Sociedade

PONTO DA SITUAÇÃO DA EVOLUÇÃO DO NOVO CORONAVÍRUS COVID-19 A NÍVEL NACIONAL E NO ALGARVE – DIA 24 DE MAIO DE 2020

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde indica no dia 24 de Maio de 2020, que a evolução do novo coronavírus Covid-19, em Portugal, é a seguinte:

  • Total de casos confirmados acumulados – 30.623 (mais 152 casos do que no dia 23 de Maio de 2020)
  • Total de recuperados – 17.549 (mais 9.844 do que no dia 23 de Maio de 2020. É o número mais elevado desde o início desta pandemia.)
  • Total de internados – 536 (menos 14 do que no dia 23 de Maio de 2020)
  • 78 em Unidades de Cuidados Intensivos (menos 02 do que no dia 23 de Maio de 2020)
  • Total de casos suspeitos – 309.966 desde 01/01/2020 (mais 1.382 casos do que no dia 23 de Maio de 2020)
  • Total de Óbitos – 1.316 (mais 14 do que no dia 23 de Maio de 2020)

ALGARVE

Sem registo de novos casos de infeção

O total de casos de infeção acumulados na região algarvia, de acordo com o relatório da Direção-Geral da Saúde no dia 24 de Maio de 2020, não se alterou, mantendo-se, assim, em 361.

Total de Óbitos mantém-se em 15

Os casos conhecidos são:

  • 1 em Portimão
  • 1 em Quarteira, no concelho de Loulé
  • 5 em Boliqueime, no concelho de Loulé
  • 1 no concelho de São Brás de Alportel
  • 2 em Vila Real de Santo António
  • 2 no concelho de Albufeira
  • 2 no concelho de Lagoa

Também não houve mais doentes recuperados

Casos de recuperação no Algarve:

  • 61 no concelho de Loulé
  • 52 no concelho de Albufeira
  • 43 no concelho de Faro
  • 34 no concelho de Portimão, segundo informa a Câmara
    Municipal
  • 24 no concelho de Tavira
  • 13 no concelho de Vila Real de Santo António
  • 10 no concelho de Silves
  • 11 no concelho de Olhão
  • 06 no concelho de Lagoa
  • 04 em Lagos
  • 02 no concelho de Castro Marim
  • 01 no concelho de Monchique
  • 01 no concelho de São Brás de Alportel

Tudo na mesma relativamente a casos de infeção na região algarvia

Agora com um total de 90 casos confirmados de infeção acumulados, o concelho de Loulé mantém-se, no Algarve, como o mais atingido pela Covid-19. Segue-se Albufeira, com 75 casos. Informações recolhidas apontam Faro (54), Tavira (34) e Silves (21) nas posições seguintes. No concelho de Silves, recorde-se, foram detetados, há dias, dois casos positivos do novo coronavírus a um casal residente na Urbanização do Olival, em Tunes, de acordo com um comunicado do executivo da União de Freguesias de Algoz e Tunes, na sua página no ‘Facebook’. O homem está agora em isolamento, fazendo a recuperação domiciliária na sua habitação em Tunes, enquanto a mulher se encontra numa moradia localizada em Silves. A família do casal “e contactos próximos estão identificados, tendo sido feitos testes, até à data todos negativos”, acrescenta o comunicado do executivo daquela junta de freguesia do concelho de Silves.
Por outro lado, Vila Real de Santo António mantém 17 casos de infeção confirmados acumulados, Olhão (12) e Lagoa (10). Portimão, como temos referido, passou a contar com 03 doentes cujos testes revelam positivo, segundo a Câmara Municipal. Castro Marim já tem recuperados os 02 casos de infeção que havia no município. Em Lagos também já não existem casos ativos, estando recuperados os 04 doentes registados, além de se encontrarem 14 pessoas em vigilância, revela a Junta de Freguesia de São Gonçalo de Lagos, na sua página no ‘Facebook’. Por seu turno, o concelho de São Brás de Alportel consta, agora, das estatísticas divulgadas pela Direção-Geral da Saúde, com 03 casos de infeção. No concelho de Monchique está recuperado o único caso de infeção registado. E os concelhos de Alcoutim, Aljezur e Vila do Bispo mantêm-se sem registo de qualquer caso relacionado com o novo coronavírus.

Recorde-se que o Boletim Epidemiológico diário da Direção-Geral da Saúde indica, apenas, o “total de notificações clínicas no sistema SINAVE, correspondente a 80 por cento dos casos confirmados.” Quando os casos confirmados são “inferiores a três, por motivos de confidencialidade, os dados não são apresentados”. Daí poder existir discrepância entre números divulgados.

Autor: José Manuel Oliveira

Deixe uma resposta