Entrevistas

VÍTOR ALEIXO, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LOULÉ, AO LITORALGARVE: “PASSEIOS DA NATUREZA, GOLFE, HIPISMO PODEM PERFEITAMENTE VOLTAR E O VERÃO NÃO ESTÁ PERDIDO”

“Vai ser um Verão diferente dos outros” e “as regras que forem definidas têm de ser escrupulosamente cumpridas”, avisa o presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo, que, nesta breve entrevista ao ‘Litoralgarve’, deixa o alerta: “O vírus continua a propagar-se. Se vamos reintroduzir, gradualmente, normas de convívio, então temos de fazê-lo com toda a segurança.” O autarca aguarda a evolução do processo que irá definir regras para as praias, espera menos turistas e admite que só em 2021 será possível regressar à normalidade.

Litoralgarve – Como perspetiva o próximo Verão no concelho de Loulé, perante o novo coronavírus, Covid-19?

Vítor Aleixo – Eu acho que vai ser um Verão diferente dos outros. Vamos ter menos turistas, vamos ter mais regras para podermos conviver uns com os outros. Os turistas vão ter regras para poderem frequentar as praias. E, portanto, é toda uma situação nova que é difícil antecipar exatamente como é que vai correr. Mas sabemos que vai correr de modo diferente.

“As regras que forem definidas têm de ser escrupulosamente cumpridas”

Litoralgarve – Restrições nas praias. Controlar entradas para evitar enchentes? Como é possível?

Vítor Aleixo – Penso que essa situação está a ser ponderada pelas autoridades que irão na altura própria dar a conhecer orientações concretas sobre a forma como é que as pessoas, no Verão, vão poder continuar a ir às praias, que regras é que todos vamos ter de observar. É difícil dizer, neste momento, como serão. É matéria que ainda está em estudo. O que lhe posso afirmar é que os municípios do Algarve estão também a refletir para dar o seu contributo às instâncias centrais do Governo da República, de modo a que possa ir daqui aquela que é a nossa sensibilidade.

Litoralgarve – E qual é a sensibilidade das autarquias?

Vítor Aleixo – A nossa sensibilidade é que o vírus continua a propagar-se. Se vamos reintroduzir, gradualmente, normas de convívio entre nós, então temos de fazê-lo com toda a segurança. E as regras que forem definidas terão de de ser escrupulosamente cumpridas.

“Locais de diversão noturna em que as pessoas têm de estar confinadas dentro de um espaço a dançar, a conviver, a beber um copo, acho que dificilmente poderão ter luz verde”

Município de Loulé - Câmara Municipal de Loulé Vítor Aleixo assume ...
Vitor Aleixo. Presidente da CM- Loulé

Litoralgarve – Discotecas, bares, locais de diversão noturna, vão poder funcionar?

Vítor Aleixo – Não sei. Como lhe disse, não há decisões tomadas nesse sentido. Julgo que os locais de diversão noturna ‘indoor’ (dentro de portas – n. d. r.) , em que as pessoas têm de, naturalmente, estar confinadas dentro de um espaço determinado juntas, porque estão a dançar, a conviver, estão a beber um copo, aí, eu acho que dificilmente, no meu ponto de vista, essas situações poderão ter luz verde. Mas há outros momentos que podem perfeitamente voltar, como em espaços ao ar livre, passeios da natureza, desportos como o golfe, o hipismo e tantas outras atividades. Não há ideias feitas, há um período de reflexão, há muita gente a pensar como é que vamos gozar férias no próximo Verão, convivendo com este vírus.

“Não teremos, naturalmente, um Verão como todos gostaríamos de ter”

José Apolinário e Vitor Aleixo

Litoralgarve – É mesmo possível gozar férias? O Verão, o Agosto, está, ou não, perdido?

Vítor Aleixo – Eu considero que não está perdido. Não teremos, naturalmente, um Verão como todos gostaríamos de ter por razões que todos compreendem. Mas perdido não está.

Litoralgarve – Como pensa que será possível gerir a circulação das pessoas em praias como a de Vilamoura e de Quarteira, entre muitas outras, no concelho de Loulé?

Vítor Aleixo – Essa situação está a ser ponderado. Vão existir com certeza regras, mas a situação está ainda em processo de elaboração.

Litoralgarve – O mês de Maio é decisivo para definir planos a esse nível, com as câmaras municipais a darem um contributo?

Vítor Aleixo – Maio é um mês importante, até porque o período de emergência nacional decretado pelo senhor Presidente da República termina no dia 03 de Maio. Portanto, vamos ver daí para à frente quais as atividades e em que condições é que regressarão à sua atividade normal. Uma coisa sabemos: é que não vai regressar tudo ao mesmo tempo. Vai haver blocos, etapas, vão existir diferentes momentos. Vamos aguardar.

Litoralgarve – Voltar à normalidade só será possível no próximo ano?

Vítor Aleixo – Acredito que sim.

Autor: José Manuel Oliveira

Deixe uma resposta