Politica

Luís Graça convida autarquias algarvias a avançar com classificação e proteção de zonas húmidas

O deputado socialista Luís Graça convidou as autarquias de Loulé, Albufeira, Silves e Lagos a avançarem com a classificação das zonas húmidas nestes territórios – designadamente o Trafal e Foz do Almargem, Lagoa dos Salgados e Paul de Lagos – como Áreas Protegidas de Âmbito Local.

O apelo surge no âmbito do dia Mundial das Zonas Húmidas, assinalado no último fim de semana, dia 2 de fevereiro, e visa comprometer os municípios com a elaboração e futura contratualização de um plano de gestão junto do Ministério do Ambiente para aqueles espaços de elevada importância para a biodiversidade, nomeadamente ao nível da avifauna.

O deputado socialista, que foi promotor de um projeto de resolução aprovado em 2018 na Assembleia da República para a proteção ecológica e classificação legal destas áreas, escreveu aos autarcas dos quatro concelhos algarvios por forma a que a decisão destes fosse tomada em conjunto e de forma simultânea.

“Sublinho a minha enorme satisfação pelo entusiamo com que a iniciativa foi recebida por todos os autarcas. Todos os presidentes de Câmara mostraram nas reuniões que tivemos absoluta disponibilidade e empenho total para levar por diante a classificação legal destas zonas húmidas nos seus territórios, até porque cada um já estava, ainda que de forma isolada, a trabalhar para esse objetivo”, afirmou. “Este compromisso que abrange autarcas de todos os partidos é muito positivo para um Algarve ambientalmente de excelência e central para o equilíbrio ecológico da nossa região”, concluiu Luís Graça.

Nas missivas enviadas aos presidentes destas Câmaras, o deputado eleito pelo Algarve recorda que as zonas húmidas da Lagoa dos Salgados (concelho de Silves e Albufeira), Trafal e Foz do Almargem (Quarteira, concelho de Loulé) e do Paul de Lagos (concelho de Lagos), constituem-se como espaços de transição entre o meio terrestre e marinho, onde as águas doces e salgadas se combinam, assumindo-se como ambientes de relevante importância biológica e ecológica, desempenhando, simultaneamente, um papel basilar no equilíbrio dos ecossistemas contíguos”.

Sublinhando que o Ministério do Ambiente atribuiu recentemente um significativo apoio financeiro à Almargem, no âmbito de uma candidatura que o próprio incentivou a associação de proteção e valorização do património ambiental do Algarve a apresentar ao Fundo Ambiental para o estudo e caracterização das zonas húmidas do Algarve e cujos trabalhos de campo já estão em curso, o deputado considera nesta fase “o envolvimento das autarquias decisivo para a classificação e proteção destas importantes zonas húmidas e renova a sua disponibilidade para continuar a apoiar a defesa e proteção dos recursos naturais e ambientais do Algarve”.

Autor: PS

Deixe uma resposta