Mais de 300 bombeiros do Algarve e Alentejo combatem violento incêndio florestal nos concelhos de Monchique e Portimão, onde já arderam 800 hectares de terreno e idosos tiveram de ser retirados de um lar

Até  um  avião   de   Castelo   Branco   teve  ser  mobilizado  para  este   teatro   das   operações   no   sul   do   país.   Alerta   para   o   fogo   foi     dado   pelas   13h26,  no   sítio   do   Tojeiro,  na   zona   de   Marmelete,  no   concelho    de   Monchique. “Estamos   sempre   com   o   coração   nas   mãos”,   desabafou,  ao   Litoralgarve,   a   presidente   da   Junta   de   Freguesia,    Marta   Martins.  

Mais de três centenas de bombeiros do Algarve e do Alentejo, com o apoio de um número superior a cem viaturas e nove meios aéreos, ligados à Proteção Civil, entre os quais de Monchique, Loulé, Ourique, Beja e Castelo Branco, estão envolvidos no combate a um violento incêndio florestal que deflagrou pouco depois das 13h00 no sítio do Tojeiro, zona de Marmelete, concelho de Monchique, estendendo-se já ao interior do de Portimão. E nesta altura, para reforço dos operacionais, seguem a caminho do Algarve corporações de bombeiros dos distritos de Lisboa, Setúbal e Portalegre.

A meio da tarde, estava pré-posicionado para o combate às chamas o helicóptero que se encontra estacionado na zona de Cachopo, no concelho de Tavira, habitualmente envolvido no reforço dos meios destacados para o Verão no Algarve.

“Isto   está    fora   de    controlo !”

“Isto está fora de controlo!” – gritou, ao Litoralgarve, um popular que se encontra no local, numa altura em que o imenso calor atinge uma  temperatura atmosférica de 27 graus centígrados e o vento sopra de noroeste a 30 kms / hora, existindo pouca humidade (34 por cento).

“Há   muito   calor   aqui  e   algum   vento”,   onde   “existe   muita   vegetação    dispersa”

No sítio do Tojeiro, onde o fogo começou, e cujo alerta foi dado pelas 13h26m, entre a zona de Marmelete e a estrada em direção ao Autódromo Internacional do Algarve, no concelho de Portimão, existem, nomeadamente, hortas e figueiras, entre outras espécies. “Há muito calor aqui e algum vento. Estamos sempre com o coração nas mãos nesta zona, onde existe muita vegetação dispersa. Neste momento, a situação está mais calma, já que o incêndio progrediu mais em direção ao autódromo situado no concelho de Portimão”, contou, ao Litoralgarve, a presidente da Junta de Freguesia de Marmelete, Marta Martins.

Onze   idosos   foram   levados   de   um   lar   no   sítio   da   Pereira para   o   pavilhão    Portimão   Arena

Por outro lado, ao que se sabe, 11 idosos tiveram de ser retirados, por medida de precaução, de um lar localizado na zona da Pereira, no interior do concelho de Portimão, e instalados, provisoriamente, no pavilhão multiusos municipal ‘Portimão Arena’, que, recorde-se, já serviu de apoio (e continua de prevenção) a Hospital de Campanha para doentes com Covid-19 de várias zonas do sul do país.

Ao mesmo tempo, foram evacuadas várias casas isoladas, tendo ardido anexos agrícolas, explorações de apicultura, carros e máquinas. Isto, numa altura em que, de acordo com a Proteção Civil, o incêndio já devastou uma área total de mais de 800 hectares.

Entretanto, militares da Guarda Nacional Republicana (GNR), que seguiam num jipe, conseguiram apagar o fogo que atingiu um armazém de material de apicultura, que mesmo  assim, ao que se sabe, sofreu prejuízos elevados.

(em atualização)

Paulo Silva

José Manuel Oliveira

PUBLICIDADE