PCP realiza jornada em defesa do Serviço Nacional de Saúde no Algarve

O direito à saúde surge hoje no primeiro plano das preocupações das populações algarvias. A epidemia de Covid-19 veio revelar o quanto importante é para a população do Algarve a existência de um Serviço Nacional de Saúde. Foi com o SNS e com os seus profissionais que as populações puderam contar ao longo dos últimos meses. É também por isso que o PCP se tem empenhado na apresentação de propostas para que o SNS seja reforçado em meios humanos – médicos, enfermeiros, técnicos de diagnóstico e terapêutica, auxiliares, entre outros – e que os direitos dos trabalhadores sejam reconhecidos, mas também, para que se vá mais longe no investimento, seja na aquisição de equipamentos, seja na reabilitação e construção de novas unidades de saúde, incluindo, do há muito prometido Hospital Central do Algarve.

Para o PCP impõe-se reforçar o SNS e não continuar a desviar os recursos que fazem falta a este importante serviço público para os grupos de saúde privados que se alimentam do dinheiro do Estado e do negócio da doença.

Numa altura em que se regista uma diminuição de casos positivos de Covid-19 e um abrandamento da pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde na região, é urgente preparar o regresso à actividade normal e recuperar os atrasos verificados noutros planos da saúde. Nesse sentido, o PCP realiza durante os dias 18 e 19 de Fevereiro, uma jornada regional de contacto com as populações em 11 localidades do Algarve, designadamente em:

18 de Fevereiro

Faro – Centro de Saúde de Faro – 14:30

Lagos – Hospital de Lagos – 7:40

Vila do Bispo – Centro de Saúde – 9:00

Aljezur – Centro de Saúde de Aljezur – 15:00

Albufeira – Centro de Saúde albufeira – 9:00

Loulé – Centro de Saúde – 8:00

Olhão – Centro de saúde de Olhão – 8:00

Vila Real de Santo António – Centro de saúde – 9:00

Portimão – Centro de Saúde de Portimão – 8:30

19 de Fevereiro

Lagoa – Centro de Saúde de Lagoa – 9:00

Silves – Centro Saúde de Silves- 9:00