Município de Portimão assinala 162º aniversário do nascimento de Manuel Teixeira Gomes

28 de maio e 3 de junho

Casa Manuel Teixeira Gomes

No próximo dia 27 de maio passam 162 anos sobre o nascimento de Manuel Teixeira Gomes, considerado o mais prestigiado portimonense, cujo aniversário vai ser assinalado por uma programação especial, que inclui um concerto com música ao gosto do homenageado, uma conferência–debate e a doação de um quadro que fez parte do espólio do escritor, diplomata e Presidente da República.

As comemorações decorrerão em dois momentos diferentes e arrancam no dia 28 de maio, a partir das 18h00, com a doação à Casa Manuel Teixeira Gomes do quadro “A Adoração dos Reis Magos” por parte de António Macieira Coelho, filho do professor Eduardo Coelho (1895-1974), que se correspondeu com Teixeira Gomes e de quem recebeu esta pintura, já no final da vida do escritor.

Seguir-se-á a apresentação do programa preliminar do futuro núcleo museológico da Casa Manuel Teixeira Gomes e o concerto “Teixeira Gomes – A música que lhe trazia paz”, a cargo da pianista Laura Quaresma e da violoncelista Bárbara Santos, que interpretarão obras de Marcello, Fauré, Rachmaninov, Glazunov, Saint-Saens, Mendelsshon, Bridge, Chopin e Bloch.

Este primeiro momento incluirá leituras de textos de Manuel Teixeira Gomes, a cargo de Júlio Ferreira, a que se seguirá uma degustação de produtos regionais.

O programa, da responsabilidade do Município de Portimão, encerrará a partir das 18h30 de 3 de junho, com a conferência-debate “Teixeira Gomes – A Guerra e a Paz”, a cargo do professor catedrático Nuno Severiano Teixeira, que irá abordar o relevante papel do então ministro plenipotenciário de Portugal em Londres aquando da entrada do país na 1ª Guerra Mundial (1914-1918), bem como enquanto chefe da delegação portuguesa nas complexas negociações que levaram aos acordos de paz, nas conferências internacionais de Spa, Londres, Génova e Genève, chegando a vice-presidente da assembleia-geral da Sociedade das Nações, antecessora da ONU.

Por caprichos do destino, os dois últimos anos de vida deste homem que abominava a guerra foram passados em plena 2ª Guerra Mundial, quando a vitória da Alemanha nazi parecia imparável, nomeadamente no Norte de África, onde acabou por falecer, em 1941.

Biografias

Boémio, negociante, melómano, viajante, escritor e diplomata, Manuel Teixeira Gomes, nascido em 1860, atravessou, como testemunha e protagonista, os grandes momentos da história portuguesa do início do século XX: o advento e a afirmação do regime republicano, a participação na 1ª Guerra Mundial, a ascensão e queda do sidonismo, as intricadas negociações do pós-guerra e a voragem política e social da I República.

Eleito Presidente da República a 6 de agosto de 1923, viria a demitir-se das suas funções a 11 de Dezembro de 1925, num contexto de enorme perturbação política e social. A sua vontade em dedicar-se exclusivamente à obra literária, foi a sua justificação oficial para a renúncia.

Entre a sua obra de fino recorte literário, destacam-se “Inventário de Junho” (1899), “Cartas sem Moral Nenhuma” (1904), “Agosto Azul” (1904), “Sabina Freire” (1905), “Desenhos e Anedotas de João de Deus” (1907), “Gente Singular” (1909), “Cartas a Columbano” (1932), “Novelas Eróticas” (1935), “Regressos” (1935), “Miscelânea” (1937), “Maria Adelaide” (1938) e “Carnaval Literário” (1938).

Nuno Severiano Teixeira é professor catedrático e vice-reitor da Universidade Nova de Lisboa. É diretor do Instituto Português de Relações Internacionais. Doutorado em História das Relações Internacionais pelo Instituto Universitário Europeu, Florença e agregado em Ciência Política e Relações Internacionais pela Universidade Nova de Lisboa.

Ministro da Administração Interna (2000/2002) e ministro da Defesa (2006/2009), tem obra publicada sobre história militar, história das relações internacionais, história da construção europeia e questões de política externa, segurança e defesa.

Laura Quaresma nasceu em 1996 e iniciou os estudos de piano aos seis anos no Conservatório de Música de Portimão Joly Braga Santos, com a professora Teresa Brandão, a sua única professora até à conclusão do 8º grau de piano, na Academia de Música de Lagos.

Prosseguiu os estudos com o pianista Álvaro Teixeira Lopes, tendo terminado a Licenciatura em Música (Performance de Piano) e o Mestrado em Ensino da Música, ambos pela Universidade de Aveiro. Frequentou diversos cursos de técnica e interpretação com pianistas como Olga Prats, Fausto Neves, António Rosado, Serghei Covalenko, entre outros, tendo participado em vários concursos nacionais e internacionais de piano e recebido diversas distinções.

Bárbara Santos iniciou os estudos na ARTAVE, com a professora Katerina Mikusova. Concluiu a Licenciatura em Violoncelo, com a professora Clélia Vital e o Mestrado em Ensino da Música, na Escola Superior de Música de Lisboa.

Em 2014 obteve o 2º Prémio Jovens Músicos em Música de Câmara, nível superior, com o Quarteto AllaBreve, e teve a oportunidade de frequentar masterclasses de violoncelo com Claudio Bohórquez, Tsuyoshi Tsutsumi, Marc Coppey, Daniel Grosgurin, Ferhan Grosgurin, Levon Mouradian, Irene Lima, Filipe Quaresma, Catherine Strynckx, Pietro Serafin, Márcio Carneiro, Stefn Popov, Jed Barahal, Roman Garioud, Paulo Gaio Lima e Jaroslav Mikus.

PUBLICIDADE