regiões Autónomas, requerendo da GNR no geral e da UCC em particular um nível de prontidão e uma coordenação de meios exímia para o cumprimento da sua missão.