Entrevistas

ENTREVISTA A FRANCISCO AMARAL, PRESIDENTE DA CâMARA MUNICIPAL DE CASTRO MARIM: “NÓS AQUI FOMOS UMA DESGRAÇA. AINDA HOJE QUALQUER PESSOA ENTRA NO AEROPORTO DE FARO, OU NO DE LISBOA, SEM O MÍNIMO DE CONTROLO. A MEDIÇÃO DA TEMPERATURA É UMA FANTOCHADA”

Sem papas na língua, como é seu timbre, o médico e presidente da  Câmara  Municipal  de  Castro  Marim,  Francisco  Amaral,  em  entrevista  ao  Litoralgarve, diz  o  que  está  mal  na  prevenção ao novo  coronavírus  e  antevê  “o  descalabro  e  o  caos  absoluto”  durante  os  meses  de  Julho  e  Agosto,  no  Algarve,  com  a   entrada  de  turistas  sem  testes  negativos   à  Covid-19.   Lembra  que “o desemprego  subiu  em flecha”   no  seu  concelho,  enquanto esteve encerrada a fronteira  com  Espanha, e admite  que  a retoma  da economia  “vá ser  muito  lenta”.

Litoralgarve – Que repercussão teve para o concelho de Castro Marim o encerramento da fronteira do Guadiana, desde 16/03/2020 até 30/06/2020, devido à pandemia da Covid-19? Quais os prejuízos económicos? E quanto poderá ter perdido o Algarve em termos gerais?

Francisco Amaral – O encerramento da fronteira foi terrível para a economia de Castro Marim, do sotavento e do Algarve em geral.  O comércio e a restauração, tal como a hotelaria, viviam muito do público espanhol, que com o encerramento da fronteira desapareceu. Alguns destes setores fecharam a porta e não sei se irão reabrir. O desemprego subiu em flecha. E o tal contributo da receita do turismo algarvio para o PIB nacional também terá descido em flecha.

Litoralgarve –  O que espera, a partir de agora, com a reabertura da fronteira no dia 01/07/2020?

Francisco Amaral – Espera-se que a retoma da economia surja, embora vá ser muito lenta dado ainda o grande medo que esta situação pandémica suscita nas pessoas, seja português ou estrangeiro.

“O   VERÃO   EM   TERMOS   DE   GRANDES  EVENTOS,  TANTO   EM   CASTRO  MARIM,  COMO   NO   ALGARVE   EM  GERAL,  IRÁ  SER  ISENTO   DE   GRANDES  FESTIVAIS”…  “DAÍ,  EU  ESTRANHAR,  POR   EXEMPLO,  AINDA  NÃO  TER    SIDO   ANULADA   A   ORGANIZAÇÃO    DA  FESTA   DO   AVANTE “

Litoralgarve  – Como vai ser o Verão no concelho de Castro Marim, em termos de eventos e animação?  E o que é que a Covid-19 impede de se realizar, em 2020?

Francisco Amaral – O verão em termos de eventos, tanto em Castro Marim, como no Algarve em geral, irá ser isento de grandes festivais, grandes espetáculos, grandes festas., porque todo o cuidado é pouco. Desde o princípio da pandemia, assumimos logo que não iria haver o Festival do Caracol, nem arraiais dos Santos Populares, nem os tradicionais bailes e nem os Dias Medievais que, como qualquer grande evento, têm que ser preparados com largos meses de antecedência. Daí eu estranhar, por exemplo, ainda não ter sido anulada a organização da “Festa do Avante”.

Daí todo o cuidado ser pouco. É preferível pecar por excesso de zelo do que por defeito, porque uma pandemia com estas características não é nenhuma brincadeira.   Por exemplo, o mercado mensal de Castro Marim será retomado, mas no Campo de Futebol, com todos os cuidados, e só quando a situação sanitária for mais favorável.

ATERRAR  NO   AEROPORTO   DE   FARO  COM   TESTE   NEGATIVO   COVID-19   NAS   ÚLTIMAS   72  HORAS,  “OU  FÁ-LO-IAM   À  ENTRADA  EM  PORTUGAL.  DE  OUTRO  MODO,   PODERÁ    SER   NO  ALGARVE,  EM  JULHO  E   AGOSTO,   O  DESCALABRO  E  O  CAOS  ABSOLUTO”

Litoralgarve – Autarcas e responsáveis de várias instituições do Algarve receiam que, com o Verão, o período de férias para muita gente e a reabertura das fronteiras, aérea, terrestre e marítima, aumente o número de casos de infeção na região.  Qual é a sua perspetiva? Há mesmo esse perigo?  Basta medir a temperatura às pessoas que chegam ao aeroporto de Faro?

Francisco Amaral – Os países que melhor enfrentaram esta pandemia foram os que mais cedo encerraram as fronteiras e que iniciaram a obrigatoriedade de utilização das máscaras também mais cedo.

Nós aqui fomos uma desgraça. Ainda hoje qualquer pessoa entra no Aeroporto de Faro, ou no de Lisboa, sem o mínimo de controlo. A medição da temperatura é uma fantochada. O uso de máscara inicialmente até foi contraindicado pela Direção-Geral da Saúde. Aqui já se pode ver bem a inconsciência destes responsáveis.

Litoralgarve – E  o que deve  ser feito?

Francisco Amaral – Daí eu defender há muito que quando aterrassem nos nossos aeroportos, nomeadamente no de Faro, teriam que ter o teste Covid-19 negativo nas últimas 72 horas, ou fá-lo-iam à entrada em Portugal. De outro modo, poderá ser no Algarve, em julho e agosto, o descalabro e o caos absoluto.

“MAIS  UMA  TERRÍVEL  MACHADADA   NA  ECONOMIA  DA  REGIÃO”  COM  A  DECISÃO  DO  GOVERNO  BRITÂNICO  AO  EXCLUIR  PORTUGAL  CONTINENTAL  DOS  DESTINOS  TURÍSTICOS  SEGUROS, DEVIDO  À  PANDEMIA

Imagem de Arquivo

Litoralgarve  – O que poderá acontecer ao Algarve com a decisão do governo do Reino Unido ao  excluir  Portugal  dos  corredores  de viagens  internacionais,  devido à Covid-19?  Quais os reflexos   pela  falta  de  turistas  britânicos?

Francisco Amaral – Poderá ser mais uma terrível machadada na economia da região. Não nos podemos esquecer que é um dos nossos principais públicos. Falamos de mais de 2 milhões por ano.

Litoralgarve – A vinda de turistas espanhóis, a partir de agora, poderá de alguma forma resolver a quebra do mercado britânico no Algarve?

Francisco Amaral – São públicos distintos, com hábitos distintos. A restauração será muito favorecida pelo público espanhol, já a hotelaria será mais beneficiada pelo cliente inglês.

Litoralgarve – E como perspetiva o mercado nacional?

Francisco Amaral – Ainda é o que assegura algum rendimento à economia da região, que depende acima de tudo da monocultura do turismo. O mercado nacional, que não se tem deslocado para outros destinos mundiais devido à situação pandémica, tem-se direcionado muito para o Algarve e, de algum modo, redescoberto este destino.

MULTAS  PARA  OS  INFRATORES  DAS  REGRAS  DE  SEGURANÇA NA  COVID-19?   “CLARO,  HÁ  QUEM  NÃO  ENTENDA  OUTRA   LINGUAGEM,  NOMEADAMENTE   ALGUNS    IRRESPONSÁVEIS,  ATÉ  DEBAIXO  DE  ALGUM  ETILISMO”

Município de Castro Marim

Litoralgarve  – Concorda com a aplicação  de multas a quem não cumprir as regras de segurança  no  âmbito  da  Covid-19?

Francisco Amaral – Claro, há quem não entenda outra linguagem, nomeadamente alguns jovens inconscientes e irresponsáveis, até debaixo de algum etilismo agudo.

Litoralgarve – Verão, noites quentes, tudo isso é propício a festas, ajuntamentos e folia. Como controlar esse tipo de situações?

Francisco Amaral – Só com muita informação e muito policiamento nas ruas, de outro modo será o descontrolo da situação.

Litoralgarve  – Receia que, com o eventual agravamento da situação pandémica, possa haver necessidade de voltar ao estado de calamidade e consequente período de quarentena?

Francisco Amaral – Seria terrível para as famílias e para a economia do país, mas se tiver que ser… primeiro estará a saúde e a vida das pessoas.

“NO  INVERNO,  ENTÃO  PREVEJO  O  AUMENTO  DO  MEDO  E   DO  PÂNICO.   IRÃO  SURGIR  MUITOS  SINTOMAS  FEBRIS,  QUE  IRÃO   SER   ASSOCIADOS  À  COVID-19”

Litoralgarve  – Os hospitais e centros de saúde do Algarve estão mesmo preparados para enfrentar a Covid-19?

Francisco Amaral – A população do Algarve no verão triplica. Admito que este ano tal pode não acontecer, mas os serviços de saúde geralmente não estão preparados para tão grande afluxo de pessoas neste destino. Com a Covid-19 em pleno, a situação poderá agravar-se e outras patologias são secundarizadas, como já acontece neste momento.

Litoralgarve – E no Inverno, como irá ser, com a Covid-19 e as gripes que normalmente surgem nesta altura do ano?

Francisco Amaral – No inverno, então prevejo o aumento do medo e do pânico. Irão surgir muitos sintomas febris, que irão ser associados à Covid-19. E até ao despiste perdurará a incerteza e a desconfiança. Vamos ter mesmo que aprender a viver com este vírus que até ao momento é desconhecido.

Autor: José  Manuel  Oliveira

Deixe uma resposta