É ESTE O PONTO DE SITUAÇÃO DA EVOLUÇÃO DO NOVO CORONAVÍRUS COVID-19 A NÍVEL NACIONAL E NO ALGARVE – DIA 04 DE JULHO DE 2020

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde, no dia 04 de Julho de 2020,  apresenta o seguinte quadro relativo à situação do novo coronavírus (Covid-19), em Portugal:

– Número total de casos de infeção confirmados (em números acumulados) – 43.569  (mais 413  do que no dia  03  de Julho de 2020)

– Número total de recuperados – 28.772  (mais 348  do  que no dia 03  de  Julho  de  2020)

– Número total de internados – 489  (menos 06  do que no dia  03 de Julho de 2020)

– 73 em Unidades de Cuidados Intensivos  (mais 01  do que no dia 03  de  Julho  de  2020)

– Número total de casos suspeitos desde 01/01/2020 – 388.969 (mais  2.043  do que  no  dia  03  de  Julho  de  2020).  Do total dos casos suspeitos,  344.297  não se confirmaram  (mais  1.406  do que no dia  03  de  Julho  de  2020).

Entretanto,  1.103   pessoas  (mais  224   do que no  dia  03  de Julho de  2020) aguardam os resultados laboratoriais aos testes efetuados, enquanto  que  31.486  (mais  53   do que  no  dia  03 de  Julho  de  2020)  estão sob vigilância das autoridades de saúde.

– Número total de óbitos – 1.605   (mais 07  do  que  no  dia  03  de Julho de 2020, tendo sido todos registados na Região de Lisboa e Vale do Tejo)

A região de Lisboa e Vale do Tejo, desde o início desta pandemia, atingiu,  no  total,  20.273  casos confirmados em números acumulados    (mais  317   do  que  no  dia  03/07/2020)  e  498  óbitos  (mais  07  do  que  no  dia  03/07/2020).

Segue-se a região Norte, que soma  17.723  casos de infeção confirmados em termos  acumulados  (mais  59   do que a 03/07/2020)  e  819  vítimas mortais.

A  região  Centro  contabiliza  4.157 casos de infeção em números acumulados  (mais  20  do  que  no   dia  03/07/2020) e 248  falecimentos.

O Alentejo já conta com  520  casos de infeção  em termos acumulados desde  o  início  da   pandemia  (mais  13   do que no  dia  03/07/2020),  muito contribuindo para tal o surto registado no lar de idosos de Reguengos de Monsaraz,  e  10  mortes.

A Região dos Açores  tem com  151  casos de infeção confirmados em números acumulados  e 15   mortos, desde o início da pandemia, segundo a Direção-Geral da Saúde. Já a Autoridade de Saúde Regional refere  a  existência de 154 casos, seis dos quais ativos – quatro na Ilha de São Miguel, um  na  Ilha  Terceira  e  um  na  Ilha  das  Flores.

Na  Madeira mantém-se  o registo  de   um  total  de  92  casos  de  infeção  confirmados, em números acumulados desde o início da pandemia,  sem  qualquer  morte  até  esta  data.

Em Portugal,  há  13.192  casos  ativos do novo coronavírus a serem tratados pelas autoridades de saúde  (mais  58   do  que  no  dia  03  de  Julho  de 2020).

ALGARVE

Há  mais  quatro  infetados  

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde, divulgado no dia 04 de Julho de 2020,   o Algarve já conta com um total de   653  casos de infeção confirmados desde o início  desta  pandemia, em termos acumulados. Desta forma, foram registadas  mais  04  pessoas  com Covid-19.

Relatório da  Direção-Geral  da  Saúde  mantém  15  óbitos  no  Algarve;

Autoridade  de  Saúde  Regional confirma que  são  17

Como o Litoralgarve tem referido, continuam a ser diferentes os números sobre o total de óbitos no Algarve desde o início da pandemia, divulgados pela Direção-Geral da Saúde e pela Autoridade de Saúde Regional. No dia  04  de  Julho  de  2020, a Direção-Geral  da  Saúde  refere, uma vez mais, 15 óbitos nesta região, enquanto que  a Autoridade de Saúde Regional, no seu relatório semanal,  apresentado a 03/07/2020, voltou a confirmar a ocorrência de  17 mortes.

Os óbitos conhecidos são:

– 3 em Portimão

As vítimas mais recentes de Covid-19, recorde-se, são um cidadão sexagenário, de nacionalidade espanhola, que vivia neste concelho do barlavento algarvio, e uma senhora idosa, portuguesa, que tinha em Portimão a sua segunda habitação. Acabou por falecer nesta cidade. O seu local de residência habitual era em Lisboa.

 – 1 em Quarteira, no concelho de Loulé

–  5 em Boliqueime, no concelho de Loulé

 – 1 no concelho de São Brás de Alportel

–  2 em Vila Real de Santo António

 – 2 no concelho de Albufeira

–  2 no concelho de Lagoa

46  PESSOAS RECUPERARAM  DA  COVID-19  EM  PORTIMÃO

Casos de recuperação conhecidos:

– 92 no concelho de Loulé

– 77 no concelho de Albufeira

– 53 no concelho de Faro

– 46 no concelho de Portimão, revela a Câmara Municipal

– 31 no concelho de Tavira

– 15 no concelho de Vila Real de Santo António

 19 no concelho de Silves

– 14 no concelho de Olhão

– 09 no concelho de Lagoa

– 09 em Lagos, de acordo com o relatório da Autoridade de Saúde

      Regional do Algarve, enviado no dia 03/07/2020 aos órgãos de

      comunicação social

– 02 no concelho de Castro Marim

– 01 no concelho de Monchique

– 02 no concelho de São Brás de Alportel

OITO  CASOS  ATIVOS  EM  OLHÃO  –  UM CASAL  COM   TRÊS   FILHOS   MENORES  E MAIS  TRÊS   PESSOAS  DE   RELAÇÃO  PRÓXIMA

No concelho de Albufeira já foram registados 123 casos de infeção confirmados em números acumulados, desde o início da pandemia. De acordo com informações recolhidas, Loulé tem 109 casos.

Faro (70), Tavira (46), Silves (26) e Vila Real de Santo António (21) estão a seguir nesta lista. Já no concelho de Olhão, como o Litoralgarve referiu, o presidente da Câmara Municipal, António Miguel Pina, anunciou a existência de “8 casos ativos”. Trata-se de um casal e os seus três filhos menores, mas “nenhum dos cinco apresenta um quadro clínico grave”, esclareceu o autarca. Numa outra comunicação, o presidente da Câmara Municipal de Olhão acrescentou: “Em relação aos 8 casos agora ativos, dizem respeito a uma família de 5 elementos, como referi anteriormente, e agora a mais 3 pessoas de relação próxima com essa família.”

EXISTEM  39  CASOS  ATIVOS  EM   PORTIMÃO

No concelho de Lagoa, de acordo com  informações disponíveis,  desde o início desta pandemia, estão registados 14 casos de infeção em termos acumulados. Fonte autárquica disse ao Litoralgarve que, em Lagoa, há “quatro casos ativos, todos importados”. Segundo apurámos, um deles está relacionado  com a festa ilegal em Odiáxere, perto de Lagos.

Em Portimão, a mais recente informação da  Câmara Municipal,  datada de  02/07/2020, indica 39 casos ativos. Desde o início da pandemia já se registaram neste concelho 88 casos confirmados em termos acumulados.

SUBIU  PARA  135  O NÚMERO  DE  CASOS  CONFIRMADOS   EM   LAGOS  E  JÁ   NÃO  HÁ   DOENTES   HOSPITALIZADOS  DEVIDO À  FESTA  EM  ODIÁXERE

Já em Castro Marim, o presidente da Câmara Municipal, Francisco Amaral, contou ao ‘Litoralgarve’ que há neste concelho um caso ativo, mais concretamente de um jovem na ‘casa’ dos 30 anos de idade, residente na localidade de Altura e que está de quarentena, numa casa cedida pela autarquia, com o apoio da Proteção Civil.  

No concelho de Lagos, recorde-se, o  último relatório da Autoridade de Saúde Regional do Algarve, apresentado no dia 03 de Julho de 2020, indica  135 casos  confirmados, na sequência da festa ilegal em Odiáxere. Desse total, estão a recuperar no domicílio 126 pessoas. Ainda de acordo com aquele documento, já não há doentes hospitalizados.

SÃO  BRÁS  DE  ALPORTEL  TEM   20  PESSOAS  SOB  VIGILÂNCIA  DAS  AUTORIDADES  DE  SAÚDE  E   TRÊS  CASOS   CONFIRMADOS

Em São Brás de Alportel, ao atualizar o ponto de situação epidemiológica Covid-19, a Câmara Municipal anunciou, no dia 04/07/2020, que há  20 pessoas  em vigilância pelas autoridades de saúde, a que se juntam três casos confirmados de infeção.  No concelho de Monchique, a Direção-Geral da Saúde aponta 12  casos confirmados e em Vila do Bispo, a mesma  entidade estatal  mantém a informação de que existem 04  pessoas infetadas. Só os concelhos de Aljezur e de Alcoutim continuam sem registar casos relacionados com o novo coronavírus, até ao momento.

Recorde-se que o boletim epidemiológico emitido diariamente pela Direção-Geral da Saúde indica, apenas, o “total de notificações clínicas no sistema SINAVE, correspondente a 91 por cento dos casos confirmados.” E quando os casos confirmados são “inferiores a três, por motivos de confidencialidade, os dados não são apresentados”. Daí poder existir discrepância entre números divulgados.

Autor: José Manuel Oliveira