Sociedade

COVID-19 – HÁ 350 PESSOAS RECUPERADAS NO ALGARVE E HOSPITAIS PÚBLICOS CONTINUAM SEM DOENTES NOS CUIDADOS INTENSIVOS

Situação epidemiológica na região algarvia revela a existência de 209  casos ativos e 793 em vigilância. Já o número de testes realizados corresponde a cerca de 8,4 por cento da população residente.

Existem 209 casos ativos de Covid-19 no Algarve, 350 doentes recuperados e 793 “em vigilância ativa” por parte das autoridades de saúde. Estas são algumas das informações mais recentes sobre a situação epidemiológica na região, de acordo com dados fornecidos pela Autoridade de Saúde Regional e atualizados às 00:00 horas, de 26 de Junho de 2020.

O documento a que o Litoralgarve teve acesso, indica, também, 05 internados em hospitais públicos, mas nenhum deles em Unidades de Cuidados Intensivos, o que sucede pela quarta semana consecutiva. Há 576 casos confirmados em números acumulados, desde o início da pandemia, e 36.997 que não se confirmaram. O total de altas (valor cumulativo) é 73.  A Autoridade de Saúde Regional continua a apontar 17 óbitos no Algarve.

MAIS  74  CASOS  ATIVOS  E  MAIS  448  PESSOAS  SOB  VIGILÂNCIA   DAS  AUTORIDADES  DE   SAÚDE, DO QUE HÁ  UMA  SEMANA

Em comparação com a semana passada (19/06/2020), registaram-se mais 74 casos ativos, além de um aumento de 94 casos confirmados e de 4.066 “casos infirmados (cumulativo)”, desde o início da pandemia na região algarvia, ou seja, que não se confirmaram. Houve menos 04 altas e está menos um doente internado. Já relativamente a pessoas sob vigilância das autoridades de saúde, agora são mais 448, enquanto que o número  de casos de recuperação teve um acréscimo de 20 pessoas.

O total de recuperados corresponde a 60,8 por cento, tendo-se verificado a este nível menos 7,7 por cento em relação à semana anterior.

“O número de testes realizados corresponde a cerca  de 8,4 por cento da população residente no Algarve”, refere, neste relatório, a Autoridade de Saúde Regional. Tal situação significa um aumento de 0,9 por cento.

ACIONADAS TRÊS  ZONAS  DE  APOIO  À  POPULAÇÃO, EM  PORTIMÃO,  ALBUFEIRA  E  TAVIRA, PARA   QUARENTENA / ISOLAMENTO  PROFILÁTICO

Por outro lado, existem 55 estruturas (menos uma do que há uma semana) que funcionam como Zonas de Apoio à População (ZAP), validadas pelas autoridades de saúde nos 16 concelhos do Algarve, com um total de 3.076 camas (menos 46 em comparação com a semana anterior), destinadas a isolamento profilático, quarentena e reserva social, neste caso para apoio a lares de idosos. Nesta altura, estão acionadas três Zonas de Apoio à População, nos concelhos de Portimão, Tavira e Albufeira, para quarentena/isolamento profilático. O relatório da Comissão Distrital de Proteção Civil, de Faro, indica que foi acionada no dia 15 de Junho uma Zona de Apoio à População em Loulé, a qual acabou por ser desativada na mesma data e que se destinou a prestar apoio à operação relacionada com migrantes marroquinos intercetados ao largo da Praia de Vale do Lobo, neste concelho do sotavento algarvio.

Já no que respeita a unidades hoteleiras e militares em reserva para a Covid-19, estão disponibilizadas “39 estruturas com capacidade de 1.791 camas” nos 16 concelhos do Algarve. Ou seja, passou a haver mais uma estrutura e mais 449 camas em comparação com a passada semana.

9.113  TESTES  EM  155  LARES  DE  IDOSOS  E INSTITUIÇÕES   SIMILARES  DO  ALGARVE

No período compreendido entre 30 de Março e 25 de Junho, na sequência do protocolo celebrado entre o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e o Algarve Biomedical Center (ABC), laboratório situado em Faro, realizaram-se 9.113 testes de rastreio para despistagem da Covid-19, “dos quais 604 foram re-testes”. Esta ação abrangeu utentes e funcionários de 155 lares de idosos e instituições similares, nos 16 concelhos da região algarvia.

Já de 04 de Maio e 25 de Junho, houve 2.589 testes, “dos quais foram 41 re-testes”, a funcionários de um total de 135 creches, estabelecimentos do ensino pré-escolar e Centros de Atividades Ocupacionais.

Autor: José Manuel Oliveira

Deixe uma resposta