Via Algarviana com mais arte no concelho de Lagos

Esta Grande Rota Pedestre da região do Algarve ficou mais enriquecida, com a instalação de seis novas obras elaboradas pelo artista Tolentino Abegoaria. As figuras etnográficas em monólitos/pedra mármore foram colocadas em três zonas distintas do território do concelho de Lagos, dando as boas-vindas aos caminhantes que escolhem visitar esta via.

A Via Algarviana é uma Grande Rota Pedestre (GR13) que liga Alcoutim ao Cabo de S. Vicente, com uma extensão de 300km, na sua maioria instalados na Serra Algarvia. Atualmente, atravessa 11 municípios (Alcoutim, Aljezur, Castro Marim, Tavira, S. Brás de Alportel, Loulé, Silves, Monchique, Lagos, Portimão e  Vila do Bispo) e cerca de 21 freguesias. No caso de Lagos, atravessa o seu território nos setores 12 (Marmelete/Monchique a Bensafrim/Lagos – 30 Km) e 13 (Bensafrim/Lagos até Vila do Bispo – 30,1 km), dispondo também de um percurso de ligação à estação da CP de Lagos (com 10,1 km de extensão) e de uma pequena rota pedestre complementar (o percurso “Pedra do Galo”, com 6,1 km, localizado na Mata de Barão de São João).

De forma a valorizar esta importante via, mas também as tradições e etnografia da região, o município de Lagos apostou na instalação de novas obras que embelezam a área e fascinam quem por aí passa na sua caminhada. As figuras foram concebidas e elaboradas pelo artista lacobrigense Tolentino Abegoaria, através de gravação em máquina de alta rotação (abrasão) em monólitos/pedra mármore, e colocadas em três áreas da passagem da Via Algarviana em Lagos: Vale do Lobo (Monchique-Corsino/Bensafrim), Azoia/Maranhão (Bensafrim Barão de São João) e zona norte da Mata de Barão de São João (Vinha Velha)/Barão de S. Miguel (Vila do Bispo).

As seis obras, divididas em três conjuntos, fazem referência a realidades locais, algumas ainda existentes no Algarve, como é o caso do pastor de rebanho de caprinos e cão pastor e a cabra algarvia (em vias de extinção), a mulher algarvia típica fazendo alcofas de “empreita”, o homem na faina da extração de cortiça, a mulher em traje regional típico do Algarve com cesta de cana com figos e o Almocreve (homens que faziam o transporte e venda de bens e artigos alimentares).

Estas novas figuras vêm agora valorizar ainda mais o nosso património e permitir uma abordagem interpretativa da beleza e arte da região, servindo também de testemunho da história, tradições e saberes do Algarve. A par de outros percursos pedestres na área da Mata Nacional de Barão de São João, como o Passeio das Figuras, Passeio A-Ver-O-Mar e o Passeio dos Poetas, vêm também reforçar a estratégia de ligar harmoniosamente arte e caminhadas numa oferta única na região.

PUBLICIDADE

Mais Artigos