Entrevista ao Ministro Ambiente na abertura oficial da época balnear, em Lagos: Na praia “estão previstas multas entre os 50 e os 100 euros, mas eu sinceramente espero que não seja passada nenhuma”

Depois  da  cerimónia,  na   praia     do    Porto  de   Mós,  do   hastear  da  bandeira   verde,  sinalizadora  do  estado  de   ocupação   do    areal   em   menos   de    metade   da    sua   capacidade   (novecentas pessoas  nesta  praia),  no    dia   da    abertura  oficial   da   época balnear,   coincidindo  com   o   feriado   de   03    de   Junho,   o    governante   lembrou,   em   declarações   ao   nosso   Jornal,    que   “as    entidades   fiscalizadoras,   no   ano   passado,    disseram-nos   que   às   vezes    um   «chegue-se   mais    para   ali»    não   é    suficiente”  para   garantir    distâncias.    Daí   as   sanções,    na   sequência   das    regras    impostas    pela    pandemia   da    Covid-19.  Em  tempo   de   Verão,   o  ministro   do   Ambiente,  João   Pedro   Matos    Fernandes,   recomendou    a    toda   a   gente     praia   e   banhos   para   bem   da    saúde,   mas   deixou   avisos.

Litoralgarve – O que vai mudar na nova época balnear, em 2021, que agora se iniciou?

Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes – O que mudou foi, sobretudo, em 2020, por causa do Covid. 2021 é quase, quase, quase igual a 2020. Deve ir-se à praia, o sol e o mar fazem bem a todos, e cumprindo as regras que estão estabelecidas não há nenhuma razão para achar que há algum risco para a nossa saúde vir à praia. É preciso que os tolmos e os toldos e os guarda-sóis estejam a três metros de distância uns dos outros. É preciso que a última toalha do meu grupo esteja a um metro e meio de distância do grupo ao lado. Obviamente na praia não se anda de máscara, só quem quiser. Só os vendedores ambulantes é que têm de andar de máscara. É preciso usar máscara nos espaços públicos, ou até chegar à praia; é preciso usar máscara quando se vai a um restaurante, ou a um café. Mas também no centro da cidade de Lagos, por exemplo, as regras são as mesmas. E por isso, cumprindo as regras, pode e deve vir-se à praia, e as bandeiras estão aí. A aplicação ‘Info Praia’ consegue informar-nos, logo a partir de casa, o que vamos encontrar, porque o acesso à praia é sempre livre, mas devemos sempre procurar praias que têm baixa ocupação.

“Nunca    me    passou    pela     cabeça    que   andar    na    praia,    estar    na    praia,    ou    ir   ao   mar,    obrigasse    a     usar    máscara  (…) Não,    não    é    de    todo    em    todo    obrigatório.”

Litoralgarve – E quem não cumprir as regras, estará sujeito a sanções. Quanto pagará de multa uma pessoa que, por exemplo, for a um restaurante sem máscara?

Ministro  do  Ambiente, João Pedro Matos Fernandes – Vamos lá ver: essas multas que estão previstas são menores até do que as que existem como regra geral. Eu quero acreditar que não vai haver necessidade de ser passada nenhuma multa. Mas as entidades fiscalizadoras, no ano passado, disseram-nos que às vezes um “chegue-se mais para ali” não é suficiente para que as pessoas se cheguem mais para ali. E por isso estão previstas multas entre os 50 e os 100 euros, mas eu sinceramente espero que não seja passada nenhuma.

Litoralgarve – Para ir ao banho é mesmo necessária a máscara? Há muita gente com essa ideia…

Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes – Com todo o respeito, não sei porque é que as pessoas ficam com essa ideia. Nunca me passou pela cabeça que andar na praia, estar na praia, ou ir ao mar, obrigasse a usar máscara. Isso nunca passou pela cabeça de ninguém. Não, não é de todo em todo obrigatório.

“Não    deixo    de    fazer     esse    apelo    para    que    as     pessoas     cumpram    as    regras”

Litoralgarve – Como perspetiva esta época balnear?

Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes – Fizemos um grande trabalho para que corra bem. Agora, vai muito do dever cívico do conjunto dos cidadãos. O que eu sei dizer é que, no ano passado, os portugueses e quem nos visita se comportaram exemplarmente. E por isso, tenho a certeza de que este ano vai decorrer da mesma forma. Mas não deixo de fazer esse apelo para que as pessoas cumpram as regras para garantir que se continue a poder ir à praia, com saúde e com bem-estar.

José Manuel Oliveira

PUBLICIDADE

Mais Artigos