Entrevistas

SECRETÁRIO DE ESTADO JOSÉ APOLINÁRIO, COORDENADOR NO ALGARVE DA EXECUÇÃO DA DECLARAÇÃO DO ESTADO DE EMERGÊNCIA, AO LITORALGARVE: “É PRECISO TENTAR SALVAR O EMPREGO E ATÉ EMPRESAS NESTA FASE”

Numa curta entrevista ao ‘Litoralgarve’, nas instalações do Comando Regional de Emergência e Proteção Civil, em Loulé, ao início da tarde de quarta-feira, dia 23/04/2020, após um encontro com os ministros da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, o secretário de Estado das Pescas, José Apolinário, coordenador na Região do Algarve da execução da Declaração do Estado de Emergência, no âmbito da Covid-19, destaca o facto de a proporção de infetados e óbitos por 100.000 habitantes ser “inferior ao todo nacional”,  aponta para a abertura gradual da atividade económica, “garantindo o distanciamento social”, e diz que haverá “mais espaçamento entre toldos nas praias” e nas atividades balneares.

Litoralgarve – Como têm sido estas primeiras semanas no cargo de Coordenador na Região do Algarve da execução do Estado de Emergência, no âmbito da Covid-19?

José Apolinário – O Algarve tem uma estrutura distrital muito bem organizada, com grande empenho das autarquias, dos serviços de saúde, da Segurança Social e de outras entidades. Temos na proporção por 100.000 habitantes, um número quer de infetados, quer de óbitos, inferior ao todo nacional. Nestes dias, temos feito um foco especial nas análises, na verificação nos lares em relação aos funcionários e aos utentes, e também ações específicas dirigidas às populações migrantes, como por exemplo do Nepal, da Índia, do Paquistão. São pessoas que estão no Algarve, quer no turismo, quer na agricultura, e temos feito ações de sensibilização muito específicas, muito dirigidas a estas comunidades.

Por outro lado, estamos a trabalhar, também, com o turismo sobre a ‘layoff’, assim como em relação à abertura progressiva das atividades ligadas ao sector do turismo.

“Ver em que condições é que poderemos abrir restaurantes, pequeno comércio de pequena proximidade”

Litoralgarve – Que problemas foram colocados pelos presidentes das câmaras municipais do Algarve, em vídeo teleconferência realizada nesta quarta-feira, a partir do Comando Regional de Emergência e Proteção Civil, em Loulé, com a participação dos ministros da Administração Interna e da Agricultura?

José Apolinário – Foram mais as questões da abertura à economia. Manter o equilíbrio entre a prestação da saúde e a abertura gradual  da economia.

Praia da Rocha

Litoralgarve – Como vai ser em Maio ao nível de restaurantes e hotéis, por exemplo?

José Apolinário – Estamos a trabalhar para abrir de forma gradual. Não está ainda definida a data, se é no início ou se durante o mês de Maio. Neste momento, estamos a trabalhar para ver em que condições é que poderemos abrir restaurantes, pequeno comércio de pequena proximidade.

“É uma matéria que ainda não está fechada” controlar os acessos às praias para evitar enchentes

Litoralgarve – E em relação às praias?

José Apolinário – Estamos a trabalhar com o sector da saúde, com as câmaras municipais, com o Ambiente, para garantir o distanciamento social. Vai obrigar, por exemplo, a que haja maior espaçamento entre toldos, maior espaçamento nas atividades da praia.

Litoralgarve – Será possível controlar os acessos às praias para evitar enchentes?

José Apolinário – É uma matéria que ainda não está fechada. Está a ser trabalhada com a Direção-Geral da Saúde.

Litoralgarve – A partir de Maio, após o levantamento do estado de emergência nacional, como irá ser?

José Apolinário – A época balnear começa no dia 01 de Junho. Temos de ter tudo preparado durante o mês de Maio.

Litoralgarve – Como encara o próximo Verão turístico?

José Apolinário – É preciso ter presente que, normalmente, o Verão, antes do grande ‘boom’ do turismo, acontecia na segunda quinzena de Julho e no mês de Agosto. É para esse cenário que nos preparamos e ver como vai evoluir a doença, para em função disso aquilatar qual é a dimensão da época do golfe, que é uma época que vai de Outubro a Março, Abril, aproximadamente.

Praia da Rocha

Concentração de Motos?

“Eventos de maior dimensão muito provavelmente vão ter fortes condicionantes”

Litoralgarve – É possível salvar o Verão no Algarve, em termos de eventos, música, festivais?

José Apolinário – Neste momento, é prematuro avançar com essa matéria. Naturalmente que em relação a eventos de grandes concentrações de pessoas não vai ser possível.

Litoralgarve – Por exemplo, a Concentração de Motards que se realiza todos os anos em Faro, está fora de hipótese?

José Apolinário – Não me compete tomar essa posição. Mas quero chamar a atenção que esses eventos de maior dimensão muito provavelmente vão ter fortes condicionantes.

Litoralgarve – Como perspetiva o mês de Agosto no Algarve?

José Apolinário – Neste momento, ninguém sabe ainda. Vamos abrir gradualmente a atividade económica, mas garantindo o distanciamento social.

Litoralgarve – E sente os empresários motivados para regressar à atividade?

José Apolinário – No turismo, o nosso desafio é começar a preparar o pós-Covid. É preciso tentar salvar o emprego e até empresas nesta fase. E, insisto, preparar o pós-Covid.

Meia-Praia/Lagos

Sensibilizar migrantes para o afastamento social com folhetos na própria língua

Litoralgarve – Nesta quarta-feira de manhã (dia 22 de Abril), houve um encontro no concelho de Tavira, com migrantes asiáticos numa exploração agrícola. O que lhe pareceu?

José Apolinário – Houve um encontro de sensibilização e formação junto da comunidade de migrantes. Fizemos folhetos na língua desses mesmos migrantes, no fundo para sensibilizá-los para distanciamentos e para o afastamento social. Foi um encontro  que contou com a presença do Alto Comissariado das Migrações e  correu bem. Quer o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, quer o Alto Comissariado para as Migrações, criaram canais de informação para estas populações. Há uma sensibilização sobre essa matéria.

Autor: José Manuel Oliveira

Deixe uma resposta