HÁ 14 PROFISSIONAIS DE SAÚDE NO ALGARVE INFETADOS COM COVID-19

A pandemia atingiu profissionais de saúde nos hospitais de Faro e de Portimão e numa unidade privada, afirmou em conferência de imprensa o presidente do Conselho Diretivo da Administração Regional de Saúde do Algarve, Paulo Morgado. “Não houve nenhum serviço  a encerrar  e continuam a funcionar de forma normal”, garantiu.

Existem 14 profissionais de saúde infetados com Covid-19 nos hospitais de Faro, de Portimão e numa unidade privada do Algarve. A revelação foi feita pelo presidente do Conselho Diretivo da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve, Paulo Morgado, na quinta-feira, dia 01 de Outubro de 2020, durante uma conferência de imprensa nas instalações da Comissão Distrital de Proteção Civil, em Loulé, esclarecendo que o “maior surto” é no Hospital de Faro, com sete infetados.

33   PROFISSIONAIS    DE   SAÚDE   EM   ISOLAMENTO   PROFILÁTICO

Por outro lado, mais 33 profissionais de saúde estão “em isolamento profilático”, adiantou aquele responsável da ARS / Algarve, sublinhando que, “no entanto, não houve nenhum serviço  a encerrar e continuam a funcionar de forma normal, quer em Faro, como em Portimão”.

“O surto no Hospital de Faro está relacionado com o Hospital de Beja, uma vez que há um profissional infetado que trabalha nas duas unidades”, explicou Paulo Morgado, acrescentando que as autoridades de saúde regionais acompanham “com atenção” a situação, a qual “parece estar controlada”.

NOVO    EQUIPAMENTO    NO    LABORATÓRIO    REGIONAL  LAURA   AYRES  VAI    PERMITIR    MAIS    DE    CEM   TESTES    POR   DIA   NO    ALGARVE

De acordo com o presidente do Conselho Diretivo  da ARS / Algarve, no Laboratório Regional de Saúde Pública Dra. Laura Ayres, situado no Parque das Cidades, na zona de Almancil, no concelho de Loulé, irá decorrer “a instalação de um novo equipamento que nos vai permitir aumentar consideravelmente a nossa capacidade de testagem e ultrapassar a barreira dos cem testes por dia a partir da próxima semana”.  Isto, numa altura em que, como observou Paulo Morgado, “estamos numa nova fase da pandemia” da Covid-19, “quer no Algarve, quer em todo o país, quer em toda a Europa”, destacando a coordenação das autoridades de saúde com as autarquias e a Proteção Civil. “Só com esta excelente coordenação evitaremos males maiores”, salientou o presidente do Conselho Diretivo da Administração Regional de Saúde do Algarve.

Já no tocante à vacinação contra a gripe, iniciada em Portugal no dia 28 de Setembro de 2020, a anteceder o período de Outono/Inverno, Paulo Morgado referiu que, numa primeira fase, é dirigida aos profissionais de saúde e residentes nos lares de idosos e na Rede de Cuidados Integrados”.

DETETADOS   60   CASOS   DE   COVID-19    NA    COMUNIDADE     DE    ETNIA    CIGANA,  COM   MAIOR   INCIDÊNCIA    NOS    CONCELHOS     DE     PORTIMÃO     E     ALBUFEIRA,   REVELA   A    DELEGADA    DE    SAÚDE    REGIONAL,   ANA   CRISTINA  GUERREIRO

Nesta conferência de imprensa, que se prolongou por mais de meia-hora, a Delegada de Saúde Regional, Ana Cristina Guerreiro, manifestou a sua preocupação com o surto de Covid-19 que surgiu na comunidade de etnia cigana em várias zonas do Algarve, embora registando maior incidência nos concelhos de Portimão e Albufeira. O surto que “mais preocupa” as autoridades de saúde é o que está relacionado com 60 casos detetados na comunidade cigana, contabilizados até às 23:59 horas, de 30 de Setembro de 2020. “Estamos a fazer muitos testes, muitas centenas de testes, para conseguir tomar as nossas decisões e as medidas mais corretas, que começam sempre pelo isolamento profilático, e já temos bastantes cidadãos destes grupos da comunidade cigana em isolamento profilático”, contou a Delegada de Saúde Regional do Algarve. E admitiu que, embora “mais concentrado” em Portimão e em Albufeira, o surto poderá “abranger outros municípios em breve”. A linha de investigação das autoridades de saúde aponta para que o contágio se tenha espalhado através de um pastor  que efetuou várias celebrações religiosas nesta região.

SURTOS    EM   TRÊS    LARES    DE    IDOSOS    EM    OLHÃO,   TAVIRA    E    QUARTEIRA    CONTAGIARAM    15    RESIDENTES    E    CINCO  TRABALHADORES

Por outro lado, quatro dos 16 doentes com Covid-19, internados nos hospitais do Algarve, estão relacionados com surtos em três lares de idosos, em Olhão, Tavira e Quarteira, segundo aquela responsável. No caso de Olhão e de Quarteira, há “um doente infetado” em cada um dos lares, estando as duas pessoas internadas no Hospital de Faro, esclareceu Ana Cristina Guerreiro. Já os funcionários infetados “estão em isolamento profilático”, assim como os “contactos de risco”. Como tal, acrescentou, estas instituições encontram-se “livres de Covid”.

Em relação a Tavira, os testes efetuados indicaram “cinco funcionários infetados e 15 residentes positivos”. Os trabalhadores  contaminados pelo novo coronavírus “estão isolados” em casa e dois utentes encontram-se no Hospital de Faro”. Os restantes permanecem na instituição.  

O lar continua em funcionamento, tendo o espaço sido organizado de acordo com “as boas práticas” de segurança, seguindo as regras da Direção-Geral da Saúde. “Neste caso é um lar com uma estrutura de grandes dimensões, que preparou o plano de contingência e não há qualquer comunicação entre os casos positivos e negativos e quem para eles trabalha. Há um circuito Covid e outro não Covid e são utilizados todos os equipamentos de proteção individual, conforme as indicações da Direção-Geral da Saúde. Estamos confiantes na evolução da situação”, salientou a Delegada de Saúde Regional do Algarve, Ana Cristina Guerreiro.

ESTÃO    INFETADOS    ONZE   ALUNOS    E    SEIS   FUNCIONÁRIOS    DE    VÁRIOS   ESTABELECIMENTOS    DE    ENSINO    NESTA   REGIÃO    

Duas semanas após o início do novo ano letivo, “11 alunos e seis funcionários em todos os níveis de ensino” estão infetados, disse aquela responsável, frisando que os contágios aconteceram em “contextos familiares, na vida pessoal”. Ao serem detetados, obrigaram a acionar as indicações da Direção-Geral da Saúde, colocando “as turmas em casa”. Os estabelecimentos onde se registaram esses casos são os seguintes: creche e jardim-de-infância Borboleta, em Vila Real de Santo António; uma Escola Secundária em Vila Real de Santo António, cujo nome não foi revelado; uma Escola Básica de 2º. e 3º. Ciclos de Castro Marim; Escola Profissional de Alte, situada no concelho de Loulé; creche e jardim-de-infância da Cruz Vermelha Portuguesa de Moncarapacho, no concelho de Olhão; Escola Básica de 2º. e 3º. Ciclos Dom Afonso III, em Faro; Escola Secundária  Pinheiro e Rosa, em Faro; creche e jardim-de-infância da Alameda, em Faro; uma Escola Secundária, em Portimão; e Escola Básica dos 2º. e 3º. Ciclos  Dom Martinho de Castelo Branco, também nesta cidade do barlavento algarvio.

 “TEMOS    DE   TOMAR    ATITUDES    DE    PRECAUÇÃO    E   NÃO   BAIXAR   A   GUARDA”,    AVISA    O   SECRETÁRIO   DE   ESTADO   JORGE   BOTELHO,   NOVO   COORDENADOR   NO   ALGARVE   DA   EXECUÇÃO   DO    ESTADO   DE   CONTINGÊNCIA

Esta conferência de imprensa contou com a presença de Jorge Botelho, ex-presidente da Câmara Municipal de Tavira e agora  secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local, tendo sido nomeado recentemente pelo primeiro-ministro, António Costa, também Coordenador na Região do Algarve da Execução da Declaração de Situação de Estado de Contingência, ao substituir no cargo José Apolinário, que se candidatou à presidência da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve.

“Há várias realidades espalhadas pela região”, notou Jorge Botelho, ao referir-se a “alguns focos” de contaminação  existentes. E deixou um aviso: “Temos de tomar atitudes de precaução e não baixar a guarda”.

“OS   ALUNOS  TÊM    DE   SE    LEMBRAR    DA   SAÚDE    DOS    SEUS   AVÓS”,   APELA    O   AUTARCA   PINA,   PRESIDENTE   DA   COMISSÃO   DISTRITAL   DE   PROTEÇÃO   CIVIL    DE   FARO

Já o autarca de Olhão António Miguel Pina, presidente da Comissão Distrital de Proteção Civil de Faro e da AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve, depois de lembrar que muitos casos de Covid-19 surgem na sequência de “comportamentos sociais” e o aumento até “já era expectável”, deixou um apelo aos estudantes, na abertura do novo escolar: “os alunos têm de se lembrar  da saúde dos seus avós”. E a terminar, voltou  a insistir: “Cuidem da saúde dos seus avós”.

José Manuel Oliveira   

PUBLICIDADE