BEZARANHA chega ao Algarve para apoiar a cultura

“Há ventos que vêm por bem” é o mote para uma BEZARANHA, que vai invadir o Algarve nos próximos meses. A partir de 18 de abril e até ao final do ano, mais de 200 iniciativas culturais vão animar a região, com mais de 30 itinerâncias previstas entre municípios.

A programação abrange um conjunto de iniciativas e eventos culturais que vão chegar a todos os concelhos algarvios, contribuindo, desta forma, para apoiar os artistas locais de cada município. Prevê-se que o projeto vá apoiar cerca de 700 artistas e outros profissionais ligados à área da cultura.

É a primeira vez que um modelo de programação cultural em rede junta a Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL), os 16 municípios e a Direção Regional de Cultura para concretizar um projeto conjunto na área da cultura. O projeto Algarve-Programação Cultural em Rede (agora BEZARANHA) foi ontem apresentado. (Bezaranha é uma expressão popular que significa vendaval, ventania, rajada de vento e é exatamente isto que se pretende com este projeto: uma ventania cultural que possa trazer algum ânimo ao sector cultural da região).

António Pina, Presidente da AMAL, começou a sessão de apresentação a brincar com a originalidade do nome do projeto, referindo-se depois à sua importância no contexto actual: “em primeiro lugar porque é urgente apoiar o sector da cultura e depois pela importância de termos, pela primeira vez, uma rede com toda esta abrangência. São 18 parceiros que conseguiram pôr de pé uma programação que vai atravessar todos os municípios do Algarve. E isso é um passo muito importante”. Agradecendo o apoio dos colegas autarcas, da Direção Regional de Cultura e da CCDR Algarve, António Pina deixou um desafio a José Apolinário, para que “esta seja apenas uma primeira candidatura. E que deixe marcas! Desejamos que o próximo Programa Operacional traga mais dinheiro para podermos apoiar o sector cultural da nossa região”.

Já a Diretora Regional de Cultura do Algarve defendeu que esta candidatura se reveste de grande importância para a região e para o sector cultural. Adriana Nogueira realçou o facto de que o aliar o acolhimento de iniciativas aos monumentos do Algarve, que têm tido grande procura, “pode também ajudar na dinamização de iniciativas culturais que aí possam acontecer. Tenho a certeza de que este será um projeto desafiante e que possa trazer muita Bezaranha à região”.

Pedro Bartilloti, Coordenador Cultural deste projeto, apresentou os pilares em que assentou a construção da programação: apoiar os artistas locais; potenciar o Património Natural e edificado (monumentos, locais históricos e emblemáticos) da região; realizar pelo menos 60% dos eventos ao ar livre e realizar itinerâncias entre Municípios. Destacou ainda alguns eventos agendados em cada município do Algarve, sublinhando a diversidade de áreas artísticas abarcadas, da música ao teatro, da dança às artes de rua, do cinema às artes visuais.

Coube a José Apolinário, Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve e Gestor do PO CRESC 2020, encerrar a sessão, momento em que realçou “o caracter pioneiro desta iniciativa, tanto pelo trabalho em prol do desenvolvimento regional como pelo uso dos fundos comunitários. É verdade que esta tem sido uma postura constante dos municípios, mas ganha projecção quando falamos de uma posição conjunta”.

“Os ventos que vêm por bem” chegam ao Algarve já este domingo, 18 de abril, com o teatro musical “Uma viagem musical”, no Município de Portimão, um espetáculo que passará na página de Facebook da BEZARANHA. Aliás, todas as “rajadas de vento” podem ser acompanhada nas redes sociais do projeto e em www.bezaranha.pt.

A partir de 18 de abril e até dezembro, é sentir esta ventania nas ruas, nos monumentos e nas salas de espetáculo de todo o Algarve!

O projeto Algarve – Programação Cultural em Rede resulta de uma candidatura que a AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve submeteu, no âmbito do Programa Operacional Regional do Algarve (CRESC Algarve 2020), aprovada a 30 de dezembro de 2020. O investimento total do projeto é de 800 mil euros, financiado pelo PO CRESC ALGARVE 2020 e pelo FEDER- Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

PUBLICIDADE