Cinquentenário do 25 de Abril em Albufeira juntou cravos e aplausos

As comemorações do 25 de Abril em Albufeira juntaram para cima de um milhar de pessoas, entre o concerto de Teresa Salgueiro, o espetáculo de vídeomapping, a inauguração da escultura “Sopro de Liberdade”, de Santos Carvalho, a Sessão Solene dedicada ao Poder Local e o lançamento do livro “Um sopro de Liberdade – Albufeira 1974-2014”. Nesta nova edição do Município constam os albufeirenses detidos pela PIDE, os testemunhos de diversos albufeirenses e de militares que se encontravam na região, bem como um breve estudo sobre as eleições autárquicas em Albufeira. Notável foi ainda o canto de “A portuguesa” por Michelle Tomaz no momento em que foi içada a Bandeira Nacional. O X Triatlo- 25 de Abril do FC Ferreiras e “Caminhadas ao Luar” somaram também centenas de participantes.

Os Paços do Concelho foram o palco privilegiado para as comemorações do cinquentenário do 25 de Abril. Na noite anterior, a voz incomparável de Teresa Salgueiro juntou cerca de um milhar de espetadores, que se deslumbraram, no final, com o espetáculo alusivo à Revolta dos Cravos em videomapping, para além do crescendo de emoções com o fogo-de-artifício. O final deste dia também ficou marcado pela alegria dos participantes do “Caminhadas ao Luar” sob o tema da Liberdade.

O dia histórico arrancou com a habitual Guarda de Honra e hastear da Bandeira ao som da fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Albufeira, ao passo que a Sociedade Musical e Recreio Popular de Paderne surpreendeu os presentes com a voz de Michelle Tomaz, que cantou o hino nacional, “A Portuguesa”, para forte aplauso de cerca de duas centenas de albufeirenses, representantes das forças de segurança, associativas e políticas, todos de cravos na mão, distribuídos por trabalhadores do Município. Esta celebração ocorreu no lado da entrada norte do edifício da Câmara Municipal e logo de seguida todos os presentes se deslocaram à entrada sul do edifício para a inauguração da escultura “Sopro de Liberdade”, de Santos Carvalho, que marcou o ponto alto das celebrações. “Todo o processo de criação foi um momento muito meu, que a partir de agora passa a ser de todos”, referiu o escultor, que desenvolve trabalhos artísticos em pedra desde 1990. “É uma obra impactante”, salientou o presidente da Câmara Municipal de Albufeira, José Carlos Rolo, salientando que “Santos Carvalho deixa aqui em Albufeira a sua marca, numa data de elevada importância, cuja obra transporta em si uma enorme carga simbólica”. A escultura, com três metros de altura em mármore, tem no seu interior a figura de um cravo recortado em aço, pelo que o presidente da Assembleia Municipal, Francisco Oliveira, associou a necessidade de comemorar a data à necessidade de uma flor. “O que representa o 25 de abril é algo que se deve regar todos os dias e acarinhar, a fim de permitir que as conquistas destes 50 anos não retrocedam”. Após este momento, o Executivo municipal desloucou-se às Freguesias do concelho, onde a cerimónia oficial do hastear da Bandeira ao som do hino “A Portuguesa”. A manhã registou ainda o grande sucesso das provas em corrida e ciclismo do X Trialo – 25 de Abril, organizado pelo FC Ferreiras com o apoio do Município. O clube da casa fez-se representar por uma grande comitiva que apresentou resultados à altura: o 3º lugar de Clubes da equipa Feminina e vários pódios de escalão: Afonso Gouveia, David Alfeirão, Isa Parreira, Marina Zaborskayaa e Cecília Tintim.

No período da tarde, o Salão Nobre acolheu a Sessão Solene do dia, consagrada ao Poder Local, onde todos os líderes de bancada na Assembleia Municipal e Juntas de Freguesia. Entre diversos assuntos, o José Carlos Rolo centrou o seu discurso na ética do Poder, referindo que “a ética do Poder Local não passa, e nem pode passar, pela personalização do poder, quando o rosto do poder local é o rosto dos eleitores que nos confiaram os seus destinos. Não se deve ´tomar a nuvem por Juno’. Nem por parte dos eleitos, nem por parte dos eleitores. É por não se fazer esta análise dos conceitos e da prática do exercício autárquico, que muitos incorrem, por vezes, em críticas levianas e injustas. Albufeira pontua em muitos rankings que vão do ambiente ao desempenho financeiro.” Carlos Quintino (Coligação Ser Albufeira) salientou que “que aprofundar Abril nas autarquias, é planear o futuro, é ter novos horizontes, é dar respostas objetivas aos problemas das pessoas, é fazer acontecer.” Por sua vez, Domingos Coelho (PS) referiu a propósito das novas competências sobre descentralização, “maiores desafios e novos horizontes se abrem às Autarquias. Deverá ser sua obrigação estar à altura desses desafios e dos desejos das populações.” Raúl Ferreira (MIPA) fez notar que “é tempo ainda de sermos guardiões do regime democrático, que nos permite efetuarmos as nossas escolhas com liberdade e de educarmos os nossos jovens de modo a não acreditarem, de forma ingénua, nos falsos salvadores da Pátria” e Carla Vieira (Albufeira Prometida) acentuou, a propósito dos princípios de Abril, que “é nosso dever protegê-los e defendê-los com zelo, temos a obrigação de honrar o legado daqueles que vieram antes de nós, trabalhando incansavelmente para construir um país mais justo, inclusivo e solidário.” Luna Silva (CHEGA) lembrou que a “mudança do regime político ocorrida em 1974 […] suscitou uma maior aproximação às instituições europeias que culminaram com a adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia em Junho de 1985.” Também usaram da palavra os presidentes das Juntas de Freguesia de Ferreiras e da Guia, Jorge do Carmo e Dinis Nascimento, respetivamente. Recordou o primeiro que o 25 de Abril de 1974 “foi um dia que ficou gravado na memória de todos os portugueses, um dia em que o povo se levantou e disse “Basta!”, ao passo que o segundo afirmou ser “nossa responsabilidade defender e fortalecer as instituições democráticas, combater a corrupção e promover a transparência e a prestação de contas. É também nossa responsabilidade combater todas as formas de discriminação e injustiça e garantir que todos os portugueses tenham acesso igualitário a oportunidades e direitos.”. Esta sessão foi encerrada pelo Presidente da Assembleia Municipal, Francisco Oliveira, que fez notar o papel do poder local que “reordenou o território, melhorou acessibilidades, construiu escolas, deu educação, permitiu a criação de empresas e empregos. O poder local democrático ajudou a transformar-nos de súbditos em cidadãos, e envolveu centenas de milhar desses cidadãos no processo político nas 13 eleições autárquicas já realizadas”. Depois deste momento, o Município de Albufeira procedeu ao lançamento do libro “Um sopro de Liberdade – Albufeira 1974-2014”, onde constam os albufeirenses detidos pela PIDE, os testemunhos de diversos albufeirenses e de militares que se encontravam na região, bem como de um breve estudo sobre as eleições autárquicas em Albufeira.

Mais Artigos