Diversidade Linguística no CHUA representada na Tertúlia “Línguas e Inclusão”

O Centro Hospitalar Universitário do Algarve participou, a convite da representação da UE em Lisboa, na tertúlia “Línguas e Inclusão” que deu o mote ao encerramento da Feira das Línguas que teve Lugar em Faro nos passados dias 24 e 25 de setembro.

O vogal Executivo Paulo Neves representou o CHUA, não só na qualidade de maior instituição empregadora da região, que integra nos seus quadros quase quatro centenas de profissionais de nacionalidade estrangeira, mas também pelo serviço que presta a utentes provenientes dos quatro cantos do mundo.

Na sua intervenção, Paulo Neves destacou a representatividade que os estrangeiros, turistas e residentes, têm no total dos atendimentos hospitalares, “16 % dos episódios de urgência no CHUA são utentes estrangeiros.  Representam quase 60 mil atendimentos anuais, só na urgência, a utentes de mais de 150 diferentes países, na sua multiculturalidade e mesmo opções religiosas que importa garantir respeito e atenção”.

Por esta razão, o CHUA tem vindo a apostar na criação de mecanismos que permitam ultrapassar as barreiras linguísticas que esta panóplia de nacionalidades por vezes levanta. “Neste sentido, criamos recentemente uma bolsa de tradutores internos, disponíveis 24h por dia, desenvolvemos parcerias com alguns consulados e com associações de residentes para a tradução de informação sobre os nossos serviços, que assim disponibilizamos aos utentes estrangeiros, e dispomos também da tradução telefónica através da plataforma do Alto Comissariado para as Migrações” destaca o CA do CHUA, que faz questão de reconhecer a boa vontade dos seus profissionais em minimizar quaisquer desafios, quer linguísticos quer culturais, com os quais se deparam no desempenho das suas funções “mostrando sempre disponibilidade para atender bem quem nos procura, tendo em conta o facto de o CHUA atender, em média, mil novos doentes/dia além dos mais de 1100 internados ao nosso cuidado e outros em consulta externa nas nossas unidades”.

Ficou ainda o compromisso de dar atenção à tradução para língua gestual e também a um maior cuidado com a terminologia de conceitos clínicos considerando que tamanha diversidade e números de países que acolhemos, também de profissionais que escolherão o CHUA para formação e cooperação, importe garantir melhor comunicação e redução de efeitos na relação com doentes, familiares, melhorando a humanização no atendimento.

Esta conversa, organizada pela Direção Geral da Tradução da Comissão Europeia e Representação da Comissão Europeia em Portugal, em colaboração com o Europe Direct Algarve, a Universidade do Algarve e o Município de Faro, entre outros parceiros, inseriu-se nas comemorações do Dia Europeu das Línguas, que se assinala a 26 de setembro. Moderada por Manuel Célio Conceição, docente da Universidade do Algarve, para além do vogal executivo do CHUA e Cônsul da República Checa, participaram ainda nesta tertúlia Ana Garrido, tradutora da Comissão Europeia, Paulo Correia, terminólogo, Ilda Cabeçadas, docente da Escola EB 2,3 de Vila do Bispo e Catarina Marques, docente de língua gestual portuguesa na Escola Secundária João de Deus, em Faro. O Dia Europeu das Línguas foi instituído no Ano Europeu das Línguas em 2001, por iniciativa conjunta do Conselho da Europa e da Comissão Europeia, com o objetivo de celebrar e preservar a diversidade linguística como uma riqueza do património comum da Europa.

PUBLICIDADE