Foi apresentado o Plano Estratégico de Turismo do Concelho de Lagos

A sessão de apresentação decorreu por videoconferência no passado dia 18 de fevereiro. Contando com uma forte participação de entidades associadas ao Turismo, de empresários/stakeholders locais e do público em geral, foram apresentadas as linhas gerais deste plano estratégico que tem como base o contexto de crise pandémica, definindo as principais linhas orientadoras para o futuro daquela que é a principal atividade económica do concelho. Sustentabilidade, valorização dos recursos locais e Lagos como “Cidade Inteligente” foram alguns dos conceitos chave apresentados.

Com abertura realizada pelo Presidente da Câmara Municipal de Lagos, Hugo Pereira, a sessão contou com a apresentação do plano por Carlos Medeiros, Presidente da IPI Consulting Network, entidade responsável pela elaboração do plano, e com as intervenções de João Guerreiro, atual Presidente da A3ES – Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior, Professor Catedrático, antigo Reitor da Universidade do Algarve e pessoa com profundo conhecimento da região, João Fernandes, Presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), e José Apolinário, Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR).

Alinhado com as estratégias para o turismo nacional e regional, as medidas propostas para Plano Estratégico de Turismo do Concelho de Lagos assentam na concertação entre os diferentes agentes públicos e privados, baseando-se em princípios de sustentabilidade e de valorização dos recursos do concelho, permitindo também uma maior coesão económica, social e territorial. Tendo em conta que Lagos apresenta uma oferta diversificada de recursos para todos os gostos e públicos, foi então definido um plano de ação baseado em estratégias fundamentais.

Nas ações transversais, definir Lagos como “Cidade Inteligente” permitirá dotar o concelho de elementos que a tornam mais segura, acessível, tecnológica e sustentável, seja na iluminação urbana, sinalética específica, criação de aplicações temáticas e implementação de uma rede de videovigilância em locais estratégicos. Já na área da Comunicação e Marketing, a palavra de ordem é “inclusão”, com a intenção de comunicar mais e melhor em várias línguas, para vários e novos públicos, recorrendo à acessibilidade das novas tecnologias para promover o concelho nas várias vertentes. No que toca à Qualidade, para além da monotorização e intervenção em situações de irregularidades no setor turístico, também se pretende reforçar Lagos como concelho atrativo e amigo do investidor, da comunidade criativa e dos nómadas digitais.

Incluídas nas ações temáticas de turismo estão as Praias, a Náutica, a Natureza, a Cultura, o Golf e a Saúde e Bem-Estar. Para as Praias, estão previstas acções que envolvem a melhoria das condições de higiene e segurança e a sua inclusividade. No Turismo Náutico, a intenção é reforçar a promoção das suas várias atividades envolvidas, incrementando a sua notoriedade em todo o mundo. Já o Turismo de Natureza irá merecer grande destaque neste plano, descentralizando o turismo do concelho do litoral para o interior. Previstas estão estratégias que passam pela valorização da biodiversidade, da fauna e flora e sua observação através de várias rotas temáticas, experiências e práticas desportivas, mas também pela promoção do autocaravanismo sustentável.

Dada a rica História e Cultura de Lagos, importa também intervenção nesta área, com o desenvolvimento de rotas temáticas ligadas, não só à Rota dos Descobrimentos, à gastronomia local e ao enoturismo, mas também à arquitectura moderna que tanto tem crescido em Lagos. Em cima da mesa está também o reconhecimento da tradicional Arte Xávega da Meia Praia através da sua candidatura à UNESCO como Património Imaterial da Humanidade.

Dispondo o concelho de campos de golf premiados, esta modalidade será reforçada para combater a sazonalidade e engrandecer a notoriedade mundial de Lagos nos circuitos desta prática. O Turismo de Saúde e Bem-Estar irá merecer maior intervenção através da criação de condições favoráveis para atrair investimento neste setor e a melhoria da rede de cuidados de saúde, alargando-a a uma vertente de turismo.

Com este Plano Estratégico de Turismo, a autarquia lacobrigense pretende, não só combater os efeitos nocivos da pandemia neste setor, mas também fortalecer o seu papel de agente regulador e a sua missão enquanto entidade promotora e facilitadora da atividade turística, reafirmando Lagos como destino de excelência.

PUBLICIDADE