Sociedade

É ESTA A SITUAÇÃO DO NOVO CORONAVÍRUS COVID-19 A NÍVEL NACIONAL E NO ALGARVE – DIA 01 DE JUNHO DE 2020

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde revela que o o novo coronavírus Covid-19 no dia 01 de Junho de 2020 apresenta em Portugal este quadro:

– Número total de casos confirmados acumulados – 32.700  (mais 200 casos do que no dia 31 de Maio de 2020)

– Número total de recuperados – 19.552  (mais 143 do que no dia 31 de Maio de 2020)

– Número total de internados – 471  (menos 03 do que no dia 31 de Maio de 2020)

64 em Unidades de Cuidados Intensivos (o mesmo número do dia 31 de Maio de 2020)

– Número total de casos suspeitos acumulados desde 01/01/2020 – 326.278  (mais 1.252 do que no dia 31 de Maio de 2020). Do total destes casos suspeitos, 291.858 não se confirmaram.

Entretanto, 1.720 pessoas aguardam os resultados laboratoriais aos testes efetuados, ao mesmo tempo que 27.958 estão sob vigilância pelas autoridades de saúde.

– Número total de óbitos – 1.424 (mais 14 do que no dia 31 de Maio de 2020)

A Região Norte continua a ser a mais afetada pelo novo coronavírus, com 16.760 casos de infeção acumulados e 791 óbitos (mais 07 do que no dia 31/05/2020), seguida da Região de Lisboa e Vale do Tejo, com 11.142 casos e 363 mortes (mais 06 do que no dia 31/05/2020), e da Região Centro que regista 3.744 casos e 239 falecimentos (mais 01 do que no dia 31/05/2020). Já o Alentejo apresenta 259 casos e um óbito.

ALGARVE

Há mais duas pessoas infetadas

Ascende, agora, a 372 o número total de casos de infeção acumulados desde o início desta pandemia na região algarvia, de acordo com relatório da Direção-Geral da Saúde publicado no dia 01 de Junho de 2020. Ou seja, há mais duas pessoas com Covid-19.

Total de óbitos  mantém-se em 15

Os casos conhecidos são:

 – 1 em Portimão

 – 1 em Quarteira, no concelho de Loulé

–  5 em Boliqueime, no concelho de Loulé

 – 1 no concelho de São Brás de Alportel

–  2 em Vila Real de Santo António

 – 2 no concelho de Albufeira

–  2 no concelho de Lagoa

Já há 292 pessoas recuperadas na região algarvia

Casos de recuperação conhecidos no Algarve:

– 69 no concelho de Loulé

– 58 no concelho de Albufeira

– 48 no concelho de Faro

– 37 no concelho de Portimão (mais 02), informa a Câmara

  Municipal

 -25 no concelho de Tavira

– 14 no concelho de Vila Real de Santo António

13 no concelho de Silves

– 12 no concelho de Olhão 

– 07 no concelho de Lagoa

– 04 em Lagos

– 02 no concelho de Castro Marim

– 01 no concelho de Monchique

– 02 no concelho de São Brás de Alportel

Loulé e Albufeira continuam a ser os concelhos mais atingidos pela pandemia e Portimão tem agora apenas uma pessoa infetada

O concelho de Loulé, de acordo com informações recolhidas, conta 96 casos de infeção acumulados desde o início da pandemia, seguido de Albufeira, que tem 76 confirmados. Nas posições seguintes mantêm-se Faro (55), Tavira (34) e Silves (20).

Por outro lado, Vila Real de Santo António continua com o registo de 17 casos de infeção confirmados acumulados, Olhão apresenta 13 e Lagoa 09. Portimão conta, agora, apenas com uma pessoa cujos testes revelam positivo, segundo indica a Câmara Municipal. Castro Marim já tem recuperados os 02 casos de infeção que havia no concelho. Em Lagos, também já não existem casos ativos, estando recuperados os 04 doentes registados. Por seu turno, o concelho de São Brás de Alportel, como temos referido, passou a constar das estatísticas divulgadas pela Direção-Geral da Saúde, com 03 casos de infeção. Dois deles já estão dados como recuperados. No concelho de Monchique também está recuperado o único caso de infeção registado. Na região algarvia, só os concelhos de Vila do Bispo, Alcoutim e Aljezur mantêm-se sem registo de pessoas atingidas por esta pandemia.

Recorde-se que o Boletim Epidemiológico diário da Direção-Geral da Saúde indica, apenas, o “total de notificações clínicas no sistema SINAVE, correspondente a 91 por cento dos casos confirmados.” E quando os casos confirmados são “inferiores a três, por motivos de confidencialidade, os dados não são apresentados”. Daí poder existir discrepância entre números divulgados.

Autor: José Manuel Oliveira

Deixe uma resposta