Carta aberta às crianças de Lagos

Chamo-me Japi e sou a cegonha de perna curta que vive no topo de uma chaminé da Aldeia da Senhora do Forte. Fui das primeiras que deixaram de emigrar no Outono e passaram a ficar todo o ano em Lagos. Sou amiga dos linces Citá e Doli, das jovens Inês e Carminho, do barbeiro Florentino, da D. Augusta, proprietária da Pensão Nortada, e da Amélia, que mora no Bairro do Leixão. Sabem quem são?

Em Junho, temos sempre uma festa, na qual as crianças do Primeiro Ciclo do Ensino Básico recebem diplomas de “Amigos da Aldeia”, pelos trabalhos que, na escola, fazem sobre a nossa história e os nossos hábitos. É uma festa tão importante, que ganhou um primeiro prémio europeu sobre boas práticas. Ah, faltava-me recordar-vos que esta festa é no Museu de Lagos, que vale a pena visitar, porque está lindíssimo.

No ano lectivo que vai começar, Lagos tem várias datas importantes para festejar: a 27 de Janeiro, a elevação a cidade, há 450 anos, e a fundação do Grupo dos Amigos de Lagos, há 30, a inauguração desta Aldeia, também há 30 anos, em Junho… Serão excelentes oportunidades para conhecermos o nosso passado, reforçarmos os laços de amizade entre os presentes e prepararmos o futuro, que queremos melhor.

Esta minha carta destina-se a lembrar-vos que, em Setembro, quando regressarem às aulas, já a vossa Escola terá decidido como iremos comemorar, em conjunto, todas essas datas importantes. Também a Câmara, a Assembleia Municipal e as Juntas de Freguesia estarão a elaborar e a aprovar os planos para recolherem e apoiarem as ideias que as crianças, seus pais e avós lhes transmitam, para que nada fique esquecido.

Teremos é que aproveitar bem as férias e incluir nelas esta preocupação, pois o tempo passa e, depois, será tarde.

Um beijinho desta vossa amiga,

Japi 

PUBLICIDADE