Todas as cidades são (também) imaginárias e dão mote aos encontros literários Verão Azul

Pelo quarto ano consecutivo, a Biblioteca Municipal Manuel Teixeira Gomes promove nos quatro sábados do mês de julho o ciclo de encontros Verão Azul – Conversas partilhadas no jardim, que nesta edição abordará o tema “Todas as Cidades São (também) Cidades Imaginárias”.

Inspirada no título do livro “Agosto Azul”, do escritor portimonense, e ex-Presidente da República, Manuel Teixeira Gomes, esta iniciativa fora de portas volta a realizar-se no ambiente floral e aprazível do Jardim 1º de Dezembro, visando promover o livro e a leitura de autores de referência da literatura portuguesa atual.

O ciclo, que este ano integra o programa de comemorações do centenário da cidade, também proporciona o usufruto do jardim onde decorre, valorizando-o como espaço de sociabilidade e convivialidade em pleno centro de Portimão.

Os encontros deste ano pretendem inspecionar a realidade sob a lente da imaginação literária, porque uma cidade – para mais centenária – não é só um lugar físico e concreto, mas também um território feito do modo como se inventa diariamente.

Para abordar o tópico proposto, em sessões agendadas para as 18h30, foram convidados os seguintes escritores: Matilde Campilho e Susana Moreira Marques (6 de julho); Afonso Cruz e Joana Bértholo (13 de julho); Francisco José Viegas e Gonçalo M. Tavares (20 de julho); Lídia Jorge e Ana Margarida de Carvalho (27 de julho).

Apontamentos sobre os participantes

Matilde Campilho nasceu em Lisboa, em 1982. O seu primeiro livro, “Jóquei”, foi lançado em 2014 pela Tinta-da-China, e também editado no Brasil e em Espanha. Posteriormente, publicou “Flecha”, também pela Tinta-da-China. Os seus textos apareceram em diversas revistas nacionais e internacionais. Tem um programa de rádio na Antena 3 e vive em Lisboa.

Susana Moreira Marques é autora de “Agora e na hora da nossa morte”, traduzido para inglês, francês e espanhol, e “Quanto tempo tem um dia”. O seu trabalho tem sido publicado em revistas como Granta e Tin House. Recentemente, publicou “Lenços Pretos, Chapéus de Palha e Brincos de Ouro” (2023). Vive em Lisboa.

Afonso Cruz é escritor, ilustrador, cineasta e músico da banda The Soaked Lamb. Escreve uma crónica mensal no Jornal de Letras, Artes e Ideias. Recebeu vários prémios literários e as suas obras estão publicadas em vários países.

Joana Bértholo é escritora e dramaturga, nascida em Lisboa, em 1982. Licenciada em Design de Comunicação e Doutorada em Estudos Culturais, publicou romances, livros de contos e literatura infantil. “A História de Roma” é o seu romance mais recente.

Francisco JoséViegas nasceu em 1962. É professor, jornalista e editor, responsável pela revista Ler e ex-secretário de Estado da Cultura. Publicou vários livros de poesia e romances, destacando-se obras como “Longe de Manaus” e “A Luz de Pequim”.

Gonçalo M. Tavares é um autor de vasta obra traduzida em mais de 60 países. As suas obras receberam várias distinções, incluindo o Prix Laure-Bataillon 2021 e o Prix du Meilleur Livre Étranger 2010.

Lídia Jorge estreou-se com “O Dia dos Prodígios” em 1980. Publicou várias obras de romance, conto, ensaio e teatro, incluindo “A Costa dos Murmúrios” e “Os Memoráveis”. Recebeu múltiplos prémios nacionais e internacionais.

Ana Margarida de Carvalho nasceu em Lisboa e exerceu jornalismo por cerca de 25 anos. O romance de estreia, “Que Importa a Fúria do Mar”, recebeu o Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLAB 2013. Publicou também “Não Se Pode Morar nos Olhos de um Gato” e “Cartografias de Lugares Mal Situados”.

A curadoria e moderação estarão a cargo de Carlos Vaz Marques, jornalista, tradutor e editor, coautor e coordenador do programa ‘Cujo Nome Estamos Legalmente Impedidos de Dizer’ na SIC Notícias. É autor premiado e tradutor de mais de uma dezena de obras literárias.