Autárquicas 2021 -O partido CHEGA quer eleger “um, dois ou mais vereadores” para a Câmara Municipal de Lagos

Ao  candidato  do  Chega  à presidência do  executivo  camarário lacobrigense, “vamos exigir dinâmica, respeito, essencialmente muito respeito uns pelos outros. Não vamos trabalhar em terra queimada”, avisou Arlindo Fernandes, em declarações ao nosso Jornal, no final da Assembleia Distrital do partido, que teve lugar no sábado, 13/03/2021, na zona do Carvoeiro, no concelho de Lagoa, onde assistiu à tomada de tomada de posse dos novos dirigentes da Comissão Política da Distrital de Faro. E deixou-nos algumas pistas para a campanha eleitoral, nomeadamente as bandeiras do Chega para conquistar o poder em Lagos.

Litoralgarve – Anunciou, recentemente, que assumiu a Presidência da Concelhia de Lagos do partido CHEGA. Como decorreu esse processo? Houve eleições?

Arlindo Fernandes – Na última Convenção foi determinado que um presidente da concelhia era nomeado pela Comissão Política Distrital. E depois organizavam a sua estrutura local com cinco ou sete elementos. No próximo congresso, poderão ser alterados, eventualmente, os estatutos. Vou ficar [como presidente] até à alteração dos próximos estatutos.

Litoralgarve – Nessa condição, como vai conduzir o processo da candidatura à Câmara Municipal de Lagos, com vista às eleições autárquicas que terão lugar em Setembro ou Outubro de 2021? O que há-de concreto?

Arlindo Fernandes – Nós temos dois ou três candidatos, que estamos a analisar. A concelhia tomou posse há três ou quatro dias. Com base nessa situação, vamos ter de reunir e na próxima semana, em princípio, já podemos divulgar quem será o nosso candidato.

Litoralgarve – Entre alguns nomes, fala-se em Carlos Tendeiro [guarda-noturno em Lagos, advogado estagiário e presidente da Assembleia Distrital do Chega, no Algarve) e no empresário João Barroso…

Arlindo Fernandes – Falou-se em muitos nomes. Barroso está fora de hipótese. Entre todos os nomes que se falam por aí, o único que poderá ter, eventualmente, algum potencial será o Carlos Tendeiro.

“Admito  encabeçar  a  lista  da  Assembleia   Municipal   de   Lagos”

Litoralgarve – E o senhor,  após  se  ter  auto-excluído  de  ser  o candidato  à   Câmara, admite encabeçar a lista para a Assembleia Municipal de Lagos, como já se falou?

Arlindo Fernandes – Em princípio, sim. A Assembleia Municipal é um órgão totalmente diferente. Mas admito encabeçar a lista da Assembleia Municipal de Lagos.

Litoralgarve – E quanto aos candidatos do CHEGA  às juntas de freguesia?

Arlindo Fernandes  – Vamos concorrer a todas as freguesias. Já estão indigitados os candidatos em Odiáxere e na Luz. Em princípio, já há duas pessoas que vão encabeçar as listas a essas freguesias do concelho.

Litoralgarve – Qual é o objetivo do partido em Lagos?

Arlindo Fernandes – O objetivo do Chega é tomar posição e eleger pessoas em todos os órgãos autárquicos: na Câmara, na Assembleia Municipal e Juntas de Freguesia.

Litoralgarve – Tirar a maioria absoluta ao Partido Socialista?

Arlindo Fernandes (lacónico) – Todos os partidos quando concorrem, vão para ganhar.

Litoralgarve – E o Chega pensa em ganhar a Câmara Municipal de Lagos?

Arlindo Fernandes – Depende, depende… Depende do candidato, depende do programa depois de ser apresentado, que já o temos elaborado praticamente. Dependerá de vários fatores, do que se passar de agora para diante.

Litoralgarve – O que é que o Chega vai mudar em Lagos? Qual é a grande bandeira do partido nestas eleições autárquicas?

Arlindo Fernandes – Conheço bem os problemas da cidade, desde há muitos anos. E há duas ou três bandeiras, que oportunamente serão divulgadas, em vez de estar a apresentá-las, aqui, a avulso.

Passar   a   estação   do   caminho  de   ferro   para Odiáxere,   de   forma   a   “desanuviar   um    pouco”   a   zona   da   Meia-Praia,  “é  uma   das bandeiras  que   o    nosso   partido  defende”

Litoralgarve – Mas serão bandeiras em termos orgânicos da Câmara, da própria cidade?

Arlindo Fernandes – É a orgânica, é a limpeza, é o [novo] Hospital de Lagos, é a linha do caminho de ferro. É uma série de coisas…

Litoralgarve – O que defende em relação ao caminho de ferro?

Arlindo Fernandes  – Quando digo o caminho de ferro, em princípio é que, para desanuviar um pouco a Meia-Praia, é necessário pedir a suspensão da linha até Odiáxere. Isto, para que a Meia-Praia pudesse ficar mais libertada. Desse modo, a estação ficaria instalada em Odiáxere, ou em Vale da Lama, que também se situa na zona de Odiáxere. Essa é uma das bandeiras que o partido defende.

Litoralgarve – E acha que isso é exequível?

Arlindo Fernandes – Exequível é. E além disso, se houver boa vontade política dos partidos concorrentes às eleições, é possível. O PS, neste momento, tem a maioria absoluta na Câmara Municipal de Lagos, o Governo é PS, portanto há determinadas coisas que nós podemos fazer se houver boa vontade. E acima dos interesses do partido e das ideologias políticas, estão os interesses da terra onde a gente vive. Portanto, eu acho que são bandeiras lógicas, que mesmo o atual presidente da Câmara deve concordar com elas. É mais uma parte a reforçar essa situação.

“Vamos  com  listas  próprias”  e  “em  princípio”   não  haverá  acordos  com  outros   partidos,  em   Lagos,  depois  das   eleições   autárquicas  

Litoralgarve – Depois das eleições autárquicas, admite acordos com outros partidos, em Lagos?

Arlindo Fernandes – Em princípio, não. Estamos sozinhos, somos nós, queremos saber quem somos, quem é que está connosco e vamos representar a nossa tese política, a nossa posição. Vamos com listas próprias.

Litoralgarve – Pensa mesmo em eleger representantes em todos os órgãos autárquicos?

Arlindo Fernandes (sem hesitação) –  Eleger representantes nas juntas de freguesia, na Assembleia Municipal de Lagos e, inclusivamente, na Câmara.

Litoralgarve – Pelo menos, um vereador, é  isso?

Arlindo Fernandes  (de pronto) –  Um, dois, ou mais vereadores. Depende, também, da postura do nosso candidato, depende de quem é quem.

Litoralgarve – E como presidente da concelhia de Lagos do Chega, o que vai exigir ao candidato que encabeçar a lista do partido à Câmara Municipal de Lagos?

Arlindo Fernandes – Vamos exigir dinâmica, respeito, essencialmente muito respeito uns pelos outros. Não vamos trabalhar em terra queimada.  Na nossa candidatura, defendemos a nossa tese e as nossas próprias bandeiras.

José Manuel Oliveira

PUBLICIDADE